book_icon

Bandas médias de espectro radioelétrico serão suporte para as redes 5G na América Latina

Novas atribuições e autorizações da banda de 3,5 GHz vêm impulsionando implementações da 5G na região em 2022

Bandas médias de espectro radioelétrico serão suporte para as redes 5G na América Latina

A maioria das redes móveis 5G na América Latina e no Caribe foi implantada em espectros de “bandas médias”, como a banda de 3,5 GHz, ganhando especial importância em 2022. A 5G Americas publicou o seu “Panorama do espectro de bandas médias para redes móveis na América Latina”, que analisa a situação das faixas de frequência para serviços móveis nas faixas de 1GHz à 6GHz na região.

Este estudo identifica que entre 2021 e 2022 houve avanços no desenvolvimento e implementação de redes 5G na região associada à banda de 3,5 GHz. Especificamente, no Chile, México, Peru e República Dominicana foram anunciadas ativações de redes 5G da faixa de 3,5 GHz. No caso do Brasil, a faixa de 3,5 GHz foi licenciada com sucesso no “Leilão da 5G” do quarto trimestre de 2021, mas as regras do leilão estipulam que a faixa pode ser utilizada em redes 5G autônomas (5G SA) até depois do segundo trimestre de 2022.

A nova publicação da 5G Americas informa que as redes de quinta geração foram ativadas na região com o uso de outras “bandas médias”, especificamente as de 1,7/2 ,1 GHz (conhecidas como AWS), 2,3 GHz e 2,5 GHz. Essas implantações foram registradas na Argentina, Brasil, Colômbia, México e Peru.

As “bandas médias” de espectro são altamente relevantes para o desenvolvimento inicial das redes 5G, pois oferecem uma combinação de propagação de sinal e largura de banda útil para suportar casos de uso e comunicações de banda larga móvel melhorada (eMBB). No entanto, esta classe de bandas nem sempre está disponível para uso imediato e podem ser necessárias medidas para limpar ou migrar serviços pré-existentes para alocar o espectro para redes de banda larga móvel.

O relatório constata que os países da região já identificaram para IMT (telecomunicações móveis internacionais) as faixas de 1427 – 1518 MHz, 2,3 GHz e 3,5 GHz, que são consideradas “adequadas” para o desenvolvimento da 5G, mas que o planejamento de novas autorizações está mais voltado para a faixa de 3,5 GHz, especificamente na faixa de 3,3 – 3,6 GHz.

Além dessas faixas, alguns países também identificaram a faixa de 4,9 GHz e, a maioria dos governos e órgãos reguladores, estão acompanhando as discussões sobre o desenvolvimento e harmonização da faixa de 3,3 até 4,2 GHz. O estudo conclui que em vários países da região ainda há oportunidades para licenciar mais espectro em “bandas médias” que já estão disponíveis para uso, pelo menos parcialmente (1,8 GHz, 1,9 GHz, AWS, 2,1 GHz e 2,5 GHz).

A 5G Americas é uma associação setorial dos principais provedores de serviços e fabricantes do setor de Telecomunicações. A missão da organização é de apoiar e promover o desenvolvimento total das capacidades da tecnologia sem fio LTE e sua evolução além da 5G, em todo o ecossistema de redes, serviços, aplicativos e dispositivos sem fio nas Américas. A 5G Americas fomenta o desenvolvimento de uma comunidade conectada e sem fio e está liderando o desenvolvimento da 5G para toda a região das Américas. A 5G Americas é sediada em Bellevue, no estado de Washington, Estados Unidos.

Serviço
www.brechazero.com.br

3.5 GHz

5 GHz

5G Americas

bandas médias

estudo “Panorama do espectro de bandas médias para redes móveis na América Latina”

redes 5G na América Latina

Últimas Notícias
Você também pode gostar

O seu endereço de e-mail não será publicado.


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.