book_icon

Red Hat atualiza portfólio de desenvolvimento de aplicativos nativos da Nuvem

Ferramentas foram projetadas para ajudar as organizações a criarem aplicativos de forma mais rápida e consistente em ambientes híbridos e Multicloud baseados em Kubernetes

Red Hat atualiza portfólio de desenvolvimento de aplicativos nativos da Nuvem

A Red Hat, provedora global de soluções de código aberto, anunciou atualizações em todo o seu portfólio de ferramentas de desenvolvimento projetadas para ajudar as organizações a criar e entregar aplicativos de forma mais rápida e consistente em ambientes híbridos e Multicloud baseados em Kubernetes. “Vemos o setor à beira de obter algumas novas ferramentas fascinantes que ajudarão a acelerar o desenvolvimento e a implementação nos próximos anos, reduzindo pelo menos parte da pressão para gerar mais aplicativos mais rapidamente”, disse Al Gillen, vice-presidente do Grupo de Desenvolvimento de Software e Código Aberto da IDC.

A IDC prevê que a porcentagem de grandes organizações que implementam código para produção diariamente aumentará de 5% em 2021 para 70% em 2025, como resultado da ampla implementação de práticas maduras de DevOps. Além disso, como a automação e os processos tradicionais de DevOps são interrompidos pelo Kubernetes e pelo desenvolvimento nativo da Nuvem, a empresa estima que, até 2024, 35% dos usuários de DevOps adotarão processos de automação GitOps mais simplificados.

O Docker Desktop agora inclui uma nova extensão, disponível como uma prévia do desenvolvedor, que permite que os usuários implementem uma imagem de contêiner no OpenShift

Para ajudar os clientes a acompanhar essas mudanças, a Red Hat está oferecendo novos recursos que aproveitam ainda mais o Git, um sistema de controle de versão de código aberto, para simplificar o desenvolvimento e a implementação em ambientes Multicloud híbridos. A versão mais recente do Red Hat OpenShift Pipelines apresenta uma prévia da tecnologia de pipelines como código para Tekton, que oferece aos clientes a capacidade de definir e gerenciar seus pipelines de integração contínua (CI) por meio de repositórios Git e aproveitar os fluxos de trabalho GitOps para oferecer maior repetibilidade e visibilidade e consistência ao ciclo de vida do aplicativo.

Com o novo Tekton Chains, o OpenShift Pipelines agora oferece recursos integrados de assinatura de imagem que ajudam a aumentar a confiabilidade na cadeia de fornecimento de aplicativos. Os desenvolvedores também podem aproveitar os namespaces de usuário em pipelines para isolar ferramentas que exigem privilégios de root e executá-las como não root dentro de seus pipelines de criação e entrega de aplicativos sem comprometer a funcionalidade de segurança.

Usando o OpenShift GitOps, os clientes podem gerenciar declarativamente seus clusters, aplicativos e operações de conformidade do OpenShift, usando fluxos de trabalho Git familiares para automatizar, definir e versões de práticas de segurança em um ambiente facilmente auditável. A versão mais recente inclui o Argo CD 2.3, trazendo novas estratégias de sincronização e comparação, melhorias na interface do usuário e aprimoramentos de desempenho. O ApplicationSets, que estava disponível anteriormente como uma prévia da tecnologia, agora está disponível para todos, fornecendo uma maneira totalmente compatível e estável de automatizar o gerenciamento de vários aplicativos ArgoCD em vários clusters. O ApplicationSets também está totalmente integrado ao Red Hat Advanced Cluster Management.

Acelere o tempo de codificação

A Red Hat também revelou seus ambientes de desenvolvimento local e no navegador de próxima geração, Red Hat OpenShift DevSpaces 3 (anteriormente Red Hat CodeReady Workspaces) e Red Hat OpenShift Local 2 (anteriormente Red Hat CodeReady Containers), a próxima geração de seu in-browser e ambientes de desenvolvimento local para o Red Hat OpenShift, a plataforma Kubernetes corporativa líder do setor.

O OpenShift Dev Spaces usa o OpenShift e contêineres para fornecer às equipes de desenvolvimento ou de TI um ambiente de desenvolvimento consistente e sem configuração, criado para atender às necessidades de segurança. O OpenShift Dev Spaces 3 se baseia no trabalho feito por meio do CodeReady Workspaces  fornecendo:

– Um novo mecanismo DevWorkspace substitui o serviço Java REST do CodeReady Workspaces por um controlador Kubernetes executado por trás do kube-apiserver, oferecendo maior escalabilidade e alta disponibilidade.

– Uma API universal , fornecida um DevWorkspace CRD nativo do Kubernetes, se alinha melhor com o gerenciamento de recursos típico usado em ambientes Kubernetes. Um design mais simples é obtido ao desacoplar o mecanismo de espaço de trabalho do IDE do desenvolvedor e dos componentes do lado do servidor do serviço OpenShift Dev Spaces.

O OpenShift Local oferece uma das maneiras mais rápidas de começar a criar clusters OpenShift. Projetada para ser executada em um computador local, a ferramenta simplifica a configuração e os testes e oferece aos desenvolvedores a capacidade de emular o ambiente de desenvolvimento em Nuvem localmente com todas as ferramentas necessárias para desenvolver aplicativos baseados em contêiner. O OpenShift Local 2 se baseia no trabalho feito por meio de CodeReady Containers com novos recursos e aprimoramentos, como:

– Presets, que permitem que os desenvolvedores selecionem o pacote OpenShift local padrão ou o Podman se quiserem começar com um tempo de execução de contêiner mais focado para ajudar a minimizar a configuração de desenvolvimento.

– Binários mais finos resultantes de um desacoplamento do pacote de máquina OpenShift do download da ferramenta de linha de comando. Isso não apenas resulta em pacotes menores ao usar ferramentas como o Podman, mas também oferece aos desenvolvedores maior flexibilidade para escolher pacotes alternativos que melhor se ajustem ao seu projeto específico.

– Uma nova bandeja do sistema oferece mais consistência e capacidade em diferentes sistemas operacionais, dando aos usuários a capacidade de visualizar e gerenciar rapidamente o status de uma máquina, abrir o console do OpenShift, alterar a configuração ou acessar informações de versão.

A Red Hat fez melhorias em várias outras áreas importantes do portfólio de desenvolvedores:

– O Docker Desktop agora inclui uma nova extensão, disponível como uma prévia do desenvolvedor, que permite que os usuários implementem uma imagem de contêiner no OpenShift.

– Shipwright, a estrutura extensível de código aberto para criar imagens de contêiner para Kubernetes, agora oferece suporte a volume, uma maior variedade de opções de personalização e a capacidade de os usuários criarem imagens a partir do diretório local.

– As ferramentas Knative/Serverless Functions permitem que os desenvolvedores que trabalham no VS Code ou IntelliJ visualizem e implementem aplicativos sem servidor de dentro do ambiente de desenvolvimento.

– odo 3.0, uma ferramenta CLI para desenvolvedores que escrevem e implementam aplicativos no OpenShift e Kubernetes, recebeu uma grande atualização focada na integração guiada, na experiência de desenvolvimento de loop externo e na adoção de devfile para consistência em todo o portfólio.

– O Devfile agora é um projeto de sandbox do Cloud Native Computing Foundation (CNCF). A API nativa do Kubernetes é usada para definir ambientes de desenvolvimento em contêiner e foi adotada por nós em odo, OpenShift Web Console, OpenShift Dev Spaces e vários plugins IDE.

Serviço
www.redhat.com

aplicativo

Desenvolvimento

Git

GitOps

Kubernetes

MultiCloud

Nuvem

OpenShift

OpenShift Pipelines

Red Hat

Tekton Chains

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.