Tecnologia

Mais da metade das organizações não estão preparadas para o trabalho remoto

A pesquisa ouviu 76 profissionais de TI sobre suas percepções em relação à segurança da informação e proteção de dados nos dias de hoje em um ecossistema digital complexo

A HLB Internacional, rede global de empresas independentes de consultoria e contabilidade, aproveitou o momento em que muitos profissionais têm trabalhado remotamente e preparou o Relatório de Cibersegurança da HLB 2020, com o objetivo de identificar e entender como as empresas lidaram com a questão da cibersegurança durante a pandemia.

A pesquisa ouviu 76 profissionais de TI sobre suas percepções em relação à segurança da informação e proteção de dados nos dias de hoje em um ecossistema digital complexo. Durante o período analisado, o estudo observou que 58% das organizações não estavam preparadas para o trabalho remoto.

Mais da metade, 53% dos profissionais, notaram atividades incomuns e tentativas de ataques em sua rede, já 12% confirmaram que a empresa havia tido informações violadas 

Por outro lado, 63% dos profissionais ouvidos relataram que, desde o início da pandemia, a empresa mudou algo em suas estratégias e protocolos de segurança cibernética para evitar e mitigar possíveis problemas. “Passamos por uma transformação digital forçosa e repentina e, apesar de muitas empresas terem seus protocolos de segurança da informação, em teoria, implantados, não havia um preparo para garantir a segurança em um ambiente de trabalho remoto. A partir de agora, as organizações começam a olhar com mais cuidado para essa questão e entender como poderão proteger informações confidenciais e sensíveis que seus colaboradores precisam acessar durante o período de home office”, comenta Rafael Variz, diretor de TI da HLB Brasil.

O levantamento também questionou os entrevistados se, desde o início da pandemia, as instituições em que trabalham sofreu algum tipo de tentativa de invasão cibernética. Mais da metade, 53% dos profissionais, notaram atividades incomuns e tentativas de ataques em sua rede, já 12% confirmaram que a empresa havia tido informações violadas.

Esta nova e desafiadora realidade trouxe diversos aprendizados para os trabalhadores ao redor do mundo. “Para a área de TI, é possível listar, ao menos, cinco lições aprendidas durante a pandemia: aprimorar o treinamento e suporte de cibersegurança, não esperar para preparar a infraestrutura de TI e protocolos de segurança, pensar em soluções de longo prazo, avaliar regularmente ameaças e vulnerabilidade na nuvem e falar sobre o risco cibernético deve ser uma tarefa para toda a organização, não uma responsabilidade exclusiva da área de TI”, diz Variz.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos