Gestão

Schneider Electric prioriza sustentabilidade ambiental

A companhia está comprometida a investir 10 bilhões de euros em inovação e P&D para o desenvolvimento sustentável até 2025

Sustentabilidade está no core business e em todas as iniciativas da Schneider Electric. Ao desenvolver soluções que descentralizam as operações, digitalizam os processos e ajudam na descarbonização, a empresa global na Transformação Digital em gestão da energia elétrica e automação torna o “produzir mais com menos” uma realidade. E, este ano, a companhia dá mais um passo à frente: prioriza a sustentabilidade ambiental como forma de mitigação e adaptação a ameaças primárias, como pandemias e mudança climáticas, e anuncia, justamente no mês do meio ambiente, o investimento de 10 bilhões de euros em inovação e P&D para o desenvolvimento sustentável até 2025.

Em 2020, a companhia vem promovendo uma abordagem especial no que diz respeito à biodiversidade, fomentando ações de combate à perda acelerada de espécies e à degradação do mundo natural – estudos recentes dão conta de que, atualmente, 1 milhão de espécies de plantas e animais estão em risco de extinção por causa das atividades humanas. A Schneider Electric responde a esse chamado pela preservação da biodiversidade ao estabelecer uma estratégia totalmente integrada aos seus esforços de sustentabilidade, contribuindo para a criação de uma economia circular, pautada por atividades de baixo carbono.

A biodiversidade é um componente fundamental para a sobrevivência dos negócios, que precisam de informações para compreender os impactos nas suas organizações. Eles dependem de ecossistemas saudáveis para a manutenção das espécies, evitando desequilíbrios e a proliferação de pragas, sem abdicar da preservação de florestas, do solo e dos recursos hídricos  

Segundo João Carlos Salgueiro, gerente sênior de Sustentabilidade da Schneider Electric, a empresa seguirá a pauta de negociações a ser desenrolada na Convenção de Diversidade Biológica (COP15) em 2021 e, assim, traçará metas ambiciosas para o longo prazo. “Precisamos a todo custo evitar perdas líquidas de biodiversidade, da forma como foi feito para o combate às mudanças climáticas. Buscamos neutralizar as emissões e contribuir para que o aquecimento global não ultrapasse 1,5oC acima dos níveis pré-industriais”, pondera.

A biodiversidade é um componente fundamental para a sobrevivência dos negócios, que precisam de informações para compreender os impactos nas suas organizações. Eles dependem de ecossistemas saudáveis para a manutenção das espécies, evitando desequilíbrios e a proliferação de pragas, sem abdicar da preservação de florestas, do solo e dos recursos hídricos. “Negócios e indústria podem ter impactos negativos nas fontes de biodiversidade, mas, enquanto a iniciativa privada é parte do problema, ela também representa a maior parcela da solução. Os recursos e a influência do setor privado oferecem oportunidades importantes e inovadoras, e contribuições eficazes para a conservação da biodiversidade”, explica Salgueiro.

Cerca de 193 unidades produtivas da Schneider Electric em todo o mundo registraram redução significativa do seu impacto ambiental com a aplicação racional de materiais primários, ampliação dos indicadores de reúso e reciclagem, eliminação da destinação de resíduos para aterros sanitários e crescimento da produtividade energética. “Todas essas medidas permitiram, do ponto de vista econômico, contribuir para maior rentabilidade e competitividade da empresa, tornando-se parte dos indicadores das operações e dos centros de distribuição”, informa.

As iniciativas de economia circular da Schneider abrangem um plano de ação para oferecer produtos, serviços e soluções com o mínimo impacto ambiental: reduzir o uso de matérias-primas; reutilizar matérias-primas ou aumentar (quando possível) a utilização de matérias-primas recicladas; reparar, oferecendo serviços de manutenção e modernização para certas gamas de produtos; e reciclar por meio dos serviços que a empresa oferece na fase final de vida útil dos produtos.

Além disso, os compromissos climáticos da Schneider visam minimizar as emissões de carbono para seus clientes e para a própria empresa. Isso significa tornar seu ecossistema de negócios neutro em termos de carbono até 2025; tornar suas operações zero carbono até 2030; e tornar sua cadeia de suprimentos estendida zero carbono até 2050. Além disso, ela é signatária das iniciativas do Climate Group, através das iniciativas EP100, RE100 e EV100, que a tornam comprometida até 2030 em dobrar a produtividade energética, atingir 100% de utilização de energia renovável e operar com uma frota composta por veículos 100% elétricos.

Os compromissos climáticos e de economia circular têm um efeito reconhecidamente positivo na preservação da biodiversidade. Na Schneider, eles estão incorporados ao “Sustainability Impact” para o período 2018-2020, contemplando 21 iniciativas alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), das Nações Unidas (ONU). O “Sustainability Impact” é um scorecard exclusivo criado para mensurar trimestralmente os compromissos da empresa para o desenvolvimento sustentável, equilibrando os pilares social, econômico e ambiental. A Schneider Electric faz parte de uma comunidade global que busca reduzir a pobreza, proteger o planeta e trazer paz e prosperidade para toda a sociedade.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos