Artigos

Os cinco maiores pesadelos do 5G

Em 2019, o 5G se tornará uma realidade na América Latina. Várias operadoras estão planejando lançamentos de 5G e testando ativamente o 5G agora. O 5G promete ser um divisor de águas, mas também trará muitos problemas que precisam ser resolvidos para que se cumpram suas promessas. Em uma recente entrevista sobre o tema do 5G com a Europa Móvel, Giovanni Ferigo, o CTO da TIM disse: “Meu pesadelo pessoal está em torno da segurança”. Isso me fez pensar em alguns pesadelos 5G e o que está mantendo os executivos acordados durante à noite.

À medida que as CxOs se aproximam do final do ano e estão definindo suas estratégias para 2019 e além, o destino iminente de perder clientes para os provedores de OTT e a perspectivas igualmente preocupantes de redução de receita são, de longe, as suspeitas mais assustadoras para o próximo ano.

As organizações de telecomunicações estão considerando a tecnologia 5G como o Santo Graal e o catalisador para mudar essas tendências que ganham corpo diariamente. Os CTOs e CTIOs são encarregados de um grande desafio não apenas de construir o business case para 5G, mas também de garantir que eles monetizem os ativos associados de forma eficaz. Na minha visão, esses líderes precisam se perguntar “como será minha organização daqui a cinco anos e como posso monetizar minha rede?”

Pensando numa questão mais ampla, pontuei alguns principais desafios do CTIO e escrevi as cinco principais questões sobre o tema 5G a fim de gerar reflexão e discussão junto aos gestores da Indústria de Telecom, são elas:

  1. Como posso garantir o máximo retorno do investimento da 5G?

Um dos principais desafios que os CTIOs têm é o impacto da 5G na infraestrutura e legado. A Bloomberg estima que o custo de modernização da indústria para 5G será de US $ 200 bilhões ao ano a partir de 2020. Sem um plano estratégico e inovador para gerar retorno sobre esse investimento, a empresa pode ficar com bolsos vazios e com uma rede que não gera valor suficiente para justificar o custo. A chave para perceber o valor desse investimento está na estratégia, no planejamento e na interação de casos de negócios. À medida que as organizações progridem ao longo de sua jornada 5G, as lições aprendidas ao longo do caminho devem ser documentadas, discutidas e, por fim, devolvidas aos negócios, para que o máximo benefício possa ser obtido. Além disso, novos modelos de negócios podem ser ativados expondo recursos de rede a aplicações de parceiros e terceiros. Um ecossistema de parceiros forte e bem definido será essencial para garantir o ROI máximo do seu investimento.

  1. Como podemos gerir a complexidade do grande número de dispositivos e a complexidade de enormes quantidades de throughput?

Além de um crescimento no número de conexões por assinante, o setor registrou um fluxo de novos dispositivos nos últimos anos. Além da conectividade telefônica tradicional, as empresas de telecomunicações precisam ser capazes de suportar um grande volume de dispositivos conectados. A Deloitte estima que o número médio de dispositivos e conexões per capita só na América do Norte crescerá de 7,14 em 2015 para 12,18 em 2020. Com o 5G, há complexidade e escala adicionais, exigindo automação das operações de rede para suportar isso efetivamente. Aprendizado de máquina e IA, portanto, desempenharão um papel significativo no gerenciamento de operações de rede no ambiente 5G.

  1. Como eu simultaneamente gerencio minha rede legada à medida que me preparo para o 5G e quais novas habilidades eu preciso adquirir para efetivamente monetizar esse ativo?

Outro desafio assustador para o CTIO é o gerenciamento de sua infraestrutura legada, migrando simultaneamente os recursos de rede para um ambiente 5G. Em um artigo recente da Total Telecom, o CEO da Northstream destacou que “A integração de novas tecnologias com equipamentos, processos e sistemas de rede legados é um tema extremamente complicado e um enorme desafio para as CTOs. O que isso significa é que o CTO, como além de possuir forte competência em telecomunicações tradicionais, deve hoje também ser bem informado e capacitado em programas de TI e de transformação “. Como o 5G permitirá uma rede programável definida por software, as equipes de rede bem-sucedidas precisarão incluir engenheiros de software altamente atentos às inovações.

Isso destaca a necessidade de as organizações se prepararem totalmente para os desafios futuros, não apenas do ponto de vista da tecnologia, mas também em termos de processos de negócios associados. A virtualização, a manutenção dos controles de segurança, a transformação do BSS / OSS legado e o foco na tecnologia baseada em nuvem são fatores-chave de suporte para enfrentar esses desafios.

  1. Como me envolvo com os clientes para vender os benefícios do 5G?

Os CTIOs não apenas precisam possuir novas habilidades em relação aos programas de transformação e TI, mas precisam cada vez mais de pensar em como os CMOs e se tornaram obcecados pelo cliente. Em um artigo recente, o TMForum destacou o fato de que a 5G é uma tecnologia, ou mais precisamente, uma coleção de tecnologias, não um serviço ou um fluxo de receita. Com base nisso, para que a 5G atenda às expectativas e melhore o resultado final para os provedores de serviços de comunicações (CSPs), ela deve ser transformada em serviços e serviços em receita. Digitalizar jornadas de clientes e empregar análises para fornecer informações relevantes e personalizar os serviços serão ferramentas fundamentais para alavancar o poder da tecnologia 5G e envolver melhor seus clientes. A meta de criar novos serviços, ativados pela 5G, que realmente tenham impacto na vida dos clientes, deve ser o foco comum e principal de cada CSP / DSP.

  1. Como eu automatizo tudo isso?

Já destacamos a automação das operações de rede como um dos principais fatores de sucesso para a obtenção dos benefícios da tecnologia 5G. No entanto, uma vez que o CTIO definiu a estratégia 5G da organização, além de quais serviços eles oferecerão, quais novos modelos de negócios podem monetizar e quais habilidades são necessárias para alcançar tudo isso, a pergunta a seguir é ‘como eu automatizo tudo isso’?

A automação do processo é um dos principais benefícios da 5G, com o potencial de redução de custos indiretos. No entanto, isso não é tarefa fácil. É importante considerar o fato de que com a automação muitas funções e cargos ficarão obsoletos, além de uma necessidade significativa de adquirir recursos com novas qualificações. A Hays, um recrutador líder global, estima que uma demanda cada vez maior por engenheiros de telecomunicações prontos para 5G, com um número estimado de 22 milhões de funções disponíveis até 2035. Além desses recursos, a experiência em tarefas de aprendizado de máquina e algoritmos associados, engenheiros elétricos (para suportar a escala de dispositivos conectados) e os projetistas de GPS e IoT já estão vendo níveis crescentes de demanda.

Isso não apenas pressiona a organização a preencher os papéis/funções associadas, mas exige que o impacto sobre os recursos e a cultura existentes sejam urgentemente revistos. A 5G está aqui. O potencial para reinventar a Indústria de Telecomunicações é enorme. Mas os problemas em potencial também serão gigantes. Por isso, conhecê-los com antecedência e ter um plano para garantir que os pesadelos não se transformem em realidade é essencial. Caso contrário, alguns CTIOs irão ficar muitas e muitas noites sem dormir.

*Tony Regan  é gerente geral da Openet Consulting

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.