book_icon

Fibracem aposta na gestão de projetos para estimular setor de telecom

Processos bem definidos, integração dos diversos setores da empresa e o uso de impressoras 3D ajudam para que uma solução chegue ao mercado mais assertiva e com qualidade garantida

Fibracem aposta na gestão de projetos para estimular setor de telecom

Assegurar que o mercado de telecomunicações receba constantemente produtos inovadores, de qualidade e assertivos tem se tornado prioridade para grande parte das indústrias que atuam neste segmento. E para que isso seja possível, fatores como a definição de processos e consequentemente a melhoria da gestão de projetos pode ser fundamental para ajudar a impulsionar e elevar cada vez mais o setor de telecom.

É fundamental que todas as áreas, tais como P&D, marketing, comercial, qualidade, logística, ferramentaria, engenharia e diretoria, dentre outras, estejam em sintonia e na mesma página durante todo o processo  

É o que afirma o coordenador de projetos do setor da engenharia da Fibracem, indústria brasileira especializada no setor de comunicação óptica, Ricardo Andrade. De acordo com ele, quando uma companhia aposta em metodologias de trabalho que contam com processos bem definidos, com a integração dos diversos setores da empresa desde as primeiras ações para o desenvolvimento de um produto, aliados ao uso de ferramentas de prototipagem como impressoras 3D, podem ser uma virada de chave para uma redução do tempo gasto para o desenvolvimento das soluções e efetivar, de fato, o lançamento no mercado.

“É fundamental que todas as áreas, tais como P&D, marketing, comercial, qualidade, logística, ferramentaria, engenharia e diretoria, dentre outras, estejam em sintonia e na mesma página durante todo o processo”, comenta.

Tecnologia 3D como suporte
Ainda para o especialista, uma das ferramentas que tem sido vista como um forte aliado na gestão de projetos são as impressoras 3D. Segundo ele, o equipamento que é responsável pela prototipagem em tamanho real ajuda na hora de identificar melhorias nos produtos antes mesmo do setor de produção entrar em cena. “Isso possibilita maior assertividade na execução das etapas do projeto e no investimento financeiro aportado para um possível lançamento, sobretudo, garantir a qualidade e eficácia da solução para o cliente final”, ressalta.

Da pesquisa ao estoque
Atualmente, do momento em que é levantada uma possibilidade de solução, até ter o produto finalizado, produzido e em estoque, o tempo gasto pode variar de quatro a 10 meses, de acordo com a complexidade do projeto.

Segundo Andrade, para se ter uma noção, a média é que cada concepção de um produto conte, aproximadamente, com mais de 100 atividades ao longo do curso, mas que pode aumentar significativamente dependendo do grau de dificuldade de cada projeto. Um exemplo dessa complexidade é a nova família de produtos que vem sendo desenvolvida pela Fibracem e que tem data prevista para lançamento ainda em 2022.

“Neste caso em específico, esta nova solução possui cerca de 1.400 tarefas que vão desde pesquisa a testes completos, validações, homologações, o que exige um alto índice de sinergia da equipe, principalmente para as etapas até a primeira industrialização”, finaliza.

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento