book_icon

Tokenização e ocupação de imóveis: uma relação benéfica para todos

A tokenização já é uma realidade para muitos setores e, pouco a pouco, começa a ganhar espaço em um mercado tradicional, mas ao mesmo tempo carente de inovação e agilidade: o imobiliário. Os primeiros projetos com criptoativos começam a surgir, estimulando novos negócios e possibilidades tanto para as empresas integrantes desse ecossistema quanto para os clientes. Entretanto, diferentemente do que muitos pensam sobre o tema, os tokens não servem apenas para agilizar negociações envolvendo a venda de imóveis na planta. Pelo contrário, o que se observa aqui no Brasil é a possibilidade de dar novas utilidades para propriedades que já possuem dono e que não estão à venda.

Para entender como isso funciona, primeiro é preciso elencar alguns conceitos. No mercado brasileiro, o processo de tokenização, isto é, transformar em ativo digital algum bem físico, não garante a propriedade física do imóvel – há movimentação para criação de um marco regulatório que pode possibilitar isso no futuro. Sendo assim, os tokens que ganham espaço por aqui são os utility (de utilidade), que até possuem valor financeiro, mas têm como objetivo principal servir de porta de entrada para diferentes produtos e serviços desse ecossistema – o que inclui, até mesmo, as propriedades.

Essa distinção é importante porque enquanto o token (ainda) não dá direito à propriedade de um imóvel no Brasil por não servir como moeda principal da negociação, ele pode ser usado como direito de uso de uma determinada casa ou apartamento graças ao conceito de NFT (token não fungível). Isso significa, na prática, que determinado criptoativo pode conceder o direito ao uso de uma propriedade para seu detentor e dentro das regras estabelecidas no Smart Contract que cada token carrega consigo. É quase como um aluguel de curta temporada, mas sem a presença de intermediários.

Isso traz duas vantagens essenciais para o mercado imobiliário. A primeira delas, evidentemente, é movimentar todo o setor, uma vez que imóveis parados podem ser utilizados para diferentes fins, gerando receita para seus donos e comodidades para quem detém os tokens que dão acesso. O segundo e, talvez, mais importante benefício é a criação de uma cultura que estimula a inovação e oferece novas formas de negócios. Ao garantir acesso a propriedades exclusivas para suas férias ou viagem de fim de semana, a pessoa enxerga valor nos tokens – o que, por sua vez, coloca esse ativo em posição de destaque na estratégia das organizações.

Imagine, por exemplo, um lindo apartamento em Copacabana, no Rio de Janeiro; o proprietário só o utiliza duas ou três vezes no ano. Ele pode tokenizá-lo e, quem adquirir esse token, tem direito a utilizá-lo por um determinado período de tempo. Ou ainda um galpão industrial, que pode tokenizar parte de sua estrutura para outras empresas que desejam usar o espaço. E até mesmo uma chácara ou terreno, que pode tokenizar seu espaço para realização de eventos – e ainda englobar outros serviços. Como se vê, as possibilidades são inúmeras.

Os tokens atendem a muitas funcionalidades, e diferentes setores já perceberam essa característica. No caso do mercado imobiliário, eles representam uma ótima oportunidade para desburocratizar o setor e, claro, trazer mais agilidade e segurança nos negócios. Se o direito de propriedade ainda é um assunto nebuloso dentro da legislação brasileira, já há espaços para que esse ecossistema inove e apresente todos os benefícios inerentes aos ativos digitais – inclusive com a ocupação de imóveis que estão parados. É um novo modelo em que todos têm muito a ganhar.

Por Marcelo Magalhães, CEO da Ribus.

criptoativos

Marcelo Magalhães

mercado imobiliário

Ribus

tokenização

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.