book_icon

DigiCert lança estudo sobre confiança digital nas organizações

Empresas estão “boas, mas não muito bem” quando se trata de implementar a confiança digital, de acordo com a pesquisa anual State of Digital Trust

DigiCert lança estudo sobre confiança digital nas organizações

A DigiCert, Inc., fornecedora global de confiança digital, lançou hoje sua Pesquisa Digital Trust 2024, que verifica como empresas em todo o mundo estão gerenciando a confiança digital em suas organizações. Embora a confiança digital continue a ser, esmagadoramente, um foco crítico para todas as empresas, o último relatório ilumina o fosso crescente entre os “líderes” – aqueles que estão acertando, e os “retardatários” – aqueles que estão com dificuldades.

A diferença entre líderes e retardatários revelou algumas pistas e possíveis melhores práticas quando se trata de confiança digital. Os 33% principais “líderes de confiança” digitais obtiveram receitas mais elevadas, melhor inovação digital e maior produtividade dos funcionários. Eles poderiam responder de forma mais eficaz a interrupções e incidentes, estavam geralmente mais bem preparados para a criptografia pós-quântica e aproveitavam mais prontamente os benefícios da IoT. Entretanto, os 33% mais atrasados tiveram um desempenho comparativamente fraco em todas essas categorias e tiveram mais dificuldade em colher os benefícios da inovação digital. Além disso, os líderes eram mais propensos a gerir centralmente os seus certificados, mais propensos a utilizar a tecnologia de autenticação e encriptação de e-mail (S/MIME) e, geralmente, a empregar práticas mais maduras na gestão de confiança digital.

À medida que o cenário de ameaças continua a se expandir, também aumenta a lacuna entre as organizações que lideram o caminho da confiança digital e aquelas que estão ficando para trás

A pesquisa de 2024 incluiu uma série de perguntas para determinar o quão bem (ou mal) cada entrevistado estava se saindo em uma ampla gama de métricas de confiança digital. Depois que as pontuações foram totalizadas, os entrevistados foram divididos em três grupos: líderes, retardatários e aqueles que estão no meio. Comparando os resultados entre líderes, retardatários e aqueles que estão no meio, surgiram diferenças notáveis:

Os líderes apresentam muito menos problemas nos principais sistemas empresariais (sem interrupções do sistema, poucas violações de dados e nenhum problema de conformidade ou legal) e não tiveram problemas de conformidade com a IoT, enquanto metade (50%) dos retardatários o fizeram. Os líderes também têm significativamente menos problemas devido a problemas de confiança no software – por exemplo, nenhum dos líderes enfrentou problemas de conformidade ou comprometimento da cadeia de fornecimento de software, em comparação com 23% e 77% dos retardatários, respectivamente.

“À medida que o cenário de ameaças continua a se expandir, também aumenta a lacuna entre as organizações que lideram o caminho da confiança digital e aquelas que estão ficando para trás”, diz Jason Sabin, CTO da DigiCert. “Aqueles que são ‘retardatários’ sabem bem quem são. O perigo, no entanto, são aquelas organizações que ficam no meio e não agem devido a uma falsa sensação de segurança.”

“Para que as organizações sejam campeãs da confiança digital, elas devem compreender e implementar ativamente a estrutura, os processos e as atividades que tornam isso possível”, explica Jennifer Glenn, Diretora de Pesquisa do Grupo de Segurança e Confiança, IDC. Aos padrões da indústria, mantendo a conformidade com os requisitos regulamentares em cada geografia, gerenciando o ciclo de vida das tecnologias de confiança digital e estendendo a confiança aos ecossistemas digitais. Empresas que concentram seus esforços na confiança digital — e fazem dela um imperativo estratégico para o negócio — os benefícios são notáveis, incluindo tempo de atividade confiável, risco reduzido de comprometimento de dados e maior confiança do usuário.”

 

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.