book_icon

Oportunidades para o Canal da Palo Alto Networks estão na Nuvem e em IA

A empresa de segurança divulgou os resultados de um estudo com 2,8 mil executivos e profissionais de cibersegurança de dez países, inclusive o Brasil, que revelou tendências e insights do setor

Oportunidades para o Canal da Palo Alto Networks estão na Nuvem e em IA

Proteção de dados na Nuvem e os impactos da Inteligência Artificial. Estes serão os dois temas principais da edição brasileira do Ignite On Tour, evento da Palo Alto Networks focado em estratégias de segurança cibernética e redes, que acontece hoje em São Paulo. “Estamos vivendo um momento único de transformação, que passa pela Nuvem e pela Inteligência Artificial, e consequentemente pela transformação das estratégias das empresas. Isso tudo impacta diretamente os Canais da Palo Alto, que precisam ser instrumentalizados e capacitados para que possamos, juntos, ajudar os clientes a se tornarem mais seguros. Existe um compromisso muito grande nosso de tornar as empresas brasileiras mais seguras para que possam competir de uma forma global”, disse Marcos Oliveira (foto), country manager da Palo Alto Brasil.

No evento, a Palo alto estará apresentando as descobertas do estudo The State of Cloud-Native Security Report 2024. De acordo com o relatório, no ano passado, 59% das organizações pesquisadas, que incluem empresas dos principais setores como produtos e serviços de consumo, energia, tecnologia, telecomunicações, serviços financeiros e saúde, investiram mais de US$ 10 milhões em Nuvem. No Brasil, esse percentual foi de 61%, mais do que a média mundial.

Em relação à IA, o estudo mostrou que ter código gerado por Inteligência Artificial é a principal preocupação de segurança na Nuvem para 44% dos entrevistados devido a vulnerabilidades imprevistas e possíveis exploração. Como os algoritmos criam software de forma autônoma, a falta de supervisão humana pode levar a falhas de segurança não detectadas. Além disso, o rápido desenvolvimento de código gerado por IA pode ultrapassar os métodos tradicionais de teste de segurança, aumentando a probabilidade de vulnerabilidades.

De acordo com o relatório, as organizações estão em diferentes estágio na adoção da IA. Metade dos entrevistados (50%) usam IA para gerar e otimizar códigos. O Brasil se posiciona como terceiro país que mais adota essa prática (57%), ficando atrás apenas de Cingapura (60%) e Índia (58%).

Os riscos associados às APIs também estão entre os principais listados pelos entrevistados. Sendo gateways para troca de dados e integração de aplicativos, as APIs podem permitir acesso não autorizado, expondo dados confidenciais e criar vulnerabilidades para ataques cibernéticos. “Os brasileiros são os que mais expressam essa preocupação (52%%). Estamos acima da média global (43%). Isso se deve à maturidades das empresas brasileiras, já que na América Latina, o Brasil foi um dos primeiros a irem para a Nuvem”, disse Oliveira.

À medida que o conhecimento sobre a tecnologia de IA avança, o seu uso para ataques impulsionados por essa popularidade aumenta também. A terceira maior preocupação dos executivos entrevistados é o uso da IA como arma para um ataque mais sofisticado e direcionado, dificultando o planejamento e a defesa (38%).

O gerenciamento inadequado de acesso à Nuvem é citado como uma preocupação por 35% dos respondentes, enfatizando os desafios que as organizações enfrentam para controlar quem tem acesso à Nuvem.”Tais preocupações são particularmente graves em regiões como a América Latina, onde 44% dos entrevistados citam que possuem necessidade de implementar soluções eficazes de gerenciamento de acesso”, disse Bert Milan, vice-presidente regional de Vendas par Caribe e América Latina da Palo Alto Networks.

Aposta na IA

A Palo Alto Networks vem apostando em IA generativa em seus produtos. Recentemente a empresa apresentou três novos copilots que combinam o poder da IA generativa com uma coleção proprietária de tecnologias de segurança cibernética de alta precisão. O Strata Copilot, o Prisma Cloud Copilot e o Cortex Copilot estão perfeitamente incorporados em cada uma das principais plataformas de segurança da Palo Alto Networks. Estes assistentes de última geração, alimentados pela tecnologia Precision AI, ajuda a eliminar a complexidade nas operações diárias e melhore drasticamente a produtividade das equipes de segurança.

O Precision AI é uma abordagem inovadora e proprietária da Palo Alto Networks para IA, que combina GenAI juntamente com recursos de aprendizado de máquina (ML) e aprendizado profundo (DL) para criar assistentes mais eficazes, aproveitando dados abrangentes e manuais comprovados para oferecer automação guiada e insights acionáveis. Com o Precision AI, os copilots se tornam assistentes mais eficazes, aproveitando dados ricos e playbooks comprovados para oferecer insights acionáveis, automação e ações guiadas.

 

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.