Gestão

Operação F7: Em nota, Delsoft nega envolvimento em fraude

Empresa de Rio do Sul (SC) teve cinco funcionários presos temporariamente acusados de envolvimento em esquema que desviou R$ 1 bi

Fachada da Delsoft, em Rio do Sul, principal alvo da Operação F7

A Delsoft, desenvolvedora de ERP catarinense que teve seus executivos presos durante a Operação F7, negou em nota distribuída hoje ao mercado a participação nas fraudes investigadas na operação. No texto, a empresa afirma que seu software não foi desenvolvido com o “intuito de fraudar, burlar ou facilitar a realização de sonegação fiscal ou caixa 2” e que “cobra mensalidade, baseada em contrato, devidamente faturada e com seus impostos recolhidos ao Fisco conforme nosso enquadramento fiscal”.

Investigações da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) apontaram a empresa como o principal alvo da operação. Dois sócios, dois funcionários e um representante comercial da Delsoft foram presos para prestar esclarecimentos e depois liberados. Outras três pessoas, ligadas a distribuidoras do software, também foram liberadas. Segundo o delegado Adriano Bini, da Deic, as prisões foram temporárias porque havia o risco de as provas serem apagadas remotamente ou destruídas.

Operação F7

A Operação F7 investiga uma organização criminosa responsável pelo desenvolvimento de um software ERP que operava com o objetivo de sonegar impostos. Foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão em uma ação que contou com 76 policiais civis, dois peritos criminais e 15 auditores-fiscais dos Estados, além de três auditores-fiscais e analistas-tributários da Receita Federal. Segundo a investigação, que teve início há 18 meses, um dos módulos do sistema era capaz de controlar vendas com ou sem a emissão de notas fiscais ou em quantidade e valores inferiores aos realmente faturados.

As empresas clientes estariam sendo beneficiadas pelo esquema com os controles gerenciais, feitos sem a emissão de notas fiscais e sem o respectivo pagamento dos tributos devidos, o que prejudica a livre concorrência com aqueles que cumprem suas obrigações tributárias.

Leia abaixo a nota da Delsoft:

NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE A OPERAÇÃO F7

A Delsoft Sistemas é uma empresa da área de tecnologia com história de mais de 20 anos no desenvolvimento de sistemas para a gestão empresarial, pautando suas ações com ética e comprometida com as melhores práticas de gestão.

Na quinta-feira passada, dia 16, nossa empresa, alguns parceiros, funcionários e dirigentes foram alvo de uma ação coordenada da força tarefa da Secretaria de Estado da Fazenda, Polícia Civil e Receita Federal e, sobre isto, vem a público esclarecer que:

  1. Não realizamos qualquer desenvolvimento de software com intuito de fraudar, burlar ou facilitar a realização de sonegação fiscal ou “caixa 2”.
  2. Estamos colaborando incansavelmente com as investigações e prestamos todos os esclarecimentos solicitados, tanto que todos os detidos para interrogatório, foram liberados imediatamente após prestarem depoimento.
  3. Nunca recebemos qualquer comissão, benefício financeiro ou de qualquer ordem por participar, tampouco controlar um suposto sistema fraudulento.
  4. Repudiamos a acusação imputada de gerenciar uma suposta organização criminosa com o fim de sonegar impostos, pois estas práticas não condizem com nossos valores e com o que acreditamos.
  5. A Delsoft cobra sim dos clientes uma mensalidade, baseada em contrato, devidamente faturada e com seus impostos recolhidos ao Fisco conforme nosso enquadramento fiscal. Tal remuneração é comum à maioria dos softwares de gestão e justifica-se pelo serviço de suporte de dúvidas e erros, bem como a disponibilização de versões de atualização contendo melhorias constantes que os sistemas recebem, como o atendimento às exigências fiscais e tributárias, às quais as empresas clientes estão constantemente sendo obrigadas a atender.
  6. O ERP da Delsoft foi um dos primeiros softwares de gestão do país a ter uma Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) homologada pela Receita Federal no início do projeto piloto do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) em 2008.
  7. A Delsoft desenvolve seu software de gestão com o objetivo de atender diversos segmentos de negócios, possui contratos de cessão de uso com centenas de grupos empresariais e não tem ingerência nem controla como cada cliente o utiliza na gestão de suas empresas.
  8. Somos os maiores interessados em esclarecer todos os fatos e lamentamos a forma deturpada com que os fatos estão sendo expostos à população, principalmente da acusação de responsabilidade pela suposta sonegação fiscal de empresas terceiras serem imputadas exclusivamente sobre a Delsoft.

Por fim, reforçamos o comprometimento e interesse em colaborar com as investigações. Igualmente nos colocamos à disposição de qualquer empresa ou pessoa física, que se sinta atingida pela sonegação fiscal e queira tirar a prova, a vir conhecer nosso software de gestão e como são suas funcionalidades de faturamento e escrituração fiscal.

 

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório