book_icon

Não há diferença comportamental entre a liderança de mulheres e homens da AL

A pesquisa foi realizada pela Thomas International, consultoria global de desenvolvimento humano

Não há diferença comportamental entre a liderança de mulheres e homens da AL

Com o objetivo de derrubar o mito de que mulheres e homens são diferentes em cargos de liderança, o que muitas vezes é usado como justificativa para a falta de mulheres no alto escalão das empresas, a Thomas International realizou o estudo “Mulheres nos Negócios”. Nesse levantamento, foram pesquisados 276 gestores – mulheres e homens – de companhias da América Latina e a conclusão foi que mulheres e homens têm o mesmo potencial para liderar.

Então, o que impede as mulheres de ascender a cargos de liderança? A maneira como as empresas interpretam seus comportamentos, que é totalmente baseada em vieses inconscientes. Essa é apenas uma das conclusões do estudo, que ainda reforça que, para a promoção da equidade de gênero nas empresas, o caminho mais eficiente é utilizar as ferramentas de análises psicométricas, consideradas imparciais na avaliação da personalidade e dos traços de inteligência emocional de um indivíduo, e as únicas capazes de prever o sucesso dos profissionais dentro das empresas.

Além da personalidade, as avaliações mediram o nível de inteligência emocional e os tipos de comportamentos que geralmente são associados a homens e mulheres no ambiente de trabalho  

Os dados que subsidiaram a pesquisa mostram que, apesar de o número de mulheres nos postos de liderança ter aumentado nos últimos anos, elas continuam sub-representadas. Se analisarmos a América Latina como um todo, apenas 36% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres. No Brasil, dados do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) mostram que, em 2020, as mulheres representavam apenas 11,5% dos integrantes de conselhos de empresas. Em outros países, esse índice é ainda menor, como no México e no Chile, com apenas 8% e 9%, respectivamente, de mulheres em posições de conselheiras, segundo dados de 2019.

Um dos preconceitos encontrados é o estereótipo de que as mulheres são “melhores” em habilidades emocionais e, por isso, são mais empáticas. O estudo mostrou que lideranças femininas e masculinas possuem exatamente o mesmo nível de empatia, o que pode mudar é a forma como as pessoas descrevem alguns tipos de comportamentos semelhantes entre homens e mulheres. Por exemplo, em alguns casos, homens são avaliados como “apaixonados”, enquanto as mulheres são descritas como “emocionais” – quando, na verdade, mostram a mesma atitude que os homens.

Para chegar a esse resultado, a empresa utilizou duas de suas avaliações psicométricas: HPTI (Indicador de Traços de Alto Potencial) e TEIQue (Questionário de Traços de Inteligência Emocional). Além da personalidade, as avaliações mediram o nível de inteligência emocional e os tipos de comportamentos que geralmente são associados a homens e mulheres no ambiente de trabalho.

“Combinando os resultados das duas avaliações, a conclusão é de que homens e mulheres em posições de liderança possuem as mesmas competências comportamentais, e se começarmos a avaliar os profissionais de forma objetiva, sem os vieses inconscientes, certamente vamos aumentar a equidade de gênero nas empresas”, explica Marcelo Souza, gerente-geral da Thomas International.

Entre os traços de personalidade analisados no estudo estão conscienciosidade, resiliência, curiosidade, audácia, tolerância às diferenças e competitividade. Já na avaliação que mede a inteligência emocional considerou-se assertividade, gestão da emoção, adaptabilidade, automotivação, autoestima e empatia, entre outros aspectos.

As organizações que querem ser efetivamente mais inclusivas e abertas à diversidade, tanto em termos de fluxo de talentos quanto na liderança, devem incluir a psicometria em seus processos de avaliação e recrutamento, pois essas ferramentas avaliam exclusivamente os potenciais e habilidades de cada profissional, independentemente de seu gênero. “O uso da psicometria fornece um método objetivo e fundamentado para avaliar um candidato, livre de possíveis estereótipos”, finaliza Souza.

Serviço
www.thomasinternational.net/pt-br

 

América Latina

estudo “Mulheres nos Negócios”

Thomas International

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | TENDÊNCIAS

Tecnologias imersivas ganham impulso nos negócios

Leia nessa edição sobre carreira

INDÚSTRIA 4.0

Fábrica conectada

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

SERVIÇOS

Trunfos dos menores

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

TENDÊNCIAS

A casa também foi para a Nuvem

Julho| 2021 | #48 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento