Carreira Destaque

Como se tornar um cientista de dados?

Na era digital, a infinidade de dados gerados pelas empresas e seus clientes é um instrumento valioso para "reduzir as dores" do negócio e promover um crescimento consistente

Falar que o cientista de dados é a profissão do futuro pode parecer um clichê, mas está longe de ser uma afirmação falsa ou exagerada. A pesquisa “Profissões Emergentes”, do LinkedIn , aponta que o cientista de dados é um dos 15 cargos que tendem a crescer mais no Brasil em 2020. Para se ter uma ideia do papel da inovação nesse cenário, dentre as 15 profissões destacadas, nove são relacionadas ao setor de tecnologia.

O cientista de dados é um profissional que alia a capacidade técnica de coletar e apurar informações, ou seja, dominar a tecnologia e transformá-la em insights eficazes para o negócio. A boa notícia é que a ciência de dados ainda é um setor a ser amplamente explorado. Quem quiser se especializar nessa área será um ativo valioso no mercado.

“O cientista de dados precisa saber interagir com as pessoas, fazer as perguntas certas para as pessoas certas, e acima de tudo ter noções de desenvolvimento humano. Afinal, os dados são gerados pelo ser humano e para o ser humano”  

“O cientista de dados ajuda o negócio a antever necessidades e futuras ações. Ou seja, não se olha somente para dados do passado. Seu papel é formular hipóteses e prever comportamentos, melhorando os serviços para o usuário e para a sociedade”, diz Fábio Meneghim, gerente de vendas da Hitachi Vantara.

Afinal, o que uma pessoa precisa para se tornar um cientista de dados? Confira algumas dicas a seguir:

1. Entenda o negócio da empresa
Num primeiro momento, o cientista de dados não precisa ter amplo conhecimento técnico. Ou seja, não é tão necessário ser um profissional de TI para iniciar uma carreira no setor. Antes de tudo, o essencial é mergulhar no modelo de negócios da companhia, conhecer os detalhes, o comportamento dos clientes e parceiros, os dados e métricas que permitem uma análise da situação verdadeira do negócio. Isso significa que o cientista de dados precisa ser um expert na sua empresa.

Aliado a esse conhecimento do negócio, vale ressaltar que é essencial ter bons conhecimentos de Estatística e Matemática, afinal a construção de algoritmos é a base da ciência de dados. Ou seja, se você sabe muito do seu negócio mas ainda não tem tanta facilidade com os números, é hora de buscar essa formação e se diferenciar no mercado.

2. Cultive relacionamentos e se comunique bem
Aquele velho estereótipo do profissional de tecnologia que fica no canto do escritório, calado, com várias telas de computador à frente e em silêncio absoluto durante o expediente não se aplica ao cientista de dados. Comunicar-se bem é essencial. Afinal, o cientista de dados precisa estar em contato direto com a diretoria da empresa e os times de marketing e vendas para compreender as dificuldades e necessidades do negócio e quais dados deverão ser analisados para se chegar a um algoritmo.

“O cientista de dados precisa saber interagir com as pessoas, fazer as perguntas certas para as pessoas certas, e acima de tudo ter noções de desenvolvimento humano. Afinal, os dados são gerados pelo ser humano e para o ser humano”, afirma Fábio Meneghim.

3. Busque formação técnica em cursos
A apuração e análise de dados requer alguns conhecimentos técnicos específicos. O cientista de dados precisa dominar linguagens como Phtyon, SDL e R, e isso pode ser alcançado em cursos como os oferecidos pela Data Science Academy e pela Udemy .

Outro diferencial é ter noções de BI (Business Intelligence), que permitem uma análise mais profunda de dados passados da empresa para a construção de hipóteses e insights futuros em sotfwares como o Pentaho , da Hitachi Vantara. Isso tudo, é claro, somado à capacidade de lidar com bancos de dados e informações de diversas fontes, como CRM, ERP, sistema fiscal, sistema de vendas, SPC, Serasa, IBGE, etc.

“Em meio a essa tendência de automatização de vários processos nas empresas com o machine learning e a Inteligência Artificial, a ciência de dados adquire um papel cada vez mais importante. Afinal, apenas o ser humano tem a capacidade de analisar informações e construir hipóteses a partir delas”, aponta Meneghim.

Serviço
http://www.hitachivantara.com
http://www.hitachi.com

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos