Destaque Mercado

Cinco tendências tecnológicas para transformar o trabalho em 2020

A rápida adoção de tecnologias emergentes, como Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning (ML) - juntamente com ecossistemas de dados confiáveis, equipes interconectadas e evangelistas tecnológicos - promete produzir novos níveis de eficiência, produtividade e crescimento da força de trabalho nas empresas

Cinco tendências tecnológicas estão preparadas para transformar o futuro do trabalho a partir de 2020, anunciou a DXC Technology, como parte de sua previsão anual.

“A noção de produtividade acelerada forçará as empresas a repensar suas decisões e investimentos em tecnologia em toda linha tecnológica da empresa, que, por sua vez, promoverá uma mudança radical na forma como as empresas são lideradas e estruturadas, vão tomar decisões e envolver funcionários e clientes”. disse Dan Hushon, vice-presidente sênior e diretor de tecnologia da DXC.

Em 2020, as empresas reconhecerão que alcançar todo o seu potencial significa desenvolver e nutrir uma rede de equipes interconectadas e de alto desempenho, compostas por indivíduos multidimensionais, em vez de grupos isolados de superestrelas  

“Os evangelistas tecnológicos definirão novas interações entre a IA e as pessoas para criar equipes de alto desempenho e moldar estratégias digitais que liberam todo o potencial de uma organização – modernizando aplicativos com segurança e confiança, otimizando arquiteturas de dados e movendo cargas de trabalho para a nuvem para produzir novas e melhores resultados de negócios”, completou o executivo.

Hushon identificou cinco tendências impulsionadas pela tecnologia para o futuro do trabalho a partir 2020:

1. IA redefine serviços profissionais
O uso generalizado de IA e ML nos negócios está revolucionando profissões em áreas como jurídico, contabilidade, saúde e educação, democratizando o acesso a dados e serviços especializados. A IA está estendendo a customização e serviços personalizados a uma ampla base de clientes por meio de agentes inteligentes de baixo custo. Além disso, a IA beneficia os profissionais na tomada de decisões, pois pode fornecer novas ideias, gerenciar a sobrecarga de informações e reduzir o erro humano.

Hushon observou que, embora a IA e a ML democratizem os serviços profissionais, as organizações devem permanecer vigilantes para se proteger contra a perda potencial de habilidades críticas, enquanto usam sistemas de suporte a decisões cada vez mais sofisticados e baseados em IA.

“À medida que esses sistemas de apoio à decisão se tornam mais sofisticados, as empresas precisam continuar desenvolvendo habilidades críticas nas organizações”, disse Hushon. “Além disso, as empresas devem se proteger contra conseqüências não intencionais treinando as pessoas para detectar e corrigir rapidamente preconceitos impróprios ou comportamentos inseguros da Inteligência Artificial. No geral, a IA iluminará a inteligência oculta nos sistemas, capacitará os consumidores e complementará a experiência profissional. ”

2. O design thinking muda de serviços de TI para pessoas para serviços de TI para máquinas
O design thinking dos sistemas está mudando à medida que os serviços de TI estão sendo construídos cada vez mais para a interação máquina a máquina – e à medida que o processamento se aproxima de onde os dados residem. Isso expandirá ainda mais “The Matrix” – a infraestrutura de TI inteligente e abrangente, além da nuvem, que inclui computação de ponta, plataformas de Internet das Coisas (IoT), machine learning, realidade aumentada / realidade virtual e muito mais. Ele dará início a novas opções de design e arquiteturas transformacionais e levará as empresas a buscar mais agressivamente a modernização da TI.

“Microprocessadores capazes de tomar decisões em nanossegundos, arquiteturas e análises de processamento em fluxo e em lote que se deslocam para a borda da rede (onde estão os dados) – tudo isso permitirá que as empresas tomem decisões melhores, mais rápidas e baseadas em dados e com melhor relação custo-benefício”, Hushon adicionou Hushon.

3. O valor dos dados aumenta nos ecossistemas
As empresas estão reunindo dados nos ecossistemas para alcançar resultados que beneficiam tanto o indivíduo quanto a empresa. Os ecossistemas de dados florescem à medida que adotam mecanismos de confiança que validam o direito de compartilhar de um indivíduo e o direito de consumir de uma empresa. Os padrões de identidade autossoberana e o consentimento baseado em blockchain com parceiros comerciais, por exemplo, estão ajudando a facilitar o compartilhamento de dados responsável e a impulsionar o rápido crescimento das trocas de dados.

“À medida que esses recursos se tornam mais difundidos, fabricantes, provedores de serviços e consumidores estarão mais dispostos a compartilhar dados em trocas e ecossistemas”, explica Hushon. “Por sua vez, os CEOs procurarão identificar e buscar modelos de negócios e parceiros comerciais centrados no ecossistema que implementem práticas confiáveis e compatíveis de compartilhamento de dados”.

4. Equipes, e não estrelas, são os de alto desempenho
Em 2020, as empresas reconhecerão que alcançar todo o seu potencial significa desenvolver e nutrir uma rede de equipes interconectadas e de alto desempenho, compostas por indivíduos multidimensionais, em vez de grupos isolados de superestrelas.

As empresas se reestruturam para expandir os vínculos da equipe em toda a organização. A mudança de indivíduos superstar para equipes de alto desempenho exigirá novas estratégias para aquisição e desenvolvimento de talentos.

Segundo Hushon, “as empresas enfatizarão mais a comunicação, a adaptabilidade e o poder de tomada de decisão; experiência dupla em negócios e tecnologia; e ferramentas de colaboração que promovem produtividade e aprendizado “.

5. Nova onda de líderes conhecedores de tecnologia acelera a transformação dos negócios
Uma mudança na liderança dos negócios ganhará impulso em 2020, à medida que os mercados orientados à tecnologia proliferarem e novos líderes advogarem tecnologias que possam melhorar a velocidade da empresa, agilidade, produtividade e vantagem de inovação.

“Os evangelistas tecnológicos emergentes trabalharão no nível CXO para moldar a estratégia digital. Ao mesmo tempo, irão liderar importantes iniciativas com produtos inteligentes, fusões e aquisições, desenvolvimento de propriedade intelectual e iniciativas de aprendizado para transformações, valor e resultados acelerados dos negócios ”, conclui Hushon.

Serviço
www.dxc.technology

 

 

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório

Agenda & Eventos