book_icon

Qual é o papel do integrador da era digital?

Estudo do IDC aponta que em 2023 as empresas terão 40% de suas receitas com produtos e serviços digitais. As transformações, necessárias as empresas e negócios que precisam sobreviver aos novos tempos, principalmente com a pandemia da Covid-19 que migrou de forma definitiva os negócios para o mundo virtual, acentua de forma acelerada a necessidade do integrador de TI conhecer profundamente o negócio do cliente, a fim de orientá-lo de forma assertiva na jornada digital. O planejamento para investimentos nunca foi tão importante, principalmente para aqueles que desejam e estão atentos nesse novo momento, que exige olhar crítico para aproveitar as novas oportunidades.

O integrador de soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, se torna nos dias de hoje, uma das peças-chave no processo de reinvenção pelo qual as organizações estão passando, rumo à Era Digital. Inovação e mudanças nas corporações, envolvem desde melhoria de processos existentes e adoção de novas tecnologias para ganhos de eficiência operacional, até redução de custos e atendimento digital e automatizado das demandas do consumidor cada vez mais conectado. As oportunidades para parceiros comerciais de negócios são diversas e exigem preparo e conhecimento no suporte a Transformação Digital das companhias.

Ainda de acordo com a pesquisa do International Data Corporation (IDC), em resposta à pandemia, as organizações estão acelerando seus investimentos em digital, com crescimento anual em 16,5% previstos para o período de 2022/2024. Assim, a pesquisa aponta que pela primeira vez, a maioria das organizações empresariais (53%) tem uma estratégia de Transformação Digital, com um aumento de 42% em relação a apenas dois anos. Segundo dados da pesquisa, os níveis de investimento podem chegam a US$ 6,3 trilhões.

Há tempos, observamos que o integrador que só revende hardware e software está perdendo espaço no mercado. É imperativo assumir um papel consultivo no mercado, principalmente porque as organizações estão cada vez mais exigentes e esperam que esses parceiros entreguem soluções com valor agregado. Fato esse, necessário inclusive para retirar dos ombros dos diretores de TI o peso das demandas diárias e corriqueiras e assim, se concentrarem totalmente nos negócios que gerem valor à empresa.

A diferença entre o integrador consultivo e o tradicional é perceptível inclusive no movimento gerado pela Transformação Digital que obrigou os mesmos a realizar a migração de aplicações de TI em Nuvem, por exemplo, quase que dá noite para o dia. E quem estava atento aproveitou a oportunidade de mercado e aquelas com alta capacitação para atender as novas exigências de negócios cresceram em seus clientes.

Na era digital, destacam-se integradores com expertise em melhoria da eficiência operacional e gestão de riscos e fraudes, principalmente pelo setor financeiro.

O desafio de apresentar resultados para o negócio é também o que diferencia o integrador tradicional do novo integrador da era digital. É preciso estar atento para evoluir e crescer frente às mudanças que o cenário apresenta, seja econômico, sanitário ou de evolução tecnológica.

Por Sylvio Herbst, diretor comercial da 5F Soluções

 

5F Soluções

IDC

integrador consultivo

integrador da era digital

Sylvio Herbst

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.