book_icon

Vendas de smartphones cresceram 26% na AL no primeiro trimestre, diz Canalys

A melhoria das condições econômicas, juntamente com níveis de estoque de Canais mais saudáveis e a atualização de dispositivos comprados na pandemia justificaram o crescimento

Vendas de smartphones cresceram 26% na AL no primeiro trimestre, diz Canalys

A pesquisa mais recente da Canalys destaca um boom sustentado no mercado latino-americano de smartphones, com as remessas aumentando 26% ano a ano, para 34,9 milhões de unidades no 1º trimestre de 2024. Este é o terceiro trimestre consecutivo de crescimento de dois dígitos. A Samsung manteve sua posição de liderança, reforçada pelas fortes vendas de sua série A econômica, testemunhando um aumento de 6% para 11,1 milhões de unidades.

A Motorola manteve o segundo lugar no ranking com um modesto crescimento de 1%, chegando a 5,9 milhões de unidades. Xiaomi, Transsion e Honor também demonstraram taxas de crescimento robustas de 45%, 215% e 293%, respectivamente, solidificando suas posições entre os cinco principais fornecedores com vendas de 5,3 milhões, 3,4 milhões e 2,6 milhões de unidades.

Embora os recursos avançados de IA generativa sejam centrais para as estratégias de marketing e produto para dispositivos high-end, essas tecnologias são mais lentas para se tornarem acessíveis nos segmentos de mercado de médio a baixo padrão que dominam a região

“A melhoria das condições econômicas, juntamente com níveis de estoque de Canais mais saudáveis e um ciclo de atualização para dispositivos comprados durante a pandemia, desempenharam um papel crucial na sustentação do ímpeto de crescimento do mercado latino-americano de smartphones”, disse Miguel Perez, consultor sênior da Canalys. “Esse ressurgimento da demanda é generalizado, com nove dos dez principais fornecedores experimentando um crescimento anual significativo no 1º trimestre de 2024.

Particularmente notável é o forte desempenho nos segmentos de preços de gama baixa a média, onde os modelos mais vendidos incluem a série A low-end da Samsung, a série Redmi da Xiaomi e a série G da Motorola. A intensa concorrência não só beneficia os consumidores ao oferecer uma variedade de opções, mas também impulsiona os fornecedores a inovar e se distinguir enquanto se preparam para uma potencial desaceleração do mercado. Estratégias como abrir mais lojas de marca, aprimorar plataformas de vendas online e expandir a presença em locais de varejo físico são fundamentais à medida que os vendedores se esforçam para se destacar em um mercado lotado”, observou.

“Vários fornecedores na América Latina, experimentando um forte crescimento, estão ampliando seus ecossistemas de produtos para garantir e expandir suas posições de mercado”, detalhou Perez. “Produtos como pulseiras vestíveis, TWS e tablets não são projetados apenas para diversificar as ofertas, mas também para cativar o interesse do consumidor e diferenciar as marcas. Tais estratégias visam escalar receitas e fidelizar clientes no longo prazo. No curto prazo, no entanto, esses produtos do ecossistema são mais propensos a aumentar a visibilidade da marca e aparecer com destaque em campanhas promocionais e pacotes. Esse foco em dispositivos do ecossistema apresenta uma oportunidade significativa, em sua maioria inexplorada, no mercado latino-americano, onde a taxa de adoção desses dispositivos por smartphone vendido ainda é baixa em comparação com as médias globais. No futuro, é crucial que os fornecedores mantenham o valor de seus ecossistemas, evitando as armadilhas de minar o valor de longo prazo para ganhos de vendas de curto prazo”, comentou.

Na América Latina, continuou Perez, os recursos e capacidades de IA são cada vez mais fundamentais nas estratégias de marketing de smartphones, mas a predominância de smartphones de preço mais baixo representa um desafio único. “Embora os recursos avançados de IA generativa sejam centrais para as estratégias de marketing e produto para dispositivos high-end, essas tecnologias são mais lentas para se tornarem acessíveis nos segmentos de mercado de médio a baixo padrão que dominam a região. No 1º trimestre de 2024, por exemplo, apenas 7% dos smartphones vendidos custavam US$ 800 ou mais, enquanto 82% custavam abaixo de US$ 400. Consequentemente, embora as campanhas de marketing possam criar altas expectativas com recursos de IA de ponta, é crucial que os fornecedores garantam que essas expectativas estejam realisticamente alinhadas com os recursos de modelos de preço mais baixo para evitar a desilusão do consumidor e os altos custos associados à tentativa de atualizar e vender mais dentro deste mercado sensível ao preço”, finalizou.

 

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.