book_icon

Indústrias IoT e Healthcare são potenciais alvos de ransomware

Segundo a Trend Micro, as amostras de ransomware podem evoluir para malwares que desabilitam toda a infraestrutura das empresas

Somente em 2017, os ataques de ransomware tiveram um aumento de 250% nos primeiros meses de 2017 e estão no caminho certo para bater mais um recorde este ano. Segundo a Trend Micro, haverá uma evolução na estratégia de ransomware no futuro próximo, incluindo um aumento no número de ataques contra sistemas IoT.

Segundo a Trend Micro, em termos de potencial, as amostras de ransomware podem evoluir para malwares que desabilitam toda a infraestrutura

Além disso, o Relatório Mundial de Previsões de Saúde da IDC observou que, até 2018, o número de ataques de ransomware no setor de saúde deve dobrar. Isso se deve ao fato dos hackers estarem se concentrando mais na área de saúde e outros prestadores de serviço dentro dessa indústria com acesso a dados sensíveis de pacientes e outros dados valiosos.

“O relatório descreve o aumento das ameaças e da maturidade das técnicas de ransomware como a criação de uma ‘ mentalidade de corrida do ouro’ entre na comunidade de cibercriminosos, conforme mais e mais criminosos buscam lucrar nessa área”, escreveu o colaborador da Converge, Shelly Kramer.

Conforme os ransomware continuam a se tornar mais avançados, os esforços da polícia estão cada vez melhores também. A polícia está colaborando com outras organizações como a Cyber Threat Alliance e No More Ransomware para ajudar a melhorar a capacidade de identificar as fontes das poderosas famílias de ransomware e evitar novos ataques.

Segundo a Trend Micro, em termos de potencial, [as amostras de ransomware] podem evoluir para malwares que desabilitam toda a infraestrutura (crítica não só para as operações de uma empresa, mas também para cidades ou mesmo nações) até o resgate ser pago.

Apesar das empresas se esforçarem para aprimorar suas capacidades de prevenção de infecções, os ataques ransomware são persistentes. É importante, portanto, que as empresas não trabalhem somente de forma reativa com relação às ameaças atuais, mas que se protejam contra ameaças futuras.

A maior parte das famílias de ransomware funcionam de forma similar às novas amostras descobertas atualmente – após se infiltrar no sistema da vítima, arquivos e dados importantes são criptografados, impedindo o acesso de qualquer um com exceção do hacker, que possui um código de descriptografia. Os atacantes exigem então um resgate – tipicamente na moeda não rastreável Bitcoin – para devolver os arquivos intactos.

Segundo a Trend Micro, o pagamento do resgate nem sempre é garantia de recuperação dos dados. Os resultados de um ataque podem variar: algumas organizações que pagaram o resgate, receberam o código de descriptografia e voltaram a ter acesso aos seus arquivos. Outras vítimas não tiveram tanta sorte e nunca conseguiram recuperar os dados roubados, apesar de pagarem o resgate.

Inicialmente, o ransomware focava em vítimas na Rússia, em 2005 e 2006. Em 2012, começaram a aparecer infecções em outros países europeus. Mesmo assim, os atacantes tiveram o cuidado de se disfarçar, exigindo resgate por meio de métodos de pagamento como o paysafecard e o MoneyPak para ocultar suas atividades maliciosas.

De acordo com a Trend Micro, alguns ataques anteriores de ransomware não passavam de fraudes, aproveitando alertas convincentes, mas falsos para incentivar os usuários a pagar o resgate. Outras amostras utilizaram bloqueios de tela para impedir que os usuários fossem além da janela de notificação.

Linha do tempo

Em 2013, surgiram amostras de “Crypto-Ransomware”, incluindo o agora famoso CryptoLocker. Essas infecções tornaram-se cada vez mais perigosas, já que, além dos dados serem criptografados e o acesso bloqueado, essas amostras também conseguiam excluir arquivos criptografados após algum período de tempo se o resgate não fosse pago.

As infecções de ransomware atingiram um pico em 2016, ganhando o apelido de “o ano do ransomware”. Em 2015, a Trend Micro descobriu 29 famílias diferentes de ransomware, e este número atingiu 247 famílias em 2016, representando um aumento surpreendente de 752%.

No geral, os atacantes lucraram bastante a partir das infecções do ransomware, com os hackers arrecadando cerca de US$ 1 bilhão. Boa parte disso foi resultado de um ataque contra grandes empresas sem backups de dados, tornando o resgate exigido mais bem-sucedido para os cibercriminosos.

Healthcare

IoT

Ransomware

segurança

Trend Micro

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | GESTÃO

A doce ditadura da Governança de Dados

Leia nessa edição sobre carreira

CARREIRA

Profissões do futuro

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

SETORIAL

Área pública: desafios e lucros

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

LEGISLAÇÃO

LGPD Ano Um: uma construção inacabada

Setembro | 2021 | #50 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento