book_icon

Quatro principais desafios de segurança da Cloud híbrida

Embora a maioria das organizações já saiba que a arquitetura de Cloud híbrida é a escolha certa, permanecem as preocupações sobre a proteção, segurança e conformidade dos dados nesse ambiente

Quatro principais desafios de segurança da Cloud híbrida

A poeira da Nuvem finalmente baixou e ficou claro que um modelo híbrido faz mais sentido para a maioria das empresas. Em outras palavras, uma combinação de infraestrutura de TI existente e Nuvem pública fornece a flexibilidade, economia de custos, desempenho e escalabilidade que as organizações precisam para competir. A grande questão então é: como você protege a Cloud híbrida?

Embora a maioria das organizações já saiba que a arquitetura de Cloud híbrida é a escolha certa, permanecem as preocupações sobre a proteção, segurança e conformidade dos dados nesse ambiente. Neste cenário, existem alguns desafios que precisam ser endereçados para garantir a segurança na Cloud híbrida.

Abaixo, te contamos quais são eles e o que sua equipe pode fazer para enfrentá-los. Acompanhe!

Nuvem híbrida: o melhor dos dois mundos
Um ambiente híbrido traz consigo escolha e flexibilidade, permitindo que os líderes de negócios escolham onde manter os dados de acordo com seus requisitos de computação e segurança. Por exemplo, dados mais sensíveis podem ser armazenados em uma Nuvem privada, enquanto aqueles menos delicados podem continuar na Nuvem pública.

No entanto, como acontece com qualquer mudança em uma infraestrutura corporativa, adotar um modelo de Nuvem híbrida significa examinar as práticas de segurança existentes e entender como e se elas precisam ser adaptadas para continuar garantindo proteção.

Quando feita de maneira adequada, uma infraestrutura híbrida de fato ajuda a melhorar a postura de segurança de uma organização. No entanto, a segurança deve ser uma parte constante de sua estratégia geral de Nuvem híbrida, ou você pode acabar introduzindo novos riscos sem tomar as medidas adequadas para mitigá-los. Veja, a seguir, quais são esses riscos:

1. Visibilidade e controle
Conforme os clientes começam a introduzir novas infraestruturas, a complexidade e o risco crescem a uma taxa exponencial. Isso torna muito mais desafiador para as empresas visualizar e controlar claramente todos os sistemas distribuídos que compõem a infraestrutura. Afinal, se você não consegue ver todo o seu ambiente, como pode controlá-lo ou protegê-lo?

Isso é especialmente verdadeiro para administradores que monitoram manualmente a segurança e a conformidade — sem mencionar a atualização manual de patches e o gerenciamento de configuração. E não é apenas a segurança que fica comprometida nesse tipo de cenário. As empresas que não têm boa visibilidade e controle de sua infraestrutura enfrentam uma probabilidade baixa de ter sucesso em suas tentativas de implementar sistemas diversos.

Para proteger e, em última análise, colher recompensas da Nuvem híbrida, as empresas devem se esforçar para automatizar tudo que envolve a gestão da Cloud. Em outras palavras, evite um processo manual ao construir seu ambiente. A automação fornecerá repetibilidade e a capacidade de compartilhar e verificar, o que facilitará a aprovação em auditorias de segurança.

2. Conformidade e governança
Por algum tempo, as organizações em setores altamente regulamentados tiveram problemas com a computação em Nuvem, a ponto de bani-la totalmente ou aproveitá-la apenas para tarefas e dados não críticos ou não sensíveis.

A tecnologia em Nuvem amadureceu e organizações em todos os setores a utilizam em algum nível. Dito isso, a infraestrutura híbrida apresenta desafios especiais para organizações nos setores de saúde, financeiro, governo e outros nichos fortemente regulamentados.

Um dos maiores desafios não vem de uma regulamentação, mas do fato de que muitas empresas ainda verificam manualmente se estão em conformidade. Para começar, é um processo tedioso, complexo e sujeito a erros, mas fica ainda mais difícil quando se lida com uma mistura de sistemas heterogêneos na Nuvem e no local.

Aqui, novamente, as empresas devem procurar uma maneira de automatizar a verificação e correção de controles de segurança usando ferramentas de código aberto. O objetivo é fornecer visibilidade das tarefas e permitir a escalabilidade delas— desde o nível dos contêineres até os sistemas individuais e a infraestrutura híbrida como um todo.

3. Fluxo de dados
Os fluxos de dados entre Nuvens públicas e privadas criam vulnerabilidades que podem levar à espionagem ou ataques cibernéticos. A criptografia robusta é a melhor maneira de garantir que os dados permaneçam seguros, mesmo que acabem sendo interceptados.

Usando módulos de segurança de hardware e outras ferramentas criptográficas, é possível codificar dados com chaves de criptografia fortes e controlar firmemente o acesso a esses dados.

A criptografia de disco completo ou partição é uma das melhores maneiras de proteger seus dados em repouso. Para proteção adicional, você também deve usar criptografia de hardware, como um Trusted Platform Module (TPM), que está incluído em estações de trabalho e servidores mais recentes.

Depois que o TPM é habilitado, ele mantém os discos rígidos bloqueados até que um usuário autorizado faça login. Mesmo que um invasor roube o computador, ele não conseguirá acessar o disco rígido sem as credenciais de autenticação.

Já para os dados em movimento, as maiores ameaças são a interceptação e a alteração. A criptografia da sessão de rede garante um nível de segurança mais alto para os dados em movimento. Por exemplo, use o Internet Protocol Security (IPsec) para criptografar a comunicação entre hosts que se comunicam usando o Internet Protocol (IP). IPsec é uma extensão de IP projetada para proteger a comunicação de rede por meio de criptografia.

4. Segurança da cadeia de fornecedores
Tornou-se clichê dizer que você está tão seguro quanto seu elo mais fraco — mas é verdade. Mas em um ambiente de nuvem híbrida, pode ser difícil ver os links fracos nos seus elos.

Ao avaliar e implementar sistemas e plataformas de Cloud híbrida, é fundamental que as empresas saibam de onde vêm os produtos e softwares que estão usando, o que significa ter a confiança de que os fornecedores com quem trabalham podem garantir que seus produtos foram construídos com segurança.

Tudo gira em torno de uma cadeia de fornecedores segura e transparente. Busque provedores que tenham meios seguros de distribuição de software e processos específicos para fornecer continuamente correções atualizadas, especialmente correções para vulnerabilidades críticas de segurança.

Tudo isso pode parecer assustador, e a verdade é que não existe sistema de segurança perfeito. É por isso que as organizações devem pensar na segurança da cloud híbrida como um processo contínuo, em constante evolução.

 

Cloud Híbrida

criptografia

Nuvem

Trusted Platform Module (TPM)

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.