book_icon

Infosys avalia principais modelos de negócio que poderão surgir com a chegada do ‘Open Banking’

Esta modalidade deve agregar serviços das fintechs aos grandes bancos, incentivando a melhoria das ofertas, porém, essa tendência não exime as grandes instituições financeiras de ficarem atentas ao mercado

Infosys avalia principais modelos de negócio que poderão surgir com a chegada do ‘Open Banking’

O Open Banking está sendo implantado gradativamente no Brasil. A terceira fase com o escopo de pagamento, teve sua primeira entrega, com compartilhamento de informações sobre serviços de transferência via Pix no dia 29 de outubro deste ano e, ao redor do mundo, já é possível vislumbrar seus primeiros resultados. No Reino Unido, por exemplo, o sistema está em operação desde 2018 e já possui mais de 40 bancos e 250 provedores de serviços para atender a mais de três milhões de clientes.

Luiz Sassá Jr, diretor de Serviços Financeiros da Infosys Brasil, consultoria e empresa global que atua com serviços digitais, sistemas de gestão de sistemas e processos, comenta os impactos que devem ser observados durante essa transformação no mercado brasileiro.

Com a possibilidade de se utilizar comparadores de serviços e produtos, uma nova profissão pode surgir no Brasil, a de Agente de Serviços Financeiros Independente ou Independent Financial Adviser

“Quem apostou que os grandes bancos seriam severamente afetados ou substituídos por fintechs no curto prazo poderá se surpreender, pois eles ainda têm um papel fundamental, seja como detentores de grande parte da base de clientes e seus respectivos dados, ou como parceiros de novas instituições. O Open Banking deve agregar serviços das fintechs aos grandes bancos, incentivando a melhoria dos serviços. No entanto, isso não exime as grandes instituições financeiras de ficarem atentas ao mercado, porque podem perder competitividade por não acompanharem as inovações oriundas do Open Banking”, diz Sassá Jr. Ele aponta as principais tendências que devem surgir após a implementação de um Sistema Financeiro Aberto, que objetiva o compartilhamento aberto de dados, produtos e serviços entre instituições financeiras do País que participarem desta modalidade.

Mais parcerias
As instituições financeiras vão poder unir forças com empresas de diversos setores, como varejo, saúde e turismo, por exemplo, para criar produtos, reforçando o aspecto do embedded finance. Um exemplo é o empréstimo de dinheiro no momento da compra, de acordo com o perfil e histórico de compra do cliente, tanto fisicamente quanto no mundo digital. Pode ser possível também fazer uma oferta de câmbio ao comprar uma passagem aérea para outro país, de acordo com o volume de viagens que o cliente faz para o exterior.

Novas categorias profissionais
Com a possibilidade de se utilizar comparadores de serviços e produtos, uma nova profissão pode surgir no Brasil, a de Agente de Serviços Financeiros Independente ou Independent Financial Adviser, IFA, ou seja, profissionais que não possuem um vínculo direto com uma instituição financeira específica, mas são comissionados por serviços vendidos, papel similar ao de um corretor de seguros no Brasil. Esse profissional já atua em locais como Reino Unido e Hong Kong, tendo o papel de oferecer aos seus clientes os melhores produtos e serviços disponíveis no mercado, independentemente da instituição financeira, com um impacto relevante no mercado, possibilitando o fomento da concorrência e agregando o máximo de valor para o cliente.

Monetização de dados
Este item trata da possibilidade de cobrança entre as instituições financeiras. O Banco Central ainda definiu as regras dos limites básicos de informações dos clientes que podem ser trocadas entre as instituições financeiras, considerando quais informações estarão disponíveis para troca de forma gratuita e que tipos de trocas de dados poderão ser remuneradas. Neste caso, o cliente não deverá ser cobrado.

Prateleira de produtos e serviços financeiros
Assim como em um supermercado ou um comércio eletrônico, o Open Banking possibilitará aos clientes escolher seus produtos e serviços, como câmbio, crédito, investimentos, em uma prateleira.

Ampliação do mercado de loyalty e cashback
Será possível a extensão dos serviços prestados pelas empresas de loyalty e cashback, que reforçarão a busca de parcerias para fortalecer os produtos de cada instituição financeira, com o objetivo de oferecer produtos mais atrativos ao cliente, além de ser uma oportunidade de troca de benefícios pelo maior bem do cliente: seus dados.

Personalização
Como o cliente será o centro desse ecossistema, empresas com uma capacidade de estabelecer campanhas proativas, que estimulem o cliente a prover os dados para ganhar um benefício instantâneo, terão um grande diferencial. Essas soluções, associadas a um trabalho de ciência de dados e Inteligência Artificial, irão gerar vantagem competitiva.

Bancos como hub de serviços financeiros
Os bancos serão essenciais nessa transformação, com três novos papéis. O primeiro é o de Integrador entre agentes do Open Banking (IF, ITP, ID), que permite que ofertas de terceiros sejam integradas às de um banco ou provedor terceirizado por meio de APIs e microsserviços. O segundo é de distribuidor de serviços por meio de parceiros. Esses bancos continuarão a desenvolver e possuir seus produtos e serviços, mas usarão terceiros como distribuidores. Por fim, serão plataforma de serviços e produtos financeiros, atuando como intermediários de mercado para clientes, integradores e instituições financeiras. Esses bancos ainda podem manter ações tanto no desenvolvimento quanto na distribuição de produtos.

De acordo com o diretor da Infosys Brasil, a previsão é de que esta modalidade de serviços financeiros ajude a fomentar novos modelos de negócios e casos de uso para o mercado brasileiro, fazendo com que as empresas participantes estejam atentas aos novos produtos e serviços que já são realidade em outros países e que podem ser trazidos para o Brasil.

Sassá Jr. reforça também que é importante as instituições financeiras que não aderiram ao Open Banking ainda, que se atentem às lições aprendidas das que foram obrigadas a participar nesta etapa e, que estabeleçam agendas concretas para se preparar ao novo conceito de dados abertos, ou open data, e embedded finance viabilizados pelo Open Banking.

Serviço
www.infosys.com

Infosys

Luiz Sassá Jr

modelos de negócio

Open Banking

serviços financeiros

Sistema Financeiro Aberto

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento