book_icon

Circularidade total na indústria automotiva pode aumentar a lucratividade da cadeia de valor em 50%

A indústria automotiva precisará expandir seu foco de vendas para todo o ciclo de vida do veículo e investir em colaborações com outros players da cadeia de valor, mostram dados da Accenture e do Fórum Econômico Mundial

Circularidade total na indústria automotiva pode aumentar a lucratividade da cadeia de valor em 50%

Novo estudo da Accenture, do Fórum Econômico Mundial e do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável sugere que a circularidade total poderia aumentar a lucratividade da cadeia de valor do setor automotivo em 50%.

O estudo “Driving Ambitions: The Business Case for Circularity in the Car Industry” traz dados complementares ao levantamento divulgado pelas três organizações em 2021 sobre a circularidade no setor. A circularidade consiste em estender o ciclo de vida de um produto por meio do reparo, reforma, reciclagem e/ou reutilização de materiais. O objetivo é reduzir o desperdício e minimizar a poluição e outros impactos ecológicos, devolvendo-os à cadeia de suprimentos em vez de enviá-los aos aterros sanitários.

De acordo com o novo levantamento, montadoras e provedores de mobilidade podem explorar novas fontes de valor e ir além dos limites de seus modelos de negócios atuais por meio da circularidade. Os dados mostram potenciais aumentos de lucratividade de 50% em toda a cadeia de valor, além da geração de receitas vitalícias de 15 a 20 vezes maiores do que o preço inicial de venda do veículo. Além disso, os pools de maior valor seriam alcançados por meio de modelos As-a-Service, incluindo leasing/assinatura, compartilhamento de carros e mobilidade As-a-Service. Outra possibilidade são os serviços de ciclo de vida de remanufatura, reparo e reciclagem.

Ainda que seja possível aumentar a circularidade dentro do modelo atual, que é baseado em posse, ou seja, a pessoa é dona do veículo que dirige, os retornos da circularidade — tanto do ponto de vista do lucro quanto do meio ambiente — são maiores nos modelos As-a-Service, onde o uso de veículos é intenso (no modelo baseado em posse, os veículos ficam ociosos grande parte do dia). O estudo mostra que mudar as preferências do consumidor em favor da adoção em massa de modelos baseados em acesso será um facilitador estratégico para maiores retornos de circularidade.

O aumento da circularidade na indústria automotiva exigirá uma mudança considerável na mentalidade de fabricantes de automóveis e de fornecedores de mobilidade  

O levantamento traz outras ações necessárias para quem deseja alcançar a circularidade total:
As montadoras terão que mudar o foco e passar a considerar o ciclo de vida completo do veículo, não apenas a venda de unidades.

Os atores da cadeia de valor terão que se unir e investir na colaboração e no desenvolvimento de parcerias, usando como base um alto nível de transparência, adquirido por meio do intercâmbio de dados e informações. Para tal, é necessário construir plataformas para o compartilhamento de dados e transparência, com uma organização responsável por incentivar o alinhamento e a criação de benefícios de circularidade.

Os players terão que transformar seus modelos operacionais e desenvolver novos recursos e tecnologias a fim de governar, orientar e gerenciar colaborações e otimizar o ciclo de vida dos veículos e de seus componentes.

Quando o assunto é o negócio principal, as empresas terão que fazer escolhas estratégicas — por meio de co-inovações e parcerias e investimentos na expansão para atividades colaborativas ou que abrangem toda a cadeia de valor circular (reciclagem, reparo ou modelos as-a-service). Isso pode ser feito aos poucos, começando pela transformação de modelos de veículos ou peças específicos até chegar ao negócio como um todo.

O estudo indica dois cenários possíveis para essa transformação. Os players individuais podem adaptar gradualmente seus modelos operacionais à estratégia de carros circulares ou seguir uma transformação em salto por meio da expansão horizontal, com foco em fusões e aquisições ou em investimentos robustos na construção de novas capacidades.

“O aumento da circularidade na indústria automotiva exigirá uma mudança considerável na mentalidade de fabricantes de automóveis e de fornecedores de mobilidade. A colaboração será mais importante do que nunca, até mesmo entre concorrentes”, afirma Axel Schmidt, diretor administrativo sênior da Accenture e líder global da divisão Automotiva.

O estudo mostra que a transição de uma cadeia de valor linear para uma totalmente circular poderia ter um impacto significativo na rentabilidade nos primeiros três ou cinco anos. Isso se deve aos custos elevados de pesquisa e desenvolvimento para a construção dessa nova infraestrutura e o avanço de tecnologias importantes, como reciclagem e modularidade. Todavia, a lucratividade deve retornar aos níveis anteriores dentro de cinco anos após a transformação e aumentar ainda mais depois desse período.

Outro ponto importante é que a transição para uma cadeia de valor totalmente circular pode alterar a lucratividade de forma tão drástica que, além de melhorar a lucratividade dos negócios existentes, alguns menos lucrativos podem se tornar viáveis – especialmente nas áreas de locação vitalícia, locação de veículos sob demanda e mobilidade As-a-Service. Esses modelos de negócios se beneficiam da manutenção da propriedade dos ativos ao longo do ciclo de vida e, assim, conseguem incorporar todas as melhorias de custo e receita de circularidade.

Para Pedro Gomez, líder do Shaping the Future of Mobility e membro do comitê executivo do Fórum Econômico Mundial, “o momento para uma transição rumo à economia circular nos setores automotivo e de mobilidade é agora. No entanto, a transformação de modelos de negócios e operações lineares para circulares e a criação de novos valores de negócio por meio da circularidade representam uma mudança de paradigma para a maioria desses players. É necessário que os stakeholders do ecossistema automotivo trabalhem juntos para repensar e redesenhar suas abordagens de fabricação e cadeias de suprimentos, vendas e distribuição, reutilização, reciclagem e remanufatura. Por meio do presente estudo, a Circular Cars Initiative (CCI), em colaboração com a Accenture, apresenta dados claros e um roteiro objetivo para essa transformação estratégica.”

“Os princípios da economia circular se alinham naturalmente ao modo como as empresas do ecossistema da indústria automotiva gerenciam seus negócios, dado o foco nos ciclos de vida mais longos dos produtos e na forte manutenção pós-venda. A indústria automotiva pode impulsionar outros setores e ser um exemplo na transição rápida para a circularidade. Para muitos, essa é uma extensão natural do ‘business as usual’, mas com a sustentabilidade incorporada, não apenas acoplada”, afirma Peter Lacy, líder global de Sustainability Services e diretor de responsabilidade social na Accenture.

O estudo destaca que, ainda que a transformação para a circularidade tenha custos consideráveis, o “custo da falta de ação pode ser ainda maior”.

Sobre o estudo
O setor automotivo está às portas da maior transformação desde o seu surgimento. Eletrificação, digitalização e descarbonização requerem investimentos e atenção significativos. As volatilidades da cadeia de suprimentos necessitam de respostas imediatas e mudanças adicionais na cadeia de valor. Investidores e reguladores ESG exigem uma prestação de contas abrangente tanto para a cadeia de suprimentos quanto para a fase de uso. O potencial de crescimento das vendas de veículos, especialmente nos mercados desenvolvidos, é finito, assim como as opções para redução de custos e melhora das margens no atual modelo de negócios baseado em vendas. A Circular Cars Initiative (CCI) espera que o presente estudo ajude as empresas da indústria automotiva a identificar e desbloquear os enormes benefícios ambientais e comerciais proporcionados pela economia circular. Ao longo dos últimos dois anos, o CCI reuniu um grupo de mais de 60 empresas e organizações em uma série de workshops, entrevistas individuais e discussões a fim de analisar as formas para se chegar à circularidade automotiva.

A Accenture é uma empresa global de serviços profissionais com capacidades líderes em digital, Nuvem e segurança. Combinando experiência incomparável e habilidades especializadas em mais de 40 setores, oferecemos serviços nas seguintes áreas: Strategy and Consulting, Technology e Operations, além da Accenture Song.

O Fórum Econômico Mundial está comprometido com a melhoria do estado do mundo e é a Organização Internacional para Cooperação Público-Privada. O Fórum envolve os principais líderes políticos, empresariais, culturais e demais líderes da sociedade para moldar agendas globais, regionais e industriais.

Accenture

as a service

Axel Schmidt

Circular Cars Initiative (CCI)

Circularidade total

Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável

Fórum Econômico Mundial

indústria automotiva

Pedro Gomez

Peter Lacy

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.