Tendências

Mercado global de telefonia móvel tem queda no faturamento

Relatório da GSMA faz um balanço do ano e aponta perspectivas para 2021 com a aceleração do 5G

A GSMA Intelligence publicou recentemente seu relatório de pesquisa anual Global Mobile Trends, compartilhando percepções para a indústria de telefonia móvel global após a pandemia de Covid-19. O estudo faz parte de uma série de relatórios anuais em que a entidade mostra sua visão das tendências mais importantes que moldam as telecomunicações e os setores TMT (Tecnologia, Mídia e Telecom) mais amplos. Foram pesquisadas a América do Norte, América Latina, Europa, Oriente Médio, África, Índia e China.

Além da Covid-19, o relatório analisa as tendências subjacentes do setor de telecomunicações, como a adoção de 5G, que está ganhando impulso e moldando as perspectivas do setor de telecomunicações. Outras tendências incluem a transformação da rede e a mudança para RAN (Radio Access Network) aberta; digitalização de empresas; mudanças no consumo de entretenimento do consumidor de streaming e realidade imersiva; e a onda de smartphones 4G em mercados emergentes. “Desde que haja uma recuperação econômica gradual em 2021, esperamos que a atividade em cada uma dessas áreas ganhe ritmo”, disse Tim hatt, chefe de Pesquisa da GSMA Intelligence.

Segundo o estudo, em países de renda mais alta houve um impacto negativo de 4% a 8% nas receitas de telecomunicações. Nos mesmos países, essa queda é cerca de metade da queda comparável do PIB (Produto Interno Bruto) desde o início de 2020.

 No setor corporativo, 56% das operadoras veem a manufatura como o maior potencial para 5G, atendida por uma mistura de Internet das Coisas (IoT), computação em Nuvem e redes privadas

O impacto da Covid-19 na receita de telecomunicações está concentrado principalmente em quatro áreas: roaming, devido à falta de viagens internacionais; menor atualização de aparelhos, já que houve fechamento de lojas de varejo; desafios nos mercados corporativos e de pequenas e médias empresas (PMEs); e pressões gerais do consumidor, especialmente nos segmentos de telefonia móvel pré-pago.

No entanto, as redes móveis e de fibra resilientes das operadoras atenderam às demandas de aumento do tráfego de dados, chegando a 50-100%. Os aumentos foram impulsionados pelo entretenimento doméstico e pelas comunicações domésticas do trabalho, como chamadas de vídeo e voz.

Lançamentos 5G

Embora 2020 tenha visto alguma desaceleração inicial nos novos lançamentos de 5G devido à pandemia, a atividade se recuperou e 113 operadoras móveis lançaram uma rede 5G em 48 países. A entidade prevê que as operadoras gastarão 80% do Capex do setor (US$ 890 bilhões) em redes 5G nos próximos cinco anos.

A adoção do 5G pelo consumidor atingirá 20% das conexões móveis globais até 2025. Dito isso, as taxas de adoção serão maiores entre os países na vanguarda do 5G: EUA, China, Coreia do Sul, Japão, Estados do Golfo, Austrália e partes da Europa.

A perspectiva de curto prazo em 2021 depende, em grande medida, da recuperação econômica frente a pandemia, dadas as pressões sobre a renda do consumidor. No entanto, uma queda contínua nos preços dos smartphones 5G ajudará. Na pesquisa de tendências de consumo global da GSMA Intelligence para 2020, 37% dos consumidores disseram que pretendiam atualizar para 5G, em comparação com 30% em 2019. Embora o aumento seja bem-vindo, também destaca o desafio para a indústria móvel de convencer o mercado de massa do valor de 5G em comparação ao 4G.

No setor corporativo, 56% das operadoras veem a manufatura como o maior potencial para 5G, atendida por uma mistura de Internet das Coisas (IoT), computação em Nuvem e redes privadas.

Open RAN aberta

Como uma nova geração de tecnologia, o 5G oferece às operadoras móveis a oportunidade de evoluir ou transformar a maneira como constroem redes móveis digitais. O timing do 5G também se alinha com a disponibilidade e comercialização de tecnologias de rede aberta, como Open RAN (Radio Access Network). Open RAN é uma mudança de paradigma na forma como as redes são criadas e operadas. Isso ajuda a indústria a reduzir custos e aumentar a agilidade para descompactar ativos de rede para monetizar casos de uso, como computação de borda. Também ajuda a aumentar a competição entre fornecedores de equipamentos de rede. O relatório indica que 57% das operadoras pretendem introduzir novos fornecedores em sua lista de parceiros de rede.

Ainda segundo o estudo, em 2025 o 4G representará 57% da base global de clientes móveis, de longe a maior parcela. A adoção de smartphones e 4G está aumentando em muitos mercados emergentes de alto crescimento. Por exemplo, na Índia, o segundo país mais populoso do mundo, a penetração de smartphones agora é de aproximadamente 70%, com 85% desses smartphones funcionando em redes 4G. A previsão é de que a tendência continuará nos próximos cinco anos, à medida que os preços dos smartphones caem e haja um aumento na disponibilidade de conteúdo local para tornar a internet mais relevante para os usuários.

Serviço
www.gsma.com

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos