Artigos

Qual é a relação entre TechQuilibrium e a qualidade na nova era digital?

TechQuilibrium é a bola da vez? Apresentado inicialmente pelo Gartner em vários dos seus eventos ao longo de 2019, o conceito está relacionado com o equilíbrio tecnológico necessário para competir na sociedade digital em que vivemos. Em resumo, é o balanço entre o digital e o tradicional dentro de cada empresa.

Com o mundo em constante evolução, o mercado está muito suscetível a três forças que o moldam constantemente: a geopolítica, a economia e a emergência de gigantes digitais. Segundo o Gartner, o TechQuilibrium é a maneira correta para ter sucesso em um mercado dominado por essas três forças. Para os especialistas, o tempo necessário para que as empresas encontrem esse equilíbrio é sete anos e cada mercado possui um balanço específico entre digital e tradicional.

O TechQuilibrium e a Qualidade de Software
Ainda segundo os especialistas, para atingir o TechQuilibrium dentro de uma empresa, os CIOs devem investir suas energias em quatro pontos estratégicos: tomada de decisão corporativa, liderança, experiência do consumidor e sociedade digital. Toda essa discussão me fez pensar sobre como a qualidade de software pode ser inserida nesses quatro pontos considerados pelo Gartner como essenciais para o sucesso das empresas na era digital.

1.Tomada de decisão corporativa
Atualmente, a automação de processos é um item muito importante para trazer mais eficiência para as operações. O Gartner defende que a automação precisa ser trazida para o processo de decisão, de modo que a liderança humana possa acompanhar. De acordo com Valentin Sribar, VP Senior de pesquisa do Gartner, “A maioria dos ambientes, particularmente os complexos e ricos em dados, precisarão de uma parceria entre humanos e máquinas, com as máquinas fazendo o processamento pesado de dados e os humanos interpretando e reforçando as decisões”.

Este assunto se encaixa em diversos pontos de um ambiente corporativo, mas, a qualidade, em específico, traz a automação de testes para a conversa. Há algum tempo apenas os testes exploratórios manuais eram utilizados para validar a qualidade de um produto digital. A automação deste processo foi uma grande disrupção para o desenvolvimento de software. Com os testes em massa sendo executados automaticamente (e bem rapidamente em comparação aos testes humanos), os profissionais de TI ficam com mais tempo para executar papéis mais estratégicos, além de tomar decisões de impacto com muito mais assertividade.

2. Liderança
No fim do dia, apenas três fatores são decisivos para os boards de companhias: receita, custo e risco. Dentro da área de tecnologia, os CIOs precisam trabalhar para conduzir esses fatores da melhor maneira. Contudo, no jogo corporativo, os executivos de tecnologia se veem muito em posições reativas ou defensivas dentro das empresas, o que pode impedir tal atuação. Segundo dados do Gartner, apenas 18% dos membros de boards enxergam os CIOs como pessoas capazes de levar as empresas ao TechQuilibrium.

Os CIOs devem, então, assumir posições, assertivas e agressivas frente aos desafios da empresa e manipular estes três pilares de interesse dos boards de modo a virarem aliados de valor dentro das companhias. Nesse sentido, o investimento em qualidade ajuda em todas as questões relevantes para o board, diminuindo custos por antecipar problemas no processo de desenvolvimento, reduzindo riscos diversos (jurídicos, de marca e outros) e prevenindo perda de receita. Através do investimento em qualidade, o CIO ganha confiança do board para propor inovações tecnológicas e conduzir seu desenvolvimento e aplicação com segurança, sendo visto como um parceiro estratégico da diretoria para criar resultados de negócio.

3. Experiência do Consumidor
O Gartner traz o conceito de “Everything Customer” – o consumidor que, muito influenciado pela tecnologia, tem interesses conflitantes e simultâneos. Por exemplo, aquele consumidor que deseja utilizar todas as features necessárias em um app, sem dispensar a facilidade no uso.

Para atender as demandas deste consumidor, o Gartner sugere que as empresas criem plataformas multi-experiência, provendo aos usuários experiências incríveis através de diversos meios – sejam eles smartphones, computadores, wearables, IoT, etc. A Domino’s, por exemplo, oferece pelo menos 12 maneiras diferentes de se pedir uma pizza, desde o WhatsApp até pela própria TV, dependendo do país do consumidor.

Porém, para alcançar as expectativas desses consumidores ao longo de todas essas plataformas, é preciso pensar em cada detalhe dos pontos de interação que os usuários terão. Se, por algum motivo, algum desses pontos falhar por conta de algum gap de desenvolvimento, toda a experiência vai por água abaixo. A garantia da qualidade do software é essencial para assegurar que essas interações não serão falhas e que os usuários terão a melhor experiência possível.

4. Sociedade Digital
A digitalização da sociedade é um fator muito dinâmico, que coloca importantes discussões sobre o uso responsável de dados muito em pauta. Novas legislações como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD, no Brasil) e a General Data Protection Regulation (GDPR, na Europa) reforçam essa ideia.

Não é difícil encontrar casos de empresas que, por erros de funcionalidade, expuseram dados de usuários ou companhias de tecnologia que comprometeram a segurança de seus consumidores. Aliás, são situações comuns de serem vistas no mundo atual. Por isso, ter um olhar apurado para prevenir essas questões é algo essencial para superar os desafios vigentes na sociedade digital. A atuação da qualidade nessa questão também pode ajudar empresas em relação à privacidade nos ambientes digitais.

A qualidade como aliada
Ainda que o TechQuilibrium de sua empresa vá depender de vários fatores, é indispensável trabalhar esses pontos elencados pelo Gartner para obter sucesso nessa nova fase na qual todas as empresas estão entrando. Ter a qualidade como uma aliada é essencial para dinamizar processos, ser mais assertivo e ter mais confiança na realização de seus processos críticos de desenvolvimento de software, viabilizando a entrada em um novo mundo de possibilidades tanto para empresas quanto para usuários.

Por Bruno Abreu, CEO e cofundador da Sofist

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos