book_icon

A urgência na Transformação Digital da área de Tecnologia da Informação

O maior motivador para o desenvolvimento desta análise é provocar os profissionais envolvidos no setor de Tecnologia da Informação (TI) para que, após essa leitura, ocorram importantes reflexões sobre a necessidade de mudança dessa área, principalmente em relação ao desenvolvimento de software.

Se resgatarmos a discussão a partir da Revolução Industrial, que marcou a transição para novos processos de manufatura no período entre 1760 e algum momento entre 1820 e 1840, esta transformação incluiu a transição de métodos de ‘produção artesanal e manual’, que inclusive poderia utilizar alguns equipamentos simples para a ‘produção por máquinas’.

Isso significa que uma cadeira, por exemplo, para ser produzida em 1840, envolvia uma pessoa para fazer o desenho, outra para realizar as especificações e um carpinteiro para produzi-la. Se tivéssemos cinco ou mil carpinteiros produzindo a mesma cadeira, nunca produziriam cadeiras idênticas. Isso porque a produção era manual, com ferramentas, experiências e know-how diferentes para cada profissional. Poderíamos ter uma cadeira com alta qualidade e outra que poderia quebrar ao sentar-se nela.

Alguma semelhança com a área de Tecnologia da Informação e o trabalho de desenvolvimento de software? Se fizermos uma analogia com os processos atuais ocorridos no setor, de certo, ainda não passamos pela Revolução Industrial. Continuamos sendo artistas e artesões criando e desenvolvendo aplicações em quase sua totalidade de “forma manual”. Além disso, fazemos pouquíssimo uso de automação em nosso favor para a execução de tarefas repetitivas e já padronizadas, que não requerem nossa criatividade.

Se tivermos um desenho de uma aplicação e colocarmos cinco profissionais ou empresas especializadas para desenvolvê-lo, provavelmente teremos cinco soluções diferentes. A lógica do desenvolvimento do software será diferente, assim como sua arquitetura, o código fonte e a segurança da informação empregada. Agora, imagine se, ao invés de construir uma cadeira, estivermos construindo o software de um avião para controle de voo e que tenha que ser entregue em três meses. Você se animaria em voar nele?

Tenho tido debates acalorados com CEOs, investidores, empresários e amigos sobre a entrega da área de TI e o resultado dessa conversa não é animador para nós, profissionais da área. O que dizem é que a TI não entrega na velocidade e com a excelência necessária para a transformação dos seus negócios. Isso é preocupante.

A solução é iniciar um grande movimento para fazer nossa “revolução industrial”. Empregar cada vez mais automação e padrões nos processos e nas tarefas repetitivas e deixar a criatividade dos nossos profissionais fazer o papel daquilo que a automação não consegue produzir.

Temos que, de fato, entregar o famoso tripé: pessoas, ferramentas e processos. Nenhum dos três pilares isolados é capaz de gerar algo significativo dentro das corporações. Automatizando o máximo possível nossas entregas, atenderemos as expectativas dos nossos clientes, entregaremos mais, com rapidez, segurança e qualidade. Também permitiremos que os profissionais empreguem sua energia para seu desenvolvimento profissional, otimizando seu tempo para aprender e criar. Assim impactaremos as pessoas, os negócios e o mundo.

O setor de Tecnologia necessita aumentar, de maneira significativa, sua produtividade e sua excelência nas entregas. Essa questão é urgente. Precisamos nos transformar em um negócio realmente de Tecnologia e não somente de entrega de tecnologia.

A maneira de lidar com essa engrenagem diferenciará as empresas que conseguirão avançar e se manter na vanguarda daquelas que sobreviverão (ou não) de forma mais marginal. A Transformação Digital dos nossos clientes depende, cada vez mais, da Transformação Digital da área de TI.

Por Marcel Pratte, CEO da Viceri-Seidor.

Desenvolvimento de software

Marcel Pratte

Tecnologia da Informação

Transformação Digital

Viceri-Seidor

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.