book_icon

Competitividade da fonte solar aumenta no Brasil, aponta a Go Solar

Para Eduardo Villas Boas, diretor comercial da Go Solar, a produção própria de energia reduz gastos dos consumidores, aumenta a competitividade das empresas e desafoga o orçamento do poder público
Competitividade da fonte solar aumenta no Brasil, aponta a Go Solar

O uso da energia solar fotovoltaica por famílias, empresas e governos deve ganhar um impulso ainda maior com o aumento nas tarifas da conta de luz dos brasileiros. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica, o reajuste este ano deve ser 2,4%, devido ao novo orçamento para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que é rateado entre todos os consumidores no País, com aumento na verba de 11% em relação ano anterior, além do repasse que deve ocorrer no próximo ano pela chamada “conta-covid”, um pacote de socorro emergencial ao setor elétrico, cuja previsões dão conta de um aumento de cerca de 20% nas faturas de eletricidade no Brasil.
A avaliação é de Eduardo Villas Boas, diretor comercial da Go Solar, distribuidora de equipamentos fotovoltaicos no Brasil. Para o executivo, a energia solar reduz, sobretudo neste momento, os gastos com energia elétrica da população, aumenta a competitividade das empresas e desafoga o orçamento do poder público, beneficiando pequenos, médios e grandes consumidores do País.

Um sistema fotovoltaico bem dimensionado pode reduzir os gastos com eletricidade dos consumidores em até 95%

“Os sistemas solares nos telhados e pequenos terrenos são uma importante alternativa no atual momento de recursos escassos, quando os consumidores estão pressionados a buscar formas efetivas de reduzir gastos e preservar suas reservas financeiras”, comenta Villas Boas.
“Com o advento da pandemia da Covid-19 e, por consequência, a quarentena, o maior consumo de energia migrou, em parte, das empresas para as residências, e o consumidor está vendo sua conta de energia aumentar, o que torna ainda mais viável economicamente a tecnologia fotovoltaica”, acrescenta.
Uma alternativa para amenizar este cenário é o investimento que empresas e pessoas podem fazer na obtenção de um sistema de energia solar, que pode ser financiado e que tem durabilidade de mais de 25 anos. O payback (retorno do investimento) está estimado entre três e sete anos.
Há diversas linhas de financiamento de energia solar oferecidas hoje no Brasil, que permitem pagar a parcela com a própria economia obtida na conta de luz, tornando a aquisição dos sistemas fotovoltaicos mais acessível, já que não há necessidade de desembolso de recursos próprios.
“Um sistema fotovoltaico bem dimensionado pode reduzir os gastos com eletricidade dos consumidores em até 95%. A economia gerada permite ao usuário destinar os recursos para outras necessidades essenciais, como alimentação, saúde e educação”, aponta o executivo da Go Solar.
A Go Solar conta com um time comercial com conhecimento técnico dos equipamentos para prestar um primeiro atendimento aos clientes, formado inclusive por um engenheiro que oferece suporte imediato aos instaladores para configurações, testes, parametrização, além de todos os fornecedores possuírem suporte técnico no Brasil e estoque para reposição de peças.
Entre as empresas parceiras internacionais destacam-se: Jinko e Trina, para os módulos solares, SMA e Goodwe para os inversores, e Weidmuller para as string box e conectores.
 

Comentários

Os comentários estão fechados nesse post.
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento