book_icon

O potencial ainda pouco explorado da Internet das Coisas

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso. Internet das Coisas significa aumentar a produtividade no trabalho, melhorar a mobilidade urbana e as condições de segurança pública e privada, agilizar processos e muito mais.

Quando o uso das cartas tradicionais foi substituído pelo e-mail, por exemplo, as vantagens não se limitavam à facilidade de diagramar, corrigir e salvar. Essa evolução tecnológica permitiu ao usuário, entre outras atividades, interações em tempo real e conexão entre diversas pessoas ao mesmo. Mudanças importantes, sem dúvidas, que foram ampliadas a partir da conectividade. Com IoT, o cenário se repete: interconectados, objetos ganharão funções e trarão benefícios até então pouco imaginados a nossas vidas.

Já existem diversos exemplos práticos de utilização de IoT no ambiente residencial. Lâmpadas, autofalantes, câmeras e controles remotos que tornam as casas “inteligentes” auxiliam em tarefas básicas, na personalização de ambientes e no controle dos gastos de energia. No meio corporativo, IoT já está em sensores capazes de identificar a presença de funcionários no local de trabalho e liberar o acesso de pessoas e veículos com facilidade. Outro exemplo da presença de IoT é em dispositivos que verificam a necessidade de manutenção de máquinas e em sistemas de rastreamento em tempo real de diferentes ativos, como, veículos e equipamentos de TI. Tudo muito empolgante, mas é só o começo.

Atualmente falamos com naturalidade sobre cidades inteligentes. Grandes metrópoles já utilizam IoT para integrar ações de segurança, transporte, saneamento, saúde e educação. Um exemplo muito interessante é San Diego, nos Estados Unidos, onde uma rede de dispositivos conectados emite dados frequentes sobre clima, iluminação, som, trânsito e estacionamento para uma plataforma em nuvem, a partir da qual desenvolvedores podem criar aplicações com diversos objetivos: aumentar a eficiência no consumo de energia, monitorar perigos e desastres naturais, melhorar o transito e também apoiar na prevenção e monitoramento de crimes.

No Brasil, barreiras importantes como preço e conectividade devem atrasar a popularização da tecnologia. A conectividade dos dispositivos de IoT irá realmente atingir seu pleno potencial quando as tecnologias de 5G (que permite alta velocidade e baixa latência e de NarrowBand-IoT (que prove uma cobertura de longo alcance com baixo consumo de bateria dos dispositivos) estiverem presentes em todos os ambientes do nosso dia a dia. Porém, o preço da tecnologia, como no passado, irá depender de ganhos de escala, que devem ocorrer nos próximos anos no mundo e consequentemente no Brasil.

Do ponto de vista dos provedores de soluções e IoT, um dos maiores desafios será oferecer uma boa experiência ao usuário final, questão tratada pelo Gartner como fundamental. Segundo a consultoria global, a experiência do usuário de IoT abrangerá uma vasta lista de tecnologias e técnicas de design e será impulsionada por fatores como novos sensores, algoritmos, arquiteturas de experiência e contexto, além de experiências sociais detectáveis. Com o crescente número de interações entre dispositivos sem telas e teclados, os designers de IoT serão obrigados a usar tecnologias inovadoras, como reconhecimento de voz e imagem, e a adotar outras perspectivas para oferecer experiências positivas aos usuários.

Em relação aos investimentos na área, a consultoria IDC projeta que o segmento de IoT movimentará US$ 745 bilhões no mundo em 2019, com potencial para ultrapassar a marca de US$ 1 trilhão em 2022, puxado, principalmente, por aportes dos setores industrial e de varejo. No Brasil, estima-se que o setor receba US$ 9 bilhões neste ano, impulsionado pelas aplicações no agronegócio, na saúde e na prestação de serviços públicos. A expectativa de crescimento anual, até 2022, está acima de 20%.

Diante de números tão expressivos e do interesse pela tecnologia, pode-se pensar que em breve será usual a cortina se abrir sozinha pela manhã, a temperatura do chuveiro ser programada pelo celular, a geladeira avisar sobre os alimentos que estão acabando e por aí em diante. Há uma longa trajetória pela frente até que a Internet das Coisas de fato mude a rotina das pessoas na proporção projetada. Preço e conectividade são barreiras consideráveis, sem falar do domínio em tecnologias inovadoras e recentes. Para que IoT seja onipresente, as cidades, empresas e pessoas terão que se preparar, e isso leva tempo. Porém, uma vez adaptadas, é um caminho sem volta.

Por Daniel Kriger,  Head da Área de Novos Negócios da Positivo Tecnologia

5G

autofalantes

Câmeras

casas inteligentes

cidades inteligentes

controles remotos

Daniel Kriger

Internet das coisas

Lâmpadas

Positivo Tecnologia

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento