book_icon

Especialista da Lumen destaca que pensar em cibersegurança é pensar no futuro

A Gartner prevê que o investimento em segurança da informação e gestão de riscos atingirá 172 bilhões de dólares mundialmente em 2022, contra os 155 bilhões de 2021. Especialista em segurança fornece detalhes adicionais e conselhos para evitar ataques

Especialista da Lumen destaca que pensar em cibersegurança é pensar no futuro

Tanto a pandemia quanto a guerra entre a Rússia e a Ucrânia trouxeram novos desafios ao mundo, incluindo a exigência de mais controles, monitoramento e prevenção. Até a escassez de alguns materiais, como os microchips, gerou a necessidade de buscar formas de reutilizar o que já se têm ou enviar coisas para a Nuvem, o que significa que estas também precisarão de segurança.

Pablo Dubois, gerente regional de produtos de segurança da Lumen Technologies para a América Latina, acredita que à medida que os ataques cibernéticos se tornam mais comuns e sofisticados, as empresas precisam de soluções de segurança integrais para proteger os dados e as aplicações importantes.

As empresas não devem mais apenas detectar e prevenir atividades maliciosas, e sim imaginar que já foram violadas e antecipar a resposta a tal situação 

Além disto, o executivo levanta alguns pontos nos quais se deve prestar mais atenção:
Treinamento do pessoal responsável por administrar os dados sensíveis da empresa ou de seus clientes.
Pensando adiante, as empresas não devem mais apenas detectar e prevenir atividades maliciosas, e sim imaginar que já foram violadas e antecipar a resposta a tal situação.

Desta forma, as empresas focarão em lidar com uma estrutura de ação cada vez mais complexa. Segundo um relatório da Interpol [1], devido à pandemia o tráfego de e-mails maliciosos aumentou 30% mundialmente, o que equivale a mais de 1.5 milhões de e-mails por dia.

Em um recente relatório da Accenture [2], nota-se que houve um aumento de ciberataques em 2021, com uma média de 270 ataques por empresa ao longo do ano (acessos não autorizados a dados, aplicações, serviços, redes ou dispositivos), representando um aumento de 31% em relação a 2020.

O especialista da Lumen comenta que à medida que as ameaças cibernéticas se tornam mais comuns e difíceis de detectar, as organizações precisam de soluções de segurança integrais, mais imediatas e proativas, para proteger os dados e as aplicações importantes de seu negócio.

Dubois observou que as ameaças mais comuns são o malware, ou software malicioso, que é instalado no sistema provocando alterações no equipamento, bloqueio de acessos à rede e apropriação de informação pessoal. Um exemplo é o Phishing, ou roubo de identidade, que busca roubar dados sensíveis, normalmente através de e-mails.

O executivo acrescenta à lista os ataques de interceptação (MitM), também conhecidos como ataques de escuta secreta, realizados através de uma rede WiFi pública ou insegura que os criminosos podem usar para acessar e controlar os dispositivos de forma incógnita e roubar ou capturar informação confidencial.

Também é importante levar em conta os ataques de negação de serviço (DDoS), ou seja, os ataques que têm a capacidade de violar vários dispositivos e causar danos ao sistema da empresa, saturando a rede para que não possa terminar os processos e solicitações. O último relatório sobre DDoS realizado pela Lumen, relativo ao primeiro trimestre de 2022, mostra que dos 500 ataques de maior magnitude no primeiro trimestre, 97% foram dirigidos contra as verticais de Telecomunicações, Jogos, Software e Tecnologia, Hosting e Governo.

Em todos os casos, diz Dubois, as empresas são vulneráveis a pedidos de resgate de criminosos cibernéticos para a recuperação de informações, que variam de alguns dólares a milhares ou milhões de dólares.

Para o gerente regional de produts de segurança da Lumen Technologies para a América Latina, a segurança informática ainda é uma questão pendente que requer a criação e desenvolvimento de um ecossistema inteligente e automatizado para responder às ameaças de forma mais imediata, buscando manter e garantir a continuidade operacional.

Dubois ressalta que é sempre necessário manter-se em estado de alerta e estar um passo à frente em medidas de cibersegurança.

[1] – https://www.interpol.int/es/Noticias-y-acontecimientos/Noticias/2020/Un-informe-de-INTERPOL-muestra-un-aumento-alarmante-de-los-ciberataques-durante-la-epidemia-de-COVID-19

[2] https://www.accenture.com/_acnmedia/PDF-171/Accenture-State-Of-Cybersecurity-2021-V1901.pdf#zoom=40

Serviço
lumen.com/brasil

ataques de negação de serviço (DDoS)

cibersegurança

Gartner

Lumen Technologies para a América Latina

Pablo Dubois

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.