Gestão

3 motivos pelos quais o futuro do armazenamento é Open Source e Cloud

Armazenamento definido por software livre está se consolidando como a alternativa correta da evolução e padrão tecnológico

No caminho da inovação, não é um exagero dizer que o mundo moderno roda em open source. Embora o crescimento do armazenamento definido por software livre não seja uma boa notícia para fornecedores tradicionais, é ótima para as equipes de TI que podem ganhar em escala ilimitada, na redução de custos e na administração não-proprietária.

“O que era algo obscuro há 15 anos, está se consolidando como a alternativa correta da evolução e padrão tecnológico; o que vemos atualmente é a transição do uso de soluções e redes fechadas, que tem se mostrado inadequadas neste mundo digital, para a utilização de soluções baseadas em open source”, destaca Ricardo Bimbo, diretor Comercial da SUSE no Brasil.

Estudos do Gartner indicam que ainda este ano os investimentos das empresas brasileiras em Cloud devem chegar a US$ 4,5 bilhões

Mas não apenas o open source tem se destacado, uma outra vertente que tem atraído a atenção e fortes investimentos da área de TI é o cloud computing. Apenas para se ter uma ideia, alguns estudos do Gartner indicam que ainda este ano os investimentos das empresas brasileiras em Cloud devem chegar a US$ 4,5 bilhões, e até 2020 esse montante atinja os US$ 20 bilhões.

Diante deste cenário, se olharmos mais adiante, por que não considerar que o futuro do armazenamento estará embasado nessas duas vertentes? É por acreditar neste caminho que o executivo aponta 3 razões para isso:

1. O que esperar da virtualização

Antes de mais nada podemos destacar o custo reduzido e a diminuição da dependência do fornecedor. Se pensarmos que há uma década ou mais, os centros de dados eram muito diferentes dos de hoje onde cada aplicação tinha seus próprios servidores trabalhando em uma série de ilhas tecnológicas, exigindo cada vez mais de suas capacidades de desempenho, isso sem falar no alto consumo de energia com custos de refrigeração que isso gerava para as empresas, a virtualização de data centers surge como um viés de redução drásticas de custos e uma melhor otimização dos processos.

Se em um mundo digital é exigido produtos cada dia mais interligados via internet, com rapidez quase instantânea e qualidade, a virtualização tornou-se um “no brainer”, uma tecnologia com um business case tão claro, que a adoção foi imediata e quase universal. Para a equipe de TI, isso significa o melhor uso dos recursos de tecnologia, reduzindo o lock-in do fornecedor e, acima de tudo, reduzindo custos. Anos de experiência e trabalho para as melhores práticas levaram as equipes de TI a tornarem a virtualização um sinônimo de redução de custos. O armazenamento não é exceção. Qualquer fornecedor que fale de virtualização de armazenamento ao aumento do investimento, irá ter uma conversa direta com seus clientes.

2. Rompendo padrões de negócios tradicionais

Enquanto as equipes de TI têm colhido os benefícios de uma melhor utilização de recursos e das reduções de custos, a equipe de vendas de servidores está pagando o preço. Como a adoção da virtualização de servidores decolou, as vendas de servidores caíram, passando de um ganho constante de valor a cada trimestre, para uma queda catastrófica.

Quando até mesmo os maiores fornecedores sofrem desta maneira, há uma mudança no jogo. Os compradores de TI param de olhar para a marca da mesma maneira. Onde costumava haver uma percepção dos parceiros que o produto era seguro, de longo prazo e de baixo risco, há agora uma expectativa de que os fornecedores mais antigos sejam desafiados por novas empresas com novas abordagens e tecnologias.

Nesse ambiente, o status quo para os fornecedores de armazenamento não pode ser mantido. As grandes marcas estão cada vez mais encarando umas as outras, à espera de movimentos decisivos no que se soma a um jogo de negócio empresarial com probabilidades astronômicas.

3. A nuvem como uma aliada ao código aberto

Quando havia uma perspectiva de que as vendas de servidores poderiam se recuperar, as equipes de TI descobriram o Cloud. Por que se preocupar em manter uma enorme propriedade de hardware com todo o aborrecimento de gerenciar, atualizar e manter o servidor se você pode delegar essa carga de trabalho de forma econômica para um terceiro e assim liberar mais tempo para se concentrar em atividades mais estratégicas?

Com o armazenamento definido por software livre separa-se o plano de armazenamento físico do armazenamento de dados lógicos (ou plano de controle), e esta abordagem elimina a necessidade de um hardware proprietário e pode gerar até 50% de economia de custos em comparação com os arranjos e aparelhos tradicionais.

As equipes de TI que querem evitar o bloqueio pelos fornecedores de cloud, precisam pensar cuidadosamente sobre como eles saem de um provedor e passam para outro. Compradores atentos precisam comparar preços, ofertas e escolher qualquer que seja o melhor ajuste para os requerimentos atuais, sabendo que eles podem mudar a qualquer momento.

É importante considerar que uma oferta melhor pode aparecer durante o caminho, e as empresas devem ser capazes de sair de seu fornecedor atual sem precisar fazer uma migração disruptiva, cara e arriscada. Para atingir esse objetivo, os dados devem ser portáteis. Os compradores de armazenamento inteligente precisam de portabilidade de dados para sempre ter um plano de saída e é exatamente isso que código aberto fornece.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.