Informe aqui

Mestrandos da UniCesumar visitam ecossistema de inovação

Em ação promovida pela Software by Maringá pelo terceiro ano consecutivo, academia e mercado ficam mais próximos para troca de experiências e resoluções de problemas de empresários e da comunidade

Aproximar academia e mercado, além de exercitar na prática alguns conceitos desenvolvidos durantes as aulas da disciplina Economia do Conhecimento, Estes foram os objetivos dos 12 mestrandos de Gestão de Conhecimento, da UniCesumar, que visitaram o ecossistema de Inovação de Maringá nesta semana junto com dois coordenadores do curso. As visitas foram realizadas à aceleradora de startups Evoa e à Empari Global Innovation, desenvolvedora de software com oito anos de atuação no mercado.

Para Cezar Rael, diretor executivo da Software By Maringá e um dos responsáveis por organizar o encontro, “aproximar a academia das empresas é fundamental. Hoje todas as entidades que possuem curso de TI em Maringá são associadas à SbM, o que garante essa proximidade não apenas na formação de mão de obra, que é o nosso principal insumo, mas também por meio de parcerias diversas, como cursos, workshops e hackathons, entre outros. Vislumbrando a importância da academia para o ecossistema, estamos articulando uma academia CORPORATIVA no Parque de TI, que será construído na cidade, com a integrações de várias escolas em um único espaço, para estimular ainda mais a formação de mão de obra capacitada”.

“Quisemos mostrar na prática algumas questões levantadas em sala de aula do ponto de vista teórico. Na aceleradora Evoa, por exemplo, foi possível verificar como funcionam os ambientes inovativos e como são viabilizados projetos de inovação”, comenta o coordenador Arthur Gualberro da Cruz Urpria. “Já na Empari, foi possível verificar as vantagens competitivas de empresas que fazem parte de uma APL (Arranjo Produtivo Local) de software de Maringá e como isso funciona no dia a dia”.

Os alunos foram recebidos pelo CEO da Empari Global Innovation, Adriano Santos e pela vice-diretora de RH e Finanças, Fabiana Klein, e puderam conhecer a empresa cujo ambiente estimula a inovação e o trabalho criativo.
“O investimento em um ambiente colaborativo – focado em gestão aberta e visual – foi essencial para o surgimento de novos produtos e modelos de negócios, aplicados hoje na empresa. Acredito que uma interação como esta traz benefícios para os dois lados, uma vez que em um ecossistema cooperativo todos têm mais chances de crescer, seja como empresa ou pessoalmente”, comenta Adriano.

De acordo com José Campos, mestrando que acompanhou a visita, foi possível observar um ambiente organizacional em pleno funcionamento, bem como os fatores teóricos implícitos nesse ambiente. “Foi possível observar como uma equipe multidisciplinar e em constante interação possibilita a circulação de informações que poderão ser convertidas em conhecimento e, consequentemente, em inovação e melhorias sustentáveis para os negócios. Os casos práticos descritos pelas empresas ratificam essa dinâmica do conhecimento”, diz o estudante.