Tendências

Uso de IA tem sido imperativo para combater ataques cibernéticos

Especialista da Trend Micro avalia que uso de novas tecnologias têm tido papel importante para detectar ameaças digitais durante a crise da Covid-19

A coleta, o monitoramento e a análise credíveis de dados são imperativos à medida que se adota novas tecnologias, como Inteligência Artificial, para ajudar a combate fraudes virtuais e crimes cibernéticos durante a crise da Covid-19. Essa é a visão de Myla Pilão, Director for Technical Marketing da Trend Micro, empresa global em cibersegurança. A especialista afirma que por meio de um grande conjunto de dados, algoritmos podem ser definidos para aprender e gerar novas descobertas relacionadas à ameaças no ambiente cibernético.

“Até certo ponto, vimos como a Inteligência Artificial e o aprendizado de máquina têm sido usados para coletar informações e ser capaz de digerir esses dados de maneira que se relaciona no combate a fraudes digitais para a população durante a pandemia”, afirma Myla. A executiva avalia porém que certos desafio enfrentados limitam as organizações a adotar completamente essas tecnologias, além da necessidade agravada de fornecer as informações com senso de urgência. Dentre alguns exemplos estão a capacidade de acesso aos dados em razão da privacidade, e também a contaminação das informações pela forma como essas são processadas ou armazenadas.

Por meio de um grande conjunto de dados, algoritmos podem ser definidos para aprender e gerar novas descobertas relacionadas à ameaças no ambiente cibernético  

A especialista, que também é responsável por liderar a divisão de monitoramento de ameaças de segurança na Trend Micro, avaliou que muitas ocorrências relacionadas a fraudes de e-mails corporativos, além de incidências em transações financeiras e em comércios eletrônicos foram detectadas desde o início da crise da Covid-19. “Em grande parte, 95% dos ataques relacionados à pandemia estão usando predominantemente mensagens de spam e técnicas de phishing como porta de entrada”, afirma.

Pela ótica das fraudes relacionadas às compras em lojas virtuais, Myla ressalta que naturalmente há maior incidência uma vez que o volume de pedidos no comércio eletrônico cresce em razão dos distanciamento social imposto para conter o surto do novo coronavírus. “Esse cenário deu origem à oportunidade de usar sites fraudulentos para interceptar algumas dessas transações”, aponta. A especialista diz que o Brasil figurou na lista dos 30 maiores países que a Trend Micro detectou como alvo de endereços de páginas na internet (URLs) com tráfego malicioso desde o início da crise.

Além disso, a executiva da Trend Micro destacou ainda que a crise gerou outras oportunidades para falsários lucrarem em ambientes cibernéticos. Myla mencionou uma recente pesquisa feita pela companhia que detalhou as condições do mercado conhecido como underground. “O que é notável é que o leque de negociações nesse mercado permanece inalterado nos últimos anos. No entanto, o comércio de exploração de terminais de vendas por cartão (POS na sigla em inglês) e informações de cartão de crédito roubadas permanecem parte das quatro principais ofertas mais populares no mercado underground de ciberataques”, afirma.

A especialista ressaltou também que os criminosos obtiveram lucro ilegal às custas dos consumidores e das organizações durante a crise da Covid-19. Dentre alguns mecanismos detectados estão o roubo de credenciais em plataformas de streaming de vídeo e de jogos, o uso de extorsão digital por meio de técnicas de ransomware, e também fraudes relacionadas à pedidos de doações para a pandemia e em auxílios financeiros emergenciais pagos por autoridades de governo para a população. “Isso é exclusivo para a crise atual. Ou seja, não vimos isso ser usado no passado”, destaca Myla.

A diretora da Trend Micro afirmou que de modo a ajudar combates cenário de fraudes e crimes cibernéticos durante a crise atual, instituições públicas e privadas devem agir em conjunto. “Uma parte crítica de qualquer estratégia de cibersegurança é ajudar a direcionar a confiança dos setores públicos e privados, além dos consumidores, na proteção de seus direitos e dados digitais por meio de uma abordagem equilibrada de segurança cibernética”, conclui.

Serviço
www.trendmicro.com

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos