book_icon

Segurança cibernética versus prevenção de ataques: qual estratégia é eficaz?

segurança da informação é um dos principais desafios enfrentados pelas empresas atualmente. Com o avanço da tecnologia e a crescente conectividade global, surgem também novas ameaças e vulnerabilidades que podem comprometer a integridade dos sistemas e dos dados das organizações.

Nesse contexto, a prevenção de ataques e a gestão de vulnerabilidades se tornam fundamentais para proteger as empresas contra ameaças virtuais. Com isso, a implementação de uma estratégia eficaz de prevenção é essencial para garantir a continuidade dos negócios, evitar prejuízos financeiros, danos à reputação e violações de dados. 

Sob este aspecto, há algumas medidas que reforçam a prevenção de ataques, dentre as quais incluem o uso de tecnologias de proteção contra criminosos virtuais, a conscientização dos usuários e a adoção de boas práticas de segurança. . Nesse âmbito, o principal fator motivador para que haja esse tipo de investimento é prevenir para que as organizações evitem desgastes, como:  

Proteção dos dados: uma violação pode ter consequências graves, como o roubo de informações confidenciais, vazamento de informações de clientes e parceiros, e o comprometimento da privacidade das pessoas envolvidas;

Preservação da reputação: a perda de confiança dos clientes e parceiros pode levar a uma diminuição das vendas, dificuldades financeiras e até mesmo o fechamento do negócio;

Cumprimento de regulamentações: diversos setores estão sujeitos a regulamentações específicas relacionadas à segurança da informação, a fim de evitar sanções legais e financeiras;

Redução de custos: investir em medidas preventivas pode ser mais econômico do que lidar com as consequências de um ataque, como a recuperação de dados, a reparação de sistemas comprometidos e as ações judiciais resultantes.

Além da prevenção de ataques, as organizações devem estar atentas também à gestão de vulnerabilidades, tendo em vista que essa iniciativa visa identificar, avaliar e corrigir de forma proativa as fragilidades presentes nos sistemas e nas redes de uma empresa. Esse tipo de gestão, por sua vez, deve ser um processo contínuo por meio de uma abordagem sistemática e estruturada. Desse modo, algumas etapas são importantes seguir:

Identificação e classificação de vulnerabilidades: pode ser feito por meio de análises técnicas, como varreduras de segurança, testes de penetração e revisões de código, além de priorizar as ações corretivas e focar nos problemas mais críticos;

Avaliação de riscos e implementação de medidas corretivas: envolve analisar a probabilidade de um ataque e o impacto que ele pode ter nos sistemas e dados da empresa. Com isso, é possível definir e implementar patches de segurança, realizar a configuração adequada dos sistemas e redes, bem como adotar boas práticas de segurança;

Monitoramento contínuo: essa ação envolve a realização periódica de varreduras de segurança, a atualização de patches e a revisão regular das políticas de segurança.

Contudo, para se ter sucesso na execução das etapas citadas acima, é importante que os gestores tenham em mente a utilização da tecnologia para potencializar as atividades. Dessa maneira, o uso de diferentes ferramentas pode auxiliar os profissionais a ter mais celeridade e precisão na análise destas ações. 

Entre os recursos mais populares estão scanners de vulnerabilidade, que realizam varreduras automáticas nos sistemas e redes em busca de suscetibilidades conhecidas. Além disso, essas ferramentas identificam falhas de configuração, problemas de software desatualizado e outras vulnerabilidades comuns.

Entre outros recursos, também está disposto os gerenciadores que facilitam o processo de aplicação de patches de segurança nos sistemas e redes. Essas tecnologias ajudam a monitorar as atualizações disponíveis, programar a aplicação dos patches e verificar se os sistemas estão devidamente atualizados. 

A automação nas aplicações de patches desempenha um papel crucial na segurança cibernética, oferecendo uma abordagem eficiente e ágil para manter os sistemas atualizados e protegidos contra vulnerabilidades conhecidas. A importância desse processo reside na capacidade de mitigar riscos de segurança, uma vez que as falhas de software são frequentemente exploradas por ameaças cibernéticas. 

Indicadores como a velocidade de implementação de patches, a cobertura de atualizações e a redução do tempo de exposição a vulnerabilidades críticas são métricas relevantes para avaliar a eficácia da automação nesse contexto. Além disso, a automação na aplicação de patches está intrinsicamente ligada à gestão de vulnerabilidades, pois contribui para a identificação proativa e a correção rápida de falhas, fortalecendo as defesas cibernéticas. A prevenção de ataques é diretamente beneficiada pela implementação automatizada de patches, pois reduz a janela de oportunidade para que adversários explorem vulnerabilidades não corrigidas, fortalecendo assim a postura de segurança global de uma organização.

Sistemas de detecção de intrusões que monitoram o tráfego de rede em busca de atividades suspeitas e tentativas de invasão, por meio de emissão de alertas seguidos de aplicação de medidas para bloquear ou mitigar possíveis ataques.

E, por fim, profissionais podem recorrer a plataformas de gerenciamento de vulnerabilidades, que trabalham para centralizar as atividades de gestão, permitindo que os profissionais identifiquem, classifiquem e corrijam essas suscetibilidades de forma mais eficiente. Essas ferramentas oferecem recursos avançados, como relatórios detalhados e integração com outras ferramentas de segurança.

Nesse sentido, é importante frisar que a prevenção de ataques e a gestão de vulnerabilidades são aspectos fundamentais da segurança da informação nas empresas. Investir em medidas preventivas e na automação nas correções de vulnerabilidades é essencial para proteger os dados, preservar a reputação e cumprir as regulamentações relacionadas à segurança da informação.

A implementação de uma estratégia eficaz de prevenção de ataques e gestão de vulnerabilidades requer a adoção de abordagens sistemáticas, o uso de ferramentas adequadas e o monitoramento contínuo dos sistemas e redes. A partir dessas medidas, as empresas podem reduzir significativamente o risco de ataques cibernéticos e garantir a segurança de seus sistemas e dados.

*Vinícius Marinho Brusarosco, consultor de Segurança da Informação da Protiviti.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.