book_icon

Trend Micro contabiliza mais de 200 mil ransomware para Android

Medição considera 1º semestre de 2017 e significa um aumento de 181% das detecções na comparação com o ano inteiro de 2016
Trend Micro contabiliza mais de 200 mil ransomware para Android
ransomware para android

Desde a primeira aparição de um cripto-ransomware, a Trend Micro vem analisando o malware de criptografia de arquivos para Android. Segundo a empresa, no 4º trimestre de 2016, os ransomware mobile detectados na plataforma totalizaram o triplo de ameaças em comparação ao mesmo período de 2015. No 1º semestre deste ano, mais de 235.000 detecções de ransomware para Android foram identificadas, ou seja, 181% das detecções com relação ao ano inteiro de 2016.

O uso crescente de mobiles, especialmente por empresas, chamará ainda mais atenção dos cibercriminosos

A recente onda de malware de bloqueio de tela e criptografia de arquivos visando dispositivos Android também ressalta a crescente predominância do ransomware móvel. Alguns destes incluem o SLocker, uma cópia do WannaCry e o uso malicioso de redes sociais legítimas, além do LeakerLocker que ameaça expor os dados pessoais da vítima. Além disso, especialmente agora que o código-fonte do SLocker foi declaradamente decompilado e divulgado no GitHub, é possível que surjam mais dessas ameaças.

No passado, um ransomware de Android era bastante simples. Ele bloqueava a tela do dispositivo e exibia uma mensagem contendo o pedido de resgate. Sua evolução para cripto-ransomware apareceu em maio de 2014 na forma do Simple Locker (ANDROIDOS_SIMPLOCK.AXM), que era capaz de criptografar arquivos armazenados no dispositivo móvel e no seu cartão SD.

Desde então, foram vistas ameaças similares – e algumas variantes, que são apenas versões repaginadas do malware original – reaparecerem em mercados paralelos de aplicativos. Outros foram ativamente impulsionados e atualizados para escapar da detecção. A Trend Micro conseguiu até mesmo ver como o autor de um malware corrigiu um bug em seu ransomware no último mês de maio, atualizando uma falha em relação à exibição da mensagem de resgate.

O ransomware está condenado a ser um grampo na plataforma móvel, já que sua base de usuário se tornou uma galinha dos ovos de ouro cada vez mais viável para os cibercriminosos. E com base na sua evolução desde a primeira colheita em 2014, o cripto-ransomware móvel adicionará outros vetores de ataque ao mix – o uso de vulnerabilidades da API, por exemplo. No entanto, novos recursos de segurança estão sendo lançados no Android Oreo, particularmente, o Google Play Protect, que analisa aplicativos para comportamentos como criptografia maliciosa de arquivos.  Os aplicativos de download, por exemplo, agora precisarão ter permissões; os usuários devem autorizar diretamente a instalação de Pacotes de Aplicativos para Android por fonte.

Como o cripto-ransomware para Android se tornado maior e ainda pior, as empresas e os usuários comuns perdem mais do que o acesso aos dados corporativos e pessoais.  É importante que o usuário mantenha seu sistema operacional protegido e atualizado, ou pedir ao fabricante do seu equipamento que disponibilize um patch. Adotar as melhores práticas para diminuir o risco de ransomware móvel e proteger seu dispositivo, principalmente quando estiver trabalhando em um ambiente “Bring Your Own Device”.  Os desenvolvedores de aplicativos e fabricantes de equipamentos devem fazer o mesmo por meio da adição de segurança em seus aplicativos.

Android

mobile

Ransomware

segurança

Trend Micro

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento