Tendências

Revisão da RN 482 da ANEEL afasta o país de uma matriz energética limpa e sustentável

A Aldo acredita que caso as regras vigentes sejam alteradas, o País produzirá mais de 75,38 milhões de toneladas de CO2 até 2035

A Aldo, uma das distribuidoras de equipamentos para geração de energia solar, TI e drones do País, avalia que a revisão da Resolução Normativa 482 da ANEEL gera desiquilíbrio ao consumidor de energia solar distribuída e afasta o país de uma matriz energética limpa e sustentável.

Desde 2012, o consumidor brasileiro pode gerar a própria energia a partir da energia solar e economizar em sua conta de luz, gerando economia e liberdade, além de contribuir para o crescimento e prosperidade do nosso país.

É preciso apoiar a diversificação da matriz energética e o futuro das próximas geraçõe 

Atualmente, 100% da energia que o sistema de energia solar injeta na rede pode ser compensada na conta. No entanto, segundo as distribuidoras, esse modelo não representa uma remuneração adequada da rede de distribuição e a revisão da RN 482 em análise pela ANEEL visa diminuir o percentual de compensação de energia injetada na rede (os índices sugeridos para possíveis compensações, inicialmente, são de 100%, 72%, 66%, 59%, 51% e 37%).

É preciso apoiar a diversificação da matriz energética e o futuro das próximas gerações.

Em um planeta onde a natureza tem enviado comunicados evidentes sobre o que significa a exploração indiscriminada dos recursos naturais, inclusive da matriz energética baseada em hidrelétricas, com custos altíssimos de produção, operação, manutenção e infraestrutura de transmissão e com influência direta sobre o meio ambiente, não será positivo para o país retroceder o processo de ampliação do acesso as energias renováveis, em especial a energia fotovoltaica.

Para a Aldo Pereira Teixeira, presidente da Aldo, “por suas dimensões e posição geográfica, o Brasil tem uma das maiores incidências de raios solares do mundo. O potencial do país para o uso da energia solar é muito grande, e ainda pouco explorado. Ainda são poucas as iniciativas de incentivo à utilização desta fonte energética. Essa mudança na metodologia da compensação dos créditos irá frear a expansão do setor e o retorno do investimento do consumidor final ficará mais distante, possivelmente até inviabilizando o projeto em determinadas situações”, explica.

Aldo complementa: “não podemos assumir uma postura passiva diante da mudança que está sendo sugerida. Precisamos ir do luto à luta, cobrar os atores e discutir com a sociedade, que também sonha com um futuro sustentável para as próximas gerações. Queremos facilitar o acesso à energia solar e apoiar a diversificação da matriz elétrica de nosso país aumentando a segurança e a autonomia no suprimento de energia, tendo o sol como maior parceiro e a sustentabilidade como lema”.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos