Artigos

Gestão inteligente de dados e disponibilidade: vantagens competitivas para fintechs e bancos digitais

Embora a transformação digital seja um movimento que está mudando todas as indústrias, o setor financeiro é um dos que mais está passando por modificações, inclusive bastante visíveis para os consumidores finais. Com o surgimento e consolidação das fintechs e mudanças nos regulamentos do setor para acomodar novas tecnologias e modelos de negócio, bancos tornaram-se digitais e novos serviços financeiros surgiram, modificando o comportamento de uso dos consumidores e tornando as contas bancárias mais acessíveis para a população em países em desenvolvimento, como o Brasil.

Sem estarem limitados a ir até às agências bancárias, os consumidores podem pagar contas, fazer transferências e utilizar outros serviços por meio de seus dispositivos móveis, onde quer que estejam, a qualquer hora do dia. De um ponto de vista tecnológico, para empresas que passam por essa transição e para aquelas que já nascem nesse mundo digital, dois fatores são essenciais para garantir a continuidade dos negócios e obter vantagens competitivas: a disponibilidade e a gestão inteligente de dados.

Ter disponibilidade significa que os serviços estarão sempre no ar para os consumidores, 24 horas por dia. Se não é mais necessário ir até uma agência bancária durante o horário comercial, é essencial que o site ou aplicativo das instituições financeiras funcione de maneira eficaz e veloz, uma vez que essa disponibilidade é um dos benefícios vendidos por elas. A velocidade, a simplicidade, e a eficácia são questões fundamentais para qualquer serviço digital e, no caso do setor financeiro, a criticidade de lidar com dinheiro, patrimônios e investimentos é ainda maior.

Uma parada nos sistemas de instituições financeiras, sejam elas tradicionais ou fintechs, pode ter consequências sérias para os negócios. Além de prejudicar os serviços e a satisfação dos consumidores, a indisponibilidade traz prejuízos financeiros e danos à integridade da marca. As empresas que não conseguirem atender às demandas e expectativas do mundo digital irão perder cada vez mais clientes e correrão o risco de se tornarem cada vez mais irrelevantes no mercado.

Nos últimos anos, a disponibilidade deixou de estar limitada ao backup e à recuperação, e ganhou um componente determinante para a continuidade dos negócios: a gestão inteligente de dados se tornou primordial como maneira eficaz de gerenciar o tempo de atividade dos sistemas.

Entre os fatores que contribuíram para a importância dos dados no setor financeiro, tendências como pagamento móvel, banco digital e open banking favoreceram seu hipercrescimento. Se antes, os dados já eram importantes para os negócios, hoje eles ocupam um nível mais alto em termos de criticidade, e por isso precisam ser gerenciados de forma inteligente. A gestão inteligente prevê que as empresas consigam usar as informações à sua disposição para entender melhor os clientes e suas preferências, otimizar as estratégias dos canais de venda para acomodar necessidades atuais, prover serviços melhores e reter clientes. Olhando para as perspectivas de crescimento de negócios, os dados também podem ser usados para encontrar maneiras de realizar vendas cruzadas e entregar novos serviços e experiências digitais.

É importante ter em mente que a inteligência na gestão de dados não se resume apenas em automação ou machine learning para gerar insights, mas inclui uma série de capacidades que visam a proteção dos dados, a garantia de que eles estejam sempre recuperáveis no caso de qualquer incidente e disponíveis em diferentes ambientes de nuvem, a visibilidade total para mais controle no uso, desempenho e operações, e a migração simples entre diversos ambientes. Essas práticas permitirão finalmente que os dados se autogerenciem, trazendo mais valor aos negócios.

Os bancos digitais e fintechs devem considerar a disponibilidade e a gestão inteligente de dados como ponto de partida para projetar seus sistemas, e não as deixar por último, como consequência. Uma abordagem que prioriza esses dois fatores leva empresas a se prepararem para um ambiente de negócios mais conectado que atende aos requisitos dos clientes.

Por Jorge Ribkin, country manager da Veeam Software no Brasil

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos