Tecnologia

Gartner alerta executivos de TI para a importância de Data Centers Inteligentes

Líderes de Infraestrutura e Operações precisarão de sistemas que se organizem automaticamente para lidar com a complexidade digital

O objetivo dos negócios digitais será aumentar a simplicidade ou eficiência para os clientes e usuários finais. No entanto, o Gartner alerta que para líderes de Infraestrutura e Operações de TI (I&O) que criam e mantêm os sistemas que suportam negócios digitais, a complexidade estará aumentando rapidamente.

Rápido crescimento da computação em Nuvem Pública e da Infraestrutura Hiperconvergida destaca as abordagens que os líderes de I&O estão usando para atender a essas demandas

“Internet das Coisas (IoT), Edge Computing, Advanced Analytics e a demanda por informações e serviços em tempo real impulsionarão a implantação de sistemas mais complexos e dinâmicos”, afirma George Weiss, Vice-Presidente e Analista Emérito do Gartner. Segundo ele, o rápido crescimento da computação em Nuvem Pública (Public Cloud Computing) e da Infraestrutura Hiperconvergida (HCI – Hyperconverge Infrastructure) destaca as abordagens que os líderes de I&O estão usando para atender a essas demandas.

“Os líderes de TI precisam pensar mais alto para alcançar e adotar princípios de sistemas de inteligência auto organizados em Data Centers, Edge e Nuvens do futuro”, explica Weiss. Uma das promessas dessas inovações tem sido simplificar o fornecimento e a integração por meio da arquitetura da infraestrutura de TI de forma modular para oferecer serviços sob demanda. No entanto, de acordo com Weiss, está surgindo uma realidade diferente e que exigirá que os líderes de I&O avaliem sistemas e tecnologias de maneiras radicalmente novas.

“A maior simplicidade no ‘consumo de serviço’ (‘as-a-service consumption’) e a integração definida por software são mais do que contrariadas pela complexidade de um cosmos de TI expansível que compreende bilhões de pontos de dados e gateways em uma matriz de conexões”, diz Weiss. “A aplicação de Inteligência Artificial (IA) e Aprendizagem de Máquina (ML – Machine Learning) para operações de TI pode mitigar as demandas dessa complexidade, mas exigirá uma mudança de atenção e foco”, afirma o analista.

Os silos estão mortos

Um potencial obstáculo para um Data Center inteligente e auto-organizado é que muitos dos sistemas atuais são implementados para cargas de trabalho ou unidades de negócios com propósito específico, em vez de serem implantados e gerenciados como um coletivo. Isso limita o potencial das operações de TI para otimizar continuamente os recursos. Por sua vez, isso exigirá que Inteligência Artificial e Aprendizagem de Máquina sejam aplicadas às operações de TI.

“Os líderes de TI precisam pensar de uma forma mais ampla”, afirma Weiss. “O objetivo deve ser arquitetar plataformas e serviços que monitorem e analisem os comportamentos do sistema, obtendo resultados continuamente otimizados para metas e níveis de serviço predefinidos”, explica o analista.

Segundo o Gartner, há quatro propriedades-chave de um Data Center inteligente e auto-organizado: pode monitorar, testar e fornecer feedback sobre configuração, carga de trabalho, capacidade e conectividade nas funções tradicionais integradas e hiperconvergidas; pode monitorar outros sistemas em uma rede de malha ou Nuvem que combine, componha e se adapte a objetivos globais predeterminados; pode executar ações que atinjam os objetivos estabelecidos pela organização; e pode aplicar princípios compostos à utilização e eficiência de recursos.

Dentro do alcance

Com os recentes avanços em processamento algorítmico e ML, essa visão está, em parte, já dentro da capacidade técnica de alguns sistemas arquitetados em torno de HCI e princípios integrados. O Gartner encoraja os líderes de I&O a mapearem as bases dos Data Centers de auto-otimização da próxima geração durante os próximos três anos.

Para se prepararem efetivamente para essa mudança, os líderes de I&O devem conduzir os limites de seus entendimentos para além das capacidades que seus sistemas possuem atualmente e procurar fornecedores que tenham essa visão dentro de seus próprios frameworks e objetivos.

“Três áreas de compreensão em torno dessa tendência são vitais para os líderes de I&O. Primeiro, como isso beneficiará o negócio em termos de confiabilidade, resiliência, capacidade de resposta e recuperação. Em segundo lugar, como avaliar a eficiência dos produtos entre os fornecedores, as contribuições dos parceiros e o ecossistema empresarial mais amplo. Finalmente, como as ferramentas legais de automação existentes podem ser complementadas ou substituídas pela próxima onda de soluções”, diz Weiss.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.