book_icon

A privacidade, o direito de imagem e a identificação facial dos usuários do Metrô

Entidades da Sociedade Civil ajuizaram ação civil pública contra a Companhia do Metropolitano de São Paulo. O objetivo é a suspensão da captação e tratamento de dados biométricos para reconhecimento facial dos usuários do metrô

A privacidade, o direito de imagem e a identificação facial dos usuários do Metrô

A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, A Defensoria Pública da União, o Instituto de Defesa do Consumidor, a Associação Civil Intervozes e a Organização não-governamental de direitos humanos Artigo19, ajuizaram ação civil pública contra a Companhia do Metropolitano de São Paulo. O objetivo é a suspensão da captação e tratamento de dados biométricos para Reconhecimento Facial dos usuários do metrô, bem como a suspensão de instalação de novos equipamentos tecnológicos para este fim.

A inicial está fundamentada em violações à Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD, Lei 13.709/18, ao Código de Defesa do Consumidor – Lei 8.078/90, o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA Lei 8.069/90 e, ainda, no direito à igualdade e à não discriminação.

Metrô de SP quer utilizar câmeras de Reconhecimento Facial 

A ação que recebeu o nº 1010667-97.2022.8.26.0053 tramita perante à 6ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

O sistema de reconhecimento facial, segundo a defesa apresentada pelo Metrô, visa ”evitar situações perigosas, tais como condutas suicidas, desparecimento de pessoas, invasões das vias, análise de objetos suspeitos, além de permitir a avaliação de número de trens que são necessários disponibilizar, conforme o número de usuários, gerando economia aos cofres públicos”.

Ainda, de acordo com as alegações do Metrô, “o sistema de captura e tratamento de dados estará ligado à Segurança Pública e/ou atividades de investigação e repreensão a infrações penais no âmbito do Metrô”.

A advogada Marta Gueller, sócia da Gueller e Vidutto Advocacia, especialista em direito social, lembra que os autores, no entanto, levantaram o problema de que “nenhum software de reconhecimento facial, desenvolvido até o momento, oferece 100% de acerto”. A inicial menciona estudos da Universidade do Colorado que comprovam que a tecnologia de tratamento de dados biométricos erra mais em rostos de pessoas trans em comparação àquelas que se identificam com o sexo biológico atribuído no nascimento. Os erros são maiores para o rosto de indivíduo que não seja homem e branco.

“Os autores da ação demonstraram que neste tipo de programa de tratamento de dados, elaborados por pessoas brancas que tiveram acesso às melhores universidades do País e foram contratadas por empresas multinacionais de desenvolvimento de softwares deste tipo, ocorre o “racismo algorítmico”, pois os algoritmos certamente irão discriminar imagens ou qualquer conteúdo digital de pessoas negras. Isso se dá em razão do racismo estrutural impregnado na nossa sociedade”, sublinha a Dra. Marta Gueller.

A inicial revela ainda que a “Recomendação Geral nº 36, do Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial da ONU observou que o aumento do uso por policiais de algoritmos, Inteligência Artificial, Reconhecimento Facial e de outras tecnologias aumenta os riscos de aprofundamento do racismo, da discriminação racial, da xenofobia e consequentemente de violação de muitos direitos humanos”.

O sistema de rReconhecimento Facial e tratamento de dados dos rostos dos usuários do Metrô não se mostrou seguro, também, porque não ficou comprovado como será feita identificação de outros gêneros, além de homem e mulher, como pessoas não binárias e trans, nem das crianças e adolescentes.

Além disso, o Metrô não demonstrou em juízo, até o momento, informações precisas sobre o armazenamento das informações de seus usuários, nem tampouco sobre a utilização do sistema de reconhecimento pessoal. Dessa forma, foi proferida decisão judicial, concedendo parcialmente a liminar para impedir a execução do sistema de captação e tratamento dos dados biométricos para sua utilização em sistemas de reconhecimento facial, sendo permitida, no momento, tão somente a sua instalação.

Dessa decisão ainda cabe recurso por parte dos autores visando a proibição, também, da instalação do sistema e equipamentos de reconhecimento facial e por parte do Metrô visando a modificação total da liminar concedida, a fim de permitir não só a instalação do sistema como também sua implantação, podendo o Tribunal de Justiça modificá-la ou mantê-la até final decisão de mérito da ação.

A Dra. Marta Gueller, recorda que “os fatos narrados na ação civil pública, nos remetem ao Estado totalitário, opressivo e assustador imposto à sociedade, por meio da vigilância do Grande Irmão, partido político que detinha o poder, na forma como foi descrito, em 1949, por George Orwell, em seu livro intitulado 1984”.

Metrô de SP quer utilizar câmeras de reconhecimento facial

direito de imagem

Identificação Facial

Marta Gueller

privacidade

usuários do Metrô

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.