Tendências

Como a pandemia mudou o mercado de seguros

Estudo da Accenture revela que consumidores querem um seguro cibernético pessoal que atenda suas necessidades

A Accenture divulgou recentemente o estudo Three ways Covid-19 changing insurence (Três maneiras que a Covid-19 está mudando o seguro), que entrevistou mais de 47 mil consumidores em todo o mundo, inclusive no Brasil. O objetivo foi entender como a experiência dos consumidores e as expectativas dos produtos e serviços de seguro mudaram durante a pandemia e se isso pode ser permanente. Entre as conclusões, por exemplo, três em cada quatro consumidores (76%) gostariam de ter assistência de sua seguradora para lidar com ameaças cibernéticas, visto que a pandemia levou mais consumidores a atividades online.

Com as pessoas gastando mais tempo online, a pandemia aumentou o risco de ataques cibernéticos e fraudes. Isso está levando os consumidores a procurarem soluções além das tradicionais de roubo de identidade. O relatório constatou que eles estão preocupados com questões de identidade e proteção de dados pessoais, com um em cada cinco (20%) dizendo que temem que seus dados sejam roubados.

Os consumidores nos dizem que desejam ser recompensados ​​por bom comportamento e que seus prêmios reflitam com mais precisão como vivem suas vidas e se mantêm seguros

“Estamos no início de um novo movimento em seguro cibernético pessoal”, afirmou Kenneth Saldanha, que lidera o grupo da Indústria de Seguros da Accenture globalmente. “A pandemia teve um impacto profundo na vida dos clientes, o que provavelmente realinhará suas expectativas em relação às seguradoras para ajudá-los em um mundo mais vulnerável e digital. As seguradoras estão reimaginando seu papel na vida de seus clientes, ajudando a lidar com incidentes cibernéticos e construir em sua confiança de longa data com os clientes para garantir que sintam que sua identidade e dados pessoais estão protegidos”, disse o executivo.

O relatório também conclui que, como a pandemia interrompeu significativamente o trabalho com as restrições para ficar em casa, os consumidores esperam mudanças de longo prazo em suas vidas, o que gera novas demandas de sua seguradora. Mais da metade (56%) dos entrevistados que podem trabalhar em casa disseram que esperam fazê-lo com mais frequência no futuro. E como os lares são agora o epicentro de sua vida profissional, mais da metade (53%) dos entrevistados disseram que estariam interessados ​​em um seguro cibernético residencial, em que os prêmios estariam vinculados ao uso de software atualizado de proteção contra vírus.

“Com mais pessoas trabalhando remotamente, as seguradoras devem proteger as casas de seus clientes não apenas como ativos físicos, mas também como ativos digitais”, disse Saldanha. “As seguradoras devem desempenhar um papel central, ajudando a prevenir ameaças cibernéticas em primeiro lugar. Os consumidores nos dizem que desejam ser recompensados ​​por bom comportamento e que seus prêmios reflitam com mais precisão como vivem suas vidas e se mantêm seguros”, comentou.

Serviço
www.accenture.com

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos