book_icon

Entidade catarinense foca na formação de novos talentos para setor de tecnologia

Um dos principais objetivos da ACATE para os próximos anos é contribuir de forma efetiva para a capacitação de novos profissionais
Entidade catarinense foca na formação de novos talentos para setor de tecnologia

Com o desafio de continuar fortalecendo o ecossistema de tecnologia e inovação em Santa Catarina e colocar o estado no radar global, a Associação Catarinense de Tecnologia, ACATE, completa 35 anos no mês de abril. Apesar do momento de crise mundial, a associação segue desenvolvendo programas e projetos estruturantes para fomentar o empreendedorismo tecnológico, formar e atrair novos talentos para o estado. Hoje, conta com 1,4 mil empresas associadas e está presente em 9 polos regionais.

As aceleradas transformações digitais ocorridas em decorrência da pandemia do coronavírus acenderam um sinal ainda maior de alerta para o setor de tecnologia. Ao mesmo tempo que inúmeras empresas conseguiram crescer ofertando suas soluções ao mercado, a falta de mão de obra qualificada se acentuou. Por este motivo, um dos principais objetivos da ACATE para os próximos anos é contribuir de forma efetiva para a capacitação de novos profissionais. Em 2020 a entidade  iniciou um mapeamento estadual para identificar o volume e o perfil dos profissionais demandados nas diferentes regiões do estado, que servirá de insumo para futuras parcerias e ampliar iniciativas como o programa DEVinHouse, que está formando desenvolvedores e inicia em breve novas turmas.

Uma das iniciativas da entidade é o programa DEVinHouse, que está formando desenvolvedores e inicia em breve novas turmas 

“É uma situação global que também se reflete aqui: ter profissionais qualificados para que o setor continue se desenvolvendo. Todas as esferas da sociedade precisam se envolver, e a ACATE busca atuar junto ao Governo no fortalecimento da formação de base, despertando o interesse dos jovens para a área, além de estimular as empresas para que fortaleçam sua cultura para atrair e reter talentos. É uma área com empregabilidade muito alta e remuneração quase três vezes superior ao salário médio nacional”, destaca Iomani Engelmann, presidente da ACATE.

Quando a ACATE começou, em 1986, a trilhar o caminho do setor tecnológico no Estado, os números alcançados eram impensáveis na época. Hoje são mais de 12 mil empresas no setor, que faturam R$ 17,7 bilhões, e empregam 56,5 mil pessoas, segundo dados do ACATE Tech Report 2020. Na contramão da crise, a ACATE conseguiu realizar as mudanças necessárias para apoiar na velocidade com que as empresas foram desafiadas a produzir tecnologia e inovação e registrou um crescimento de 295 empresas associadas, 10,5% a mais do que em 2019.

A capilarização da atuação da entidade para todas as regiões de Santa Catarina é um dos pontos de crescimento. Hoje, a ACATE possui em seu Conselho empresas de todos os portes e diferentes polos, inaugurou novos Centro de Inovação em parceria com o Governo e outras entidades e, mais recentemente, levou a metodologia MIDITEC para Joinville. Na visão do presidente Iomani Engelmann, isso demonstra a importância das conexões e do desenvolvimento de iniciativas conjuntas. “Ao longo de toda a trajetória da ACATE, sempre ficou claro que, quando o ecossistema é unido, todos se fortalecem. O fato de termos crescido em número de associados no último ano demonstra o valor que a entidade leva para todas as empresas e para a sociedade”, explica.

A Associação foi fundada em 1° de abril de 1986 com o objetivo de administrar o Condomínio Industrial de Informática (CII), prédio que abrigava as primeiras empresas de tecnologia de Florianópolis. Ao longo destes 35 anos, foram inúmeras conquistas e desafios para o desenvolvimento do setor. A criação do MIDI Tecnológico em 1998, incubadora gerida pela ACATE e mantida pelo Sebrae/SC, é um dos marcos. Outro importante momento da história mais recente da ACATE foi a inauguração, em 2015, da sua nova sede no Centro de Inovação ACATE (CIA) – Primavera, em Florianópolis.

Nos últimos anos,  a ACATE recebeu diversos prêmios, como o de Melhor Hub de Inovação do país em 2018 e 2019 pelo Startup Awards; o MIDITEC foi eleito com uma das cinco melhores incubadoras do mundo segundo o UBI Global em 2018 e 2019, e obteve a certificação CERNE 2, sendo uma das sete primeiras incubadoras do país a ganharem este reconhecimento, das mais de 380 que existem. Além disso, participou de duas missões internacionais com a presidência da república – Índia e Estados Unidos.

De olho no futuro: atração de investimentos

Mesmo com números expressivos ao longo de 35 anos de atuação, Iomani explica que a ACATE quer continuar avançando no objetivo de colocar Santa Catarina no cenário global. “Temos o desafio de aumentar a atração de investimentos para o estado.  Mesmo em meio à pandemia, já foram injetados mais de R$ 2 bilhões na aquisição de empresas catarinenses. Acredito que no Brasil já existe um reconhecimento do nosso estado, por isso também trabalhamos fortemente o tema da internacionalização”, conta. Ele ainda ressalta que, além dos investimentos internacionais, a criação de fundos estaduais é fundamental.

“Temos o fundo de R$ 100 milhões Invisto com a ACATE, que está sendo muito bem aceito pelo mercado, com perspectivas de fechar a rodada de captação antes do previsto. Os desafios são inúmeros, mas revisitando todo o caminho que a ACATE percorreu e conseguimos chegar até onde estamos,  vejo que vamos chegar muito mais longe”, finaliza.

Serviço
www.acate.com.br

ACATE

Desenvolvedor

DEVinHouse

Iomani Engelmann

Talentos

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.