book_icon

IDC atualiza seu modelo Future of Digital Infrastructure

Introduzida inicialmente em 2020, a estrutura atualizada captura toda a complexidade e interconectividade dos recursos atuais de infraestrutura local, de Borda e de Nuvem

IDC atualiza seu modelo Future of Digital Infrastructure

A agilidade empresarial e a eficácia operacional dependem em grande parte da capacidade de resposta, escalabilidade e resiliência da infraestrutura digital usada para permitir aplicativos de missão crítica, operações de dados e conectividade exigida por clientes, parceiros e funcionários. Durante períodos de incerteza – cadeias de suprimentos interrompidas, inflação crescente, instabilidade geopolítica, picos de preços de energia, pandemia global de Covid-19 em andamento e mudanças climáticas – agilidade e resiliência são especialmente críticas. Reconhecendo esses novos imperativos corporativos e a necessidade de as empresas adotarem abordagens distribuídas por design, a IDC atualizou sua estrutura Future of Digital Infrastructure.

A estrutura da IDC destaca a necessidade de arquiteturas distribuídas por design que ofereçam suporte a mais flexibilidade e agilidade de negócios do que podem ser fornecidas por estratégias híbridas ou Multicloud em silos

Introduzida inicialmente em 2020, a estrutura atualizada captura toda a complexidade e interconectividade dos recursos atuais de infraestrutura local, de Borda e de Nuvem pública. Construída em três pilares principais, a estrutura ajuda os compradores e fornecedores de tecnologia a entender como as estratégias digitais bem-sucedidas são construídas com base em investimentos críticos em infraestrutura digital em Data Centers locais dedicados, pontos de presença e recursos de Nuvem pública.

As tecnologias de Nuvem servem como base para plataformas e sistemas usados ​​para criar e fornecer serviços em Nuvem e permitir a entrega usando uma variedade de serviços compartilhados de Nuvem pública, serviços gerenciados, infraestrutura dedicada e modelos de software como serviço. As tecnologias de Nuvem incluem computação, armazenamento e rede modernos, bem como software para automação e observabilidade de infraestrutura; gestão de dados e mobilidade; segurança; e são desenvolvidos para escalabilidade sob demanda, controle definido por software, integração habilitada por API e medição baseada em uso ou consumo.

As operações autônomas enfatizam o valor da automação definida por software com base em um projeto de plano de controle de infraestrutura e informado por análises baseadas em IA/ML e governança baseada em políticas. As operações autônomas permitem acesso, configuração, implementação e operações de autoatendimento à infraestrutura de autocorreção, autocondução e autoatendimento, além de dimensionamento de carga de trabalho sob demanda e resiliência de infraestrutura de ponta a ponta.

O consumo onipresente capacita as empresas digitalmente orientadas a adotar uma abordagem holística para avaliar e aproveitar todas as opções de implementação disponíveis nos ecossistemas de infraestrutura digital. O consumo onipresente fornece experiências perfeitas para usuários finais e unidades de negócios e oferece uma oportunidade para a TI adotar modelos de suporte e consumo como serviço como parte da estratégia de TI de infraestrutura digital que alinha os gastos com os resultados de negócios e muda atividades rotineiras, como planejamento de capacidade , suporte ao ciclo de vida, monitoramento de infraestrutura e otimização de custos para fornecedores de equipamentos e software.

Arquiteturas distribuídas por design

À medida que as empresas migram mais cargas de trabalho para a Nuvens públicas, os provedores de infraestrutura local estão respondendo investindo em automação e modelos de assinatura para fornecer uma experiência sob demanda equivalente e econômica. No entanto, sob um fino verniz de sistemas de solicitação de serviço e ferramentas de monitoramento de desempenho, a maioria dessas implementações de Nuvem pública e privada opera como silos com fluxo de trabalho limitado ou integração de dados. A estrutura da IDC destaca a necessidade de arquiteturas distribuídas por design que ofereçam suporte a mais flexibilidade e agilidade de negócios do que podem ser fornecidas por estratégias híbridas ou Multicloud em silos.

“As futuras empresas bem-sucedidas dependerão fortemente de arquiteturas de infraestrutura digital e estratégias de gerenciamento otimizadas para uma nova geração de trabalhadores altamente distribuídos e aplicativos e serviços com uso intensivo de dados”, explicou Mary Johnston Turner, vice-presidente de Pesquisa do programa Future of Digital Infrastructure da IDC. “O futuro da infraestrutura digital exige ambientes que são ‘distribuídos por design’ com a expectativa de que sejam altamente automatizados, ágeis e cientes da carga de trabalho. Os líderes de TI e de linha de negócios precisarão colaborar e alinhar proativamente os investimentos com os negócios digitais prioridades e KPIs”, finalizou.

Serviço
www.idc.com

 

API

Borda

Data Center

Future of Digital Infrastructure

IDC

infraestrutura

Nuvem

O seu endereço de e-mail não será publicado.


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.