Destaque Gestão

TI planeja cortes e monitoramento de funcionários remotos

Pesquisa mostra dispensa nos próximos meses e monitoramento do trabalho remoto para aumentar produtividade

Uma pesquisa realizada pela .tech Domains com 350 líderes de TI nos EUA sobre os desafios para 2021 não trouxe boas notícias para os profissionais da área: 43% afirmaram que planejam fazer dispensas nos próximos 3 a 6 meses e nada menos do que 85% dos líderes entrevistados disseram que vão monitorar mais de perto a produtividade/desempenho dos funcionários que trabalham remotamente.

O estudo, chamado .tech Domains IT Leader Survey: What’s Ahead for IT Teams in 2021, investigou como a crise da Covid-19 afetou esses líderes e suas equipes, bem como as decisões que tomarão nos próximos meses para manter suas organizações no pós-pandemia. Quase metade dos entrevistados (49%) disse que deseja suas equipes no escritório em tempo integral após a vacina.

91% dos líderes de TI afirmaram que estão colocando um foco maior na diversidade e inclusão para 2021  

Uma pesquisa de agosto revelou que 61% dos trabalhadores de tecnologia trabalhavam totalmente remotos. O trabalho remoto tem sido um desafio para todos os envolvidos, especialmente aqueles em TI, em que grande parte do trabalho gira em torno do acesso à tecnologia e soluções certas. Não é surpreendente, então, que 79% dos líderes de TI digam que a Covid-19 criou uma divisão digital entre os funcionários.

Embora muitos tenham argumentado que os ambientes remotos geram maior produtividade, pois distrações, como deslocamento e reuniões desnecessárias, foram eliminadas, parece que esse pode não ser o caso de quem trabalha com TI. Na verdade, 47% dos CIOs e CTOs disseram que tiveram de demitir pelo menos um funcionário devido à falta de desempenho e produtividade em ambientes home office ou remoto.

Com o desempenho de sua equipe tendo implicações muito maiores para suas organizações, parece que os líderes de TI não estão aceitando o atraso que os ambientes remotos estão criando para alguns funcionários. Para combater isso, a grande maioria planeja tomar uma postura proativa no monitoramento de sua força de trabalho em 2021.

Segundo a pesquisa, será interessante observar nos próximos meses como esses líderes administram essa preferência por ter equipes centralizadas no escritório, bem como a adoção de estratégias de micro-gestão virtual na tentativa de maximizar a produtividade.

Embora seja difícil argumentar contra a lógica por trás dessas abordagens, não há dúvida de que elas serão a causa do atrito entre as equipes que operam em situações já estressantes.

Diversidade
Um fato interessante é que 91% dos líderes afirmaram ter planos para aumentar a diversidade dentro do departamento em 2021 à medida que o engajamento diminui. Embora a equipe de TI nunca tenha estado tão diretamente ligada ao sucesso geral de uma organização, ela também nunca esteve desconectada. Assim, 42% dos líderes de TI dizem que sua equipe está menos engajada desde o início da Covid-19, com apenas 16% respondendo que o engajamento da equipe parece estar em um nível semelhante ao que era antes da pandemia.

Embora existam muitos fatores que determinam o nível de envolvimento de uma equipe, há muito se sabe que a diversidade tem um impacto significativo. E embora a diversidade e a inclusão tenham sido frequentemente comentadas sobre os assuntos nos círculos de tecnologia à medida que os estudos continuam a aumentar as disparidades existentes no local de trabalho, a crise parece ter adicionado um grau bem-vindo de urgência para as organizações agirem. Dessa forma, 91% dos líderes de TI afirmaram que estão colocando um foco maior na diversidade e inclusão para 2021, com medidas como expandir a diversidade e os programas de inclusão (47%), com foco na diversidade no processo de recrutamento e contratação (52%), e aumento da formação de gestores (35%).

Com a sociedade examinando sua postura sobre a igualdade social e as organizações vendo uma queda no engajamento, parece que os líderes de TI estão prontos para tomar as medidas necessárias para aumentar a diversidade, não apenas como um imperativo moral, mas como uma forma de garantir que eles estejam construindo times mais fortes.

A pesquisa continua a mostrar que uma força de trabalho diversificada leva a novas ideias, aumentando a capacidade de inovação de uma organização e criando resiliência para permitir que ela sobreviva melhor a um mercado desafiador.

Habilidades
Embora a falta de qualidades de liderança e habilidades de comunicação pudesse ser parcialmente absorvida pelo resto da equipe em ambientes normais pré-Covid, a adição de trabalho remoto tornou impossível ignorar essas deficiências. Assim, quase metade (45%) dos líderes de TI entrevistados disseram que a crise “me fez perceber que preciso melhorar a forma como me comunico e motivo minha equipe”.

CIOs e CTOs também estão repensando o tipo de contratação que estão fazendo, à medida que a Covid aumenta a importância de novas habilidades e atributos. Surpreendentemente, quando solicitados a classificar os critérios de contratação mais importantes em um mundo Covid/pós-Covid, “pessoas/habilidades de comunicação” ocuparam o primeiro lugar, seguido por “habilidades técnicas”, “experiência”, “diplomas” e, por último, “adequação cultural”.

Normalmente não conhecidos por suas proezas de comunicação, os trabalhadores de tecnologia precisarão cultivar novas habilidades para ter sucesso em um mundo pós-pandêmico.

Quando solicitado a escolher seu maior medo em 2021, houve um empate triplo, com 21% cada um, entre “Ser vitimado por ataques cibernéticos devido a vulnerabilidades causadas por trabalho remoto”, “Falta de apoio da liderança que impede minha capacidade para ajudar a organização a se adaptar às mudanças provocadas pela Covid-19” e “Incapacidade de reter os melhores talentos devido aos desafios trazidos pela Covid-19”.

Com os picos meteóricos de ciberataques e fraudes ocorrendo como resultado da confusão e caos que a crise causou, lacunas generalizadas de habilidades e um êxodo de trabalhadores de tecnologia dos maiores centros do País, não é surpreendente que as ameaças à segurança e a capacidade de reter talentos estão mantendo os líderes acordados à noite.

No entanto, devido à sua importância cada vez maior dentro de uma organização, é interessante que mais de 1 em cada 5 dos entrevistados disse que seu principal medo é a falta de apoio da liderança. Isso também coincide com o fato de que 30% dos entrevistados responderam “não tenho certeza” quando questionados se eles acreditam que terão o amplo orçamento necessário para investir em seus planos de crescimento, com 18% dizendo não.

Serviço
www.get.tech

 

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos