Tendências

Forcepoint: A relação da ciência cognitiva na cibersegurança

Historicamente, a relação entre a computação e a cognição surgiu há algum tempo, nos anos 1950, durante a revolução cognitiva, quando a ciência psicológica baseada no comportamento abraçou a mente e seus processos

Inteligência artificial, redes neurais, computação cognitiva e machine learning são alguns dos chavões aplicados à cibersegurança. Mas o que realmente significam? Os departamentos de marketing simplesmente reutilizam termos da ciência cognitiva para criar frases de efeito para chamar atenção da cibersegurança ou, na verdade, algo mais profundo está acontecendo?

Segundo Margareth Cunningham, principal cientista de pesquisa da Forcepoint, termos da ciência cognitiva não são rótulos arbitrários aplicados à cibersegurança. Historicamente, a relação entre a computação e a cognição surgiu há algum tempo, nos anos 1950, durante a revolução cognitiva, quando a ciência psicológica baseada no comportamento abraçou a mente e seus processos. Hoje, a ciência cognitiva é um domínio interdisciplinar em expansão que se sobrepõe a quase todos os aspectos da cibersegurança.

Para a cibersegurança, os princípios da psicologia nos permitem entender por que as pessoas são suscetíveis a ameaças como phishing e engenharia social, e como os sistemas são impactados pelo erro humano 

Para entender essa sobreposição, vale refletir sobre o pensamento. O que é preciso para pensar ou aprender? Depende apenas de um processo biológico que cada pessoa experimenta de forma isolada? É dependente da linguagem, de relacionamentos, experiências ou da personalidade?

O que descobrimos ao considerar as complexas influências biológicas e ambientais na cognição é que o campo da ciência cognitiva deve fundir e equilibrar insights de múltiplas disciplinas. Da mesma forma, a cibersegurança eficaz requer várias fontes e tipos de informações para construir uma compreensão dos sistemas de tecnologia e suas vulnerabilidades. Quando desafiada com a tarefa de proteger e compreender um sistema grande e cada vez mais distribuído, um único indicador de uma única disciplina não é adequado. Vamos explorar algumas definições básicas das disciplinas de ciências cognitivas, e como elas impactam tanto a ciência cognitiva quanto a cibersegurança.

A Psicologia aborda experiências humanas internas e externas, tanto como indivíduos como em grupos. Para a cibersegurança, os princípios da psicologia nos permitem entender por que as pessoas são suscetíveis a ameaças como phishing e engenharia social, e como os sistemas são impactados pelo erro humano.

• Aplicação na Cibersegurança: O foco emergente da cibersegurança na análise comportamental e na biometria também depende da psicologia, que está fortemente enraizada na mensuração e na compreensão do comportamento humano. Compreender a psicologia humana é fundamental para as investigações forenses, para a construção de perfis de ameaças internas e para estabelecer quando gerar alertas para ajudar na educação do usuário.

A Filosofia é uma exploração crítica da realidade e do conhecimento, que pode guiar os sistemas de crenças humanas sobre a existência, a aprendizagem, os sistemas sociais e a ética. A maneira como percebemos o mundo — e o que acreditamos — afeta profundamente nossos processos de pensamento, nossa capacidade de aprender e nossos comportamentos.

• Aplicação na Cibersegurança: Entender as ameaças, o uso de dados e o monitoramento, e até mesmo a existência e a localização dos adversários, são problemas filosóficos no campo da cibersegurança.

A Linguística é a exploração científica da linguagem. A linguística cognitiva-  circa 1970-  está diretamente ligada à ciência cognitiva e aborda tópicos relacionados à forma como a linguagem define o pensamento e a compreensão.

• Aplicação na Cibersegurança: A cibersegurança, muitas vezes, depende da linguagem e da compreensão do contexto comportamental através da linguagem. Por exemplo, a classificação de documentos e a compreensão de onde existem dados privados em uma rede podem ser suportadas através da mineração e da análise de textos. Além disso, o texto gerado pelos usuários pode identificar fatores de risco ou violações regulatórias.

A Antropologia é a exploração da humanidade, tipicamente através de uma lente cultural ou evolutiva. Sua relevância para a ciência cognitiva está na forma como os seres humanos constroem o conhecimento compartilhado, são engajados na interpretação de seus ambientes, e como o conhecimento define a forma como os seres humanos se relacionam e agem no mundo.

• Aplicação na Cibersegurança: A cibersegurança e as interações sociais on-line representam a vanguarda do trabalho antropológico. Conforme os ciclos de notícias recentes sugerem, nossas opiniões, comportamentos e compreensão dos eventos globais são fortemente moldados por nossas interações com a tecnologia. Os profissionais de cibersegurança, particularmente no domínio das mídias sociais, podem compreender melhor o comportamento de trolls e bots através da antropologia cultural e cognitiva.

A Inteligência Artificial é a simulação da inteligência humana em uma máquina e/ou computador. Seu objetivo é criar aprendizagem e raciocínio cada vez mais autônomos através de uma série de estratégias, incluindo reconhecimento de fala, processamento de linguagem natural – ver linguística e visão de máquina. As aplicações de IA podem ser específicas – por exemplo, construídas para suportar uma necessidade bem definida ou específica, ou amplas – por exemplo, construídas para lidar com situações menos familiares, não estruturadas ou tópicos com pouca intervenção humana.

• Aplicação na Cibersegurança: Os profissionais e estrategistas de cibersegurança estão continuamente lutando para entenderem como, quando e se é seguro usar a IA.

A Neurociência, mais especificamente a neurociência cognitiva, examina a biologia do pensamento e da cognição. Ela fornece uma compreensão profunda dos neurônios, dos circuitos neurais e das partes do cérebro que nos permitem os processos mentais.

• Aplicação na Cibersegurança: Na cibersegurança, a neurociência tem impactado profundamente o processamento de informações, design de redes, modelagem computacional e desenvolvimento de sensores — e continua a inspirar inovações na construção de ferramentas para melhorar a representação do conhecimento e do raciocínio em tecnologia.

Esperamos que isso revele as conexões entre a ciência cognitiva e a cibersegurança, e forneça insights sobre os esforços multidisciplinares da Forcepoint para entender as melhores soluções de cibersegurança centradas no ser humano. E, ainda, que tenha reconhecido quanto destes fatores afetam sua vida diária. Hey Siri, o que vem a seguir em cibersegurança?

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos