book_icon

O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso. Essa expressão que está correndo o mundo ficou popular ainda em 2021, quando o Facebook se transformou na “Meta” e anunciou que seria uma empresa presente no metaverso em até cinco anos. O metaverso é uma espécie de realidade paralela e, em algumas situações, ficcional, onde é possível vivenciar experiências de imersão, com o objetivo de reproduzir a sensação de realidade.

Em níveis maiores ou menores, muitos de nós já experimentamos, de certa forma, essa sensação por meio dos games. O que as torna mais ou menos próximas da experiência do metaverso é o grau de imersão e a forma como transmitem o realismo para os usuários.

Diferente do que muita gente imagina, esse conceito não é tão novo como parece. A ideia surgiu lá em 1980 com o livro Snow Crash, na época da literatura cyberpunk.

Ao ler algumas reportagens sobre o assunto, encontrei uma matéria com Paulo Ossamu, diretor executivo de tecnologia da Accenture na América Latina concedida à Reuters. Em uma das declarações, ele disse que o metaverso causará impactos no Brasil já nos próximos dois anos.

Você deve ter se questionado: em quais aspectos? Neste artigo, optei por me concentrar apenas na forma como trabalharemos.

O que eu posso contar e adiantar é que trabalhar será diferente. Um fato que comprova essa tendência de mudanças é que, em muitas organizações, os processos de recrutamento e entrevista no metaverso já são uma realidade. Para o bilionário e fundador da Microsoft, Bill Gates, em dois ou três anos, a maior parte das reuniões online acontecerá dentro do metaverso.

A Meta, que deu o pontapé inicial nessa história toda, já criou escritórios infinitos que, por meio de avatares, aproxima todas e todos que, mesmo distantes, podem estar no mesmo ambiente ouvindo e falando como se estivessem no escritório físico.

As multinacionais Samsung e Hyundai, por exemplo, já realizaram feiras de emprego em um programa no metaverso chamado “Gather Town”, que, além de alcançar novos públicos, permitiu que pessoas de diferentes lugares do mundo participassem do evento.

E esse cenário vai muito além disso. Marcas como Tik Tok, Amstel, Big Brother Brasil e muitas outras já criaram suas próprias experiências no metaverso, o que pode abrir espaço para novas profissões e novos formatos de trabalho no mundo digital.

O CEO da JobConvo, startup de recrutamento e seleção por meio de Inteligência Artificial, Ronaldo Bahia, foi muito feliz ao dizer que “tecnologias semelhantes ao metaverso podem ajudar as empresas e pessoas a organizarem a maneira como trabalhamos, e a sociedade, de maneira mais produtiva.

O caminho das pedras
Embora o metaverso possa trazer grandes benefícios para a sociedade, muito se fala sobre os desafios que ainda estão por vir. Entre eles, posso citar um bastante relevante que é o contato de grandes empresas com o público que vai utilizar o metaverso. Atualmente, a média de idade dos CEOs no Brasil é de 58 anos. Já a geração que mais investe no metaverso tem a média de 24 anos.

Ou seja, existe um longo caminho a percorrer nesse sentido. Há a necessidade clara de uma integração do mercado e isso depende das pessoas. São elas que vão abrir as portas para que essa vivência no mundo digital aconteça da melhor forma possível.

Para Jansen Moreira, CEO da Incetive.me, o metaverso é uma camada diferente da realidade que estamos vivendo e está nascendo agora. Esse é o momento para as pessoas aprenderem mais sobre ele e isso vai muito além dos ambientes imersivos.

Estamos falando de tecnologia, de inovação, de criatividade, de acessibilidade, segurança, investimento, conhecimento e socialização. Uma frase da revista de tecnologia Wired definiu bem que “falar sobre o que significa ‘o metaverso’ é um pouco como ter uma discussão sobre o que significava ‘internet’ nos anos 1970”.

São poucas certezas, mas muitas especulações e muitas apostas. Ficar de olho no assunto, nesse momento, é a melhor opção. Afinal, até mesmo quem estuda o assunto está buscando conhecimento para compreender melhor como todo esse universo irá mexer com as nossas vidas.

Foi assim com a internet, está sendo assim com o metaverso e, muito provavelmente, em alguns anos estaremos falando sobre o que vem por aí.

Por Mauro Inagaki, fundador e CEO da b2finance.

b2finance

Games

livro Snow Crash

Mauro Inagaki

Metaverso

Últimas Notícias
Você também pode gostar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | TECNOLOGIA

5G impõe seu ritmo

Leia nessa edição sobre carreira

MERCADO

Brincadeira de gente grande

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

GESTÃO

Backup: a última linha de defesa

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

NEGÓCIOS

Terceirização de equipamentos

Maio 2022 | #57 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento