Artigos

Pandemia de Covid-19 causa uma mudança no estilo de trabalho

A necessidade de isolamento de funcionários impõe dificuldades para empresas de todos os portes e aos provedores de serviços que as atendem, assim como a milhões de clientes em diversos países. Embora essa mudança maciça para o trabalho remoto seja uma consequência óbvia dessas solicitações, a surpresa foi grande, pois os requisitos de largura de banda dispararam em poucas semanas. Ao mesmo tempo, lidamos com cenário de escolas fechadas, eventos presenciais cancelados e o distanciamento social cada vez mais necessário.

O cenário atual da crise global afeta as organizações de maneiras diferentes. Não estamos lidando com picos mundiais de uso da Internet, antecipados como os ocasionados pela Copa do Mundo ou Olimpíada para os quais os provedores de serviços se planejam com antecedência. O fato é que os serviços de streaming estão sendo solicitados a acelerar seus serviços para que a Internet não falhe, já que os consumidores além de trabalhar em casa estão assistindo programas e participando de jogos online. E os serviços corporativos, como videoconferência e aplicações SaaS, estão experimentando uma demanda sem precedentes , com atividades escolares e conexão entre pessoas em diferentes localidades.

Para as empresas que enfrentam essas dificuldades, é essencial que seus serviços de aplicações possam atender aos novos níveis de demanda. Você consegue lidar com picos de carga ou a infraestrutura precisa ser atualizada? A explosão de nuvens pode ajudar a aliviar os desafios causados por picos dramáticos em uso? O tráfego ou as cargas de trabalho (workloads) da web podem ser divididas para implantar rapidamente novas instâncias de entrega de aplicações virtuais para failover e continuidade?

Já vimos clientes nos setores de serviços financeiros, educação e tecnologia tendo que mudar rapidamente, para fortalecer suas infraestruturas à medida que milhões de colaboradores permanecem em suas casas.

Protegendo a rede contra ataques
Se relatórios recentes indicam que os invasores cibernéticos encontram motivação renovada e alcançam novos alvos para ataques DDoS (Distributed Denial of Service). Hoje, esses invasores dispõem de tempo extra, em suas mãos.

Os recursos corporativos mais do que nunca são essenciais para ajudar a nos manter conectados. Todos os setores: tecnologia (incluindo todos os apps que fornecem serviços de entrega), educação e, especialmente, setores críticos como governo, serviços financeiros e assistência médica devem ser protegidos para garantir que esses canais estejam funcionando sem interrupções.

A adoção de Inteligência Artificial/aprendizado de máquina e automação pode ajudar a encontrar ataques conhecidos e desconhecidos em tempo real. A combinação desses recursos com a inteligência de ameaças acionável é especialmente importante com a escassez de especialistas em segurança. Isso pode ser agravado com a pandemia Covid-19, pois afeta as escalas de trabalho.

A pandemia acelerará a adoção do 5G?
Existem indicadores mistos sobre se a pandemia irá acelerar a adoção do 5G ou abrandá-la devido às quedas na economia global. Entretanto, uma coisa é certa: as ordens para permanecerem em casa estão impactando na maneira como as pessoas se conectam. O que antes eram aulas de exercícios presenciais, cultos religiosos e happy hours estão migrando para o virtual.

Em tempos de pandemia, os provedores de serviços estão enfrentando um aumento no tráfego de rede. O 5G tem o potencial de melhorar essas conexões virtuais com o prometido recurso de baixa latência ultra-confiável.

O que os provedores de serviços devem considerar durante esse período? Há endereços IP suficientes nos seus pools de IPv4 ou IPv6 e capacidade suficiente para lidar com o aumento da demanda de tráfego e assinantes? Sua rede está protegida contra ataques DDoS? Você pode orientar efetivamente serviços mais críticos ou temporariamente dar-lhes prioridade?

Impedir o jogo sujo dos cybers criminosos
Não é surpresa que os criminosos cibernéticos estejam utilizando a crise global para lançar ataques a novos alvos. Desde o início da pandemia no final de 2019, vimos ataques diferentes, desde ataques direcionados à Organização Mundial de Saúde (OMS) para roubo de informações até e-mails de phishing em massa e campanhas de spam direcionadas a trabalhadores remotos.

Mais do que nunca, as organizações devem adotar uma abordagem de segurança de ‘não confiar em ninguém’. Algumas medidas a serem adotadas: Verifique se algum usuário tem acesso a dados dos quais não depende para suas funções diárias; restrinja o acesso o máximo possível. Certifique-se de ter visibilidade de todos os seus usuários, tráfego, dados e workloads e de aplicar políticas de segurança uniformes em todos os locais para garantir que não haja brechas na segurança.

Estamos no meio de um evento global jamais presenciado na memória recente. O que exige que todos nós reformulemos e nos reajustemos repetidamente. É hora de reavaliar as práticas de segurança e infraestrutura crítica, para garantir que elas sejam fortalecidas ao nível necessário para o tráfego de rede e ataques cibernéticos que estamos enfrentando e que continuarão a ocorrer nos próximos meses.

Por Ivan Marzariolli, country manager da A10 Networks

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos