Mercado

Grupo de trabalho de geração distribuída lança material para combater fake news sobre energia solar

Material disponível no site soumaissolar.com.br utiliza dados produzidos por PHD da Universidade de Chicago, especialistas da FGV e entidades do setor

A polêmica resolução 482 da Aneel, que pretende taxar a produção de energia fotovoltaica no Brasil em mais de 60%, tem gerado um forte debate nos últimos meses que culminou com uma série de declarações do presidente da República, Jair Bolsonaro, a favor da não taxação do setor. Visando trazer luz ao debate, o grupo de trabalho SOS Geração Distribuída (GD), que inclui 10 empresas e entidades do setor, como a ABGD (Associação Brasileira de Geração Distribuída), lançou um material de combate às fake news e esclarecimento para questões sobre o assunto.

As respostas reúnem dados de pesquisas da FGV (Fundação Getúlio Vargas), do professor de Economia da UCLA (Universidade da Califórnia) e PHD em Chicago, Rodrigo Pinto, além de informações de entidades do setor.

“Existe uma narrativa falaciosa que se tornou popular e que enfraquece muito o debate. Máximas que afirmam que os mais pobres não têm acesso à energia solar, por exemplo. Uma mentira, pois hoje municípios, escolas, hospitais, universidades, pequenos negócios, quem não tem acesso ao mercado livre, instalações de processamento em áreas rurais, entre outros, são grandes consumidores da geração distribuída solar no Brasil. Por isso, reunimos especialistas de renome para trazer os devidos esclarecimentos para toda a sociedade”, afirma Heber Galarce, um dos membros da SOS GD.

Para o professor da UCLA, Rodrigo Pinto, o principal problema é que a desinformação pode ocasionar o fim de um setor que gera benefícios econômicos de R$ 1,5 bilhão ao ano, além da previsão da criação de 600 mil novos empregos até 2035. “Muitos perdem com a eliminação da GD. Perde a rede elétrica, que necessita de maiores investimentos em infraestrutura. Perde o País, pois aumenta a dependência da energia cara gerada por combustíveis fósseis. Perde o sistema elétrico que continua refém da energia cara gerada por termelétricas e perdem as famílias brasileiras que deixam de ter a possibilidade de gerar energia solar”, ressalta.

As questões podem ser encontradas no site https://www.soumaissolar.com.br/faq , assim como nas redes sociais da campanha encampada pelo grupo de trabalho SOS GD.

 

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos