Canal de Distribuição

FireEye quer 100% das vendas indiretas no Brasil até o final de 2017

Companhia de segurança guiada por inteligência mira oportunidades no mercado latino americano de pequenas e médias empresas

“O ataque vai acontecer. As empresas precisam aceitar que onde há linha de códigos de programação, há suscetibilidade. A partir daí, é preciso focar no tempo de resposta. Essa é a chave”. O alerta é do VP para America Latina da FireEye, Robert Freeman. De acordo com o executivo, em tempos de ataques massivos e aumento de vulnerabilidade na internet, a abordagem estratégica da segurança da informação é mais do que necessária, é essencial.

“Quando se fala de segurança é preciso lembra que trata-se de minimizar riscos”, Robert Freeman

Produzido anualmente pela Mandiant, empresa do grupo FireEye, o relatório M-Trends 2017 apontou redução de 47,5% na quantidade de tempo que as empresas levam para ter conhecimento da violação de suas informações. Em 2015 eram 146, contra os 99 dias observados em 2016, o que ainda não é considerado ideal. Os setores da indústria mais visados pelos grupos ao redor de todo o mundo foram: financeiro (19%), varejo e hospitais (13%), high tech (10%), negócios, serviços, saúde e governos (9% cada). “O futuro da segurança é simplificar, integrar e automatizar”, diz.

Para ter uma segurança estratégia, Freeman pontua que o processo deve existir antes mesmo do software ser instalado no cliente. “É preciso que a segurança seja pensada na primeira etapa, na confecção dos hardwares e ainda na fábrica de software. Com a internet das coisas, muitos devices passarão a ser a porta de entrada”, destaca.

Para a FireEye, empresa de segurança guiada por inteligência, o Brasil é um importante mercado, apresentando índices de crescimento anual na casa dos 70%. Com uma das comunidades de segurança mais reconhecidas no mundo, Freeman avalia que o País ainda esbarra em budget e questões culturais quando o assunto é segurança estratégica. “Além da cultura de não achar que vai acontecer na sua empresa, o gestor ainda exige ROI de segurança. Quando se fala de segurança é preciso lembrar que trata-se de minimizar riscos”, afirma.

No Brasil desde 2013, a empresa tem hoje 8 pessoas para atender ao mercado local. Com as vendas 30% indiretas, a empresa traçou como meta chegar a 100% até o final deste ano. No mundo, a estratégia de ser 100% indireto deve se concretizar até o final de 2018. O canal da FireEye possui a Westcom e a Network1 Scansource como distribuidores e 25 parceiros divididos nas categorias Silver, Gold e Platinum no programa FireEye Fuel Program. Segundo Richard McElroy, gerente de Canais da FireEye no Brasil, a companhia segue na busca de novos parceiros.

O mercado latino americano de pequenas e médias empresas é o foco da estratégia para a região. Com a carteira de clientes formada por basicamente grandes empresas, McElroy conta que a empresa dedicou nos últimos anos investimentos em marketing e treinamentos dos parceiros para fortalecer a atuação conjunta com eles. “Contratamos um profissional de engenharia de pré-vendas para atuar exclusivamente com os parceiros. Além disso, fazemos eventos presenciais e online a cada duas semanas”, diz.

O esforço de marketing tem o objetivo de aumentar as vendas da plataforma Helix. A Helix dispõe de mais de 300 integrações de tecnologia com ferramentas básicas de segurança em uso pelos clientes, incluindo firewalls de próxima geração, antivírus e SIEMs. Assim como promove um ecossistema de tecnologias de segurança avançadas – todas centralizadas em uma única interface de gerenciamento e análise projetada por e para profissionais de segurança. O preço e a implantação também foram simplificados por meio de um modelo de assinatura “as-a-service” de baixo custo, que se adapta de forma flexível aos negócios de uma organização.

Aos parceiros, a FireEye Helix fornece uma plataforma para unificar todo o programa de operações de segurança de seus clientes e obter valor adicional de sua infraestrutura de segurança atual. Estes podem utilizar seus conhecimentos sobre os ambientes de seus clientes e auxiliar na implementação, bem como criar playbooks de orquestração para automatizar tarefas de resposta de nível baixo, que anteriormente exigiam tempo dos analistas especialistas. A Helix também permite que os clientes escolham a forma de gerenciar suas operações: diretamente, via parceiro ou a própria FireEye, o que inclui a capacidade de intervir no momento exato em que um evento de segurança esteja além da capacidade ou experiência do cliente.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos