book_icon

Pesquisa da BearingPoint aponta as cinco tendências tecnológicas para 2023

A Inteligência Artificial, o Metaverso, Plataforma Nativa da Nuvem, Dados e Análises Incorporados e Zero Trust em Escala estarão em evidência no próximo ano

Pesquisa da BearingPoint aponta as cinco tendências tecnológicas para 2023

A empresa de consultoria BearingPoint pesquisou consultores de tecnologia pelo segundo ano para ver quais áreas receberiam mais atenção em 2023. De acordo com mais de 1,2 mil participantes, a Inteligência Artificial (IA) ainda é a principal tendência, apenas com um foco diferente. O Metaverso é uma nova entrada este ano e é visto desempenhando um papel importante em tornar os negócios mais sustentáveis. Depois vieram Plataforma Nativa da Nuvem, Dados e Análises Incorporados e Zero Trust em Escala.

“Nossas novas tendências tecnológicas têm respostas para os desafios mais urgentes que as empresas enfrentam. Nossas cinco principais tendências de tecnologia para 2023 são mais uma vez revolucionárias e podem ser a base de novos modelos de negócios. Novas tendências como o Metaverso, que mescla digital e realidade, também terão um grande papel na sociedade, como a sustentabilidade por substituição ou otimização. Nossos clientes podem se beneficiar de todas essas tecnologias. As ferramentas estão melhorando e as possibilidades estão aumentando, oferecendo às empresas mais potencial para colher valores”, disse Stefan Pechardscheck, líder global em Tecnologia da BearingPoint.

As empresas operam cada vez mais em ecossistemas de negócios complexos, que exigem conexões com ativos de TI de uma diversidade de usuários de várias organizações que se conectam de qualquer lugar e de qualquer dispositivo

IA generativa – acelerando a inovação com novos dados

Generative AI é um rótulo amplo que descreve qualquer tipo de Inteligência Artificial que usa algoritmos de aprendizado não supervisionado para criar novos objetos digitais, como imagens, vídeo, áudio, texto e código. O objetivo de um modelo generativo de IA é gerar dados sintéticos, forçando o modelo a tirar conclusões sobre os dados de treinamento mais importantes.

Embora a IA generativa seja frequentemente associada a deep fakes e jornalismo de dados, a tecnologia desempenha um papel cada vez mais importante para ajudar a automatizar os processos repetitivos usados ​​na correção de imagem digital e áudio. A IA generativa também é usada experimentalmente na fabricação como uma ferramenta para prototipagem rápida e nos negócios para melhorar o aumento de dados para Automação Robótíca de Processos (RPA).

Metaverso – mesclando digital e real

O Metaverso borra as linhas entre os mundos físico e digital, entre as realidades reais e virtuais – uma rede de mundos virtuais 3D, com fones de ouvido VR e AR facilitando as conexões sociais. O Metaverso é um universo digital persistente e ao vivo que proporciona aos indivíduos um senso de agência, presença social, consciência espacial compartilhada e a capacidade de participar de uma extensa economia virtual com profundo impacto social.

O Metaverso também promete reduções nas emissões de carbono, seja através da substituição de bens físicos e reuniões por digitais, substituindo a presença no mundo real por interações virtuais, ou gêmeos digitais que ajudarão a otimizar o mundo físico.

Plataforma nativa em Nuvem – novas formas de desenvolver produtos

Como a maioria das organizações públicas e privadas migrou sistemas de informação legados para a Nuvem usando o modelo 6R (rehost, replatform, repurchase, rearchitecting, retire e retain), as equipes de desenvolvimento agora estão adotando estruturas e plataformas de Nuvem para desenvolver novos aplicativos. Essa nova abordagem para o desenvolvimento de produtos é impulsionada por promessas tradicionais de Nuvem, como ciclos acelerados de desenvolvimento de produtos, serviços gerenciados escaláveis, recursos inovadores de Nuvem (sem servidor, aprendizado de máquina, análise avançada) e tecnologias sempre verdes, resilientes e hiperautomatizadas. Essa revolução no desenvolvimento de novos aplicativos levanta desafios em relação à mudança, gerenciamento de fornecedores e custos e impacta fortemente a forma como as organizações de TI gerenciam talentos e cultura.

Dados e análises incorporados – as empresas se perdem sem casos de uso priorizados

As empresas bem-sucedidas têm uma abordagem holística e incorporam continuamente dados e análises aos negócios. Eles ficam de olho nas novas tendências e se ajustam de acordo, mas sempre seguem um roteiro com iniciativas e casos de uso que os direcionam para seus objetivos. As empresas devem definir e priorizar casos de uso e insights acionáveis ​​e trabalhar com um plano holístico. Sem esses casos de uso e um plano, a análise de dados não irá longe.

Zero Trust em Escala – segurança cibernética no centro da arquitetura

As empresas operam cada vez mais em ecossistemas de negócios complexos, que exigem conexões com ativos de TI de uma diversidade de usuários de várias organizações que se conectam de qualquer lugar e de qualquer dispositivo. Tudo acontece em um contexto de explosão de ameaças cibernéticas, incentivando a promoção de Zero Trust como um princípio básico da arquitetura. Os CISOs (Chief Information Security Officers) precisam implementar, em escala, um conjunto abrangente, dinâmico e granular de soluções de identidade e controle de acesso.

Serviço
www.bearingpoint.com

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.