book_icon

Onde estão as mulheres da tecnologia?

Atuação feminina na área vem crescendo no mundo todo, mas ainda é minoria

As empresas de tecnologia ainda são majoritariamente dominadas por homens. As gigantes da área, como Google, Apple e Facebook, ainda não possuem um terço no número de mulheres entre os funcionários nas sedes no Vale do Silício, de acordo com divulgação de seus relatórios de diversidade.

[mks_pullquote align=”right” width=”300″ size=”24″ bg_color=”” txt_color=”#1e73be”] Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), realizada pelo IBGE, apenas 20% dos profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação (TI) são mulheres[/mks_pullquote]

No Brasil, a realidade não é muito diferente. No GetNinjas, plataforma de contratação de serviços, 37% do quadro de funcionários é composto por mulheres. Porém, apenas 16% atuam com tecnologia. Eduardo L’Hotellier, CEO e fundador do aplicativo, conta como as startups estão buscando reverter este quadro. “Ainda estamos na mesma média das grandes empresas de TI. O grande desafio está na formação de mulheres na área, já que a maior parte dos estagiários e recém-formados de TI ainda são homens. Para diminuir essa diferença, nosso time busca motivar mais mulheres a atuarem em tecnologia, mostrando os benefícios de se investir numa carreira cada vez mais promissora”, destaca.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), realizada pelo IBGE, apenas 20% dos profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação (TI) são mulheres. Por outro lado, a falta de referências e a maneira como a tecnologia foi introduzida na infância podem ter influência na baixa presença de mulheres na área. Poucos sabem, por exemplo, que a linguagem de programação teve como precursora nada menos que uma mulher, a inglesa Ada Lovelace, que era matemática e escritora e foi a primeira pessoa a escrever um algoritmo para ser processado por máquina.

[uam_ad id="491"]

Se além dos contos de fadas essas histórias reais fossem contadas a um número maior de meninas, possivelmente teríamos uma realidade diferente no que diz respeito às mulheres graduadas em Processamento de Dados ou Ciência da Computação. De acordo com a Sociedade Brasileira de Computação (SBC), em 2014 as mulheres representavam apenas 16% do total de brasileiros formados em cursos de informática.

Desde pequena Suelen Fenali, hoje formada em Sistemas de Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), já tinha um grande interesse por tecnologia. “Ao invés de brincar de casinha, eu construía robôs com meu brinquedo de Lego.” Na hora de escolher a profissão, ela conta que também teve forte influência dos pais. “Desde muito cedo, eles me falavam sobre a importância da tecnologia para nosso futuro. Com isso, meu primeiro curso de programação foi aos 14 anos de idade, sendo que dos 22 alunos iniciais fui uma das quatro a se formar. Acredito que cada vez mais a tendência é as mulheres quebrarem essas barreiras na área”, comenta a analista Data Science do GetNinjas.

A analista de testes, Ingla Genovez, que também compõem o time de TI do GetNinjas, acredita que deve haver uma disposição maior das mulheres a quebrar o estigma de que tecnologia é uma área masculina e resistir para se desenvolver e conquistar o mercado. “Já fui a única mulher em um evento sobre testes e, quando souberam que na época eu só atuava com testes manuais, fui motivo de piada. O interesse pela área de testes foi justamente por me importar muito com a qualidade do serviço prestado e é por conta das minhas conquistas que tenho conseguido me desenvolver cada vez mais na área”.

Iniciativas organizadas por mulheres para as mulheres, como o evento de programação na linguagem Ruby – o Rails Girls, também contribuem para a disseminação e incentivo da atuação feminina na área, já que a evolução acontece de forma muito rápida e os conhecimentos logo se tornam ultrapassados. O evento, realizado desde 2010 em vários países como Austrália, Japão e Egito, ocorre em formato de curso e é oferecido gratuitamente em dois dias, como uma imersão em programação ruby. A próxima edição brasileira ocorrerá em São Paulo, na sede da fintech Nubank, nos dias 18 e 19 de agosto. Essa é uma ótima oportunidade para mulheres que não conhecem essa linguagem de programação e têm interesse de se aventurar na área.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Leia nesta edição:

TECNOLOGIA

A evolução da Nuvem chega pela borda

CARREIRA

CIO: a batalha atual

SETORIAL | SAÚDE

Oportunidades em meio ao caos

Esta é para você leitor da Revista Digital:

SUSTENTABILIDADE

O lixo eletrônico é responsabilidade de todos

Abr | 2021 | #45 - Acesse:

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento
Nome do Evento
SUMMIT
Brand do Evento
Icon Calendar

13 de Agosto de 2020

Icon Calendar

São Paulo / SP

Involves Experience

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat.

Acesse site do Evento
Nome do Evento
SUMMIT
Brand do Evento
Icon Calendar

13 de Agosto de 2020

Icon Calendar

São Paulo / SP

Involves Experience

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat.

Acesse site do Evento
Nome do Evento
SUMMIT
Brand do Evento
Icon Calendar

13 de Agosto de 2020

Icon Calendar

São Paulo / SP

Involves Experience

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat.

Acesse site do Evento