book_icon

Tecnologia de código aberto colabora na aceleração das cidades inteligentes

Soluções Open Source permitem implementar estratégias flexíveis para construir infraestruturas prontas para o futuro

Tecnologia de código aberto colabora na aceleração das cidades inteligentes

Monitoramento de ruas e avenidas, alertas para condições climáticas, economia de energia, alternativas de escoamento de veículos em horários de pico. Esses são apenas alguns exemplos do que cidades inteligentes têm a oferecer. Apoiadas em tecnologia de ponta alimentada por Dados, as smart cities já provaram que são a melhor alternativa para um futuro sustentável. Por conta disso, em meio ao desenho de uma nova economia global, o desenvolvimento de modelos escaláveis de cidades inteligentes têm voltado ao centro das discussões em todo o mundo.

De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), uma cidade inteligente pode ser definida como um espaço que potencializa a digitalização para aumentar o bem-estar dos cidadãos e fornecer serviços e ambientes urbanos mais eficientes, sustentáveis e inclusivos, como parte de um processo colaborativo. O modelo tem potencial de criar cerca de US$ 1,6 trilhão de valor adicional em todo mundo até 2025, segundo estimativas da McKinsey.

Especialmente na América Latina, onde cerca de 80% da população vive em centros urbanos, de acordo com Dados da CEPAL, as smart cities parecem ser caminho mandatório. Não à toa, diversos países da região vêm investindo no desenvolvimento desses projetos, com bons exemplos de cidades inteligentes, como é o caso de Santiago, no Chile; Bogotá, na Colômbia; Curitiba, no Brasil; e Cidade do México, no México. O desafio, agora, é buscar formas de acelerar e escalar esse modelo.

Monitoramento de ruas e avenidas, alertas para condições climáticas, economia de energia, alternativas de escoamento de veículos em horários de pico- são apenas alguns exemplos do que cidades inteligentes têm a oferecer

Cidades inteligentes e abertas
Se os primeiros projetos de cidades inteligentes foram limitados pela tecnologia da época, hoje as iniciativas atuais contam com uma ampla gama de opções. Tecnologias emergentes como Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial e aprendizado de máquina (IA/ML), processadas com o auxílio do 5G, da computação em Nuvem e da Edge Computing, têm contribuído para identificar e remediar rapidamente problemas que impactam a satisfação do cidadão e a sustentabilidade.

“Antes de uma cidade se tornar inteligente, ela precisa estar conectada. A infraestrutura digital subjacente deve estar em vigor, incluindo uma rede de sensores e dispositivos de coleta de dados, redes abrangentes de banda larga e sem fio e plataformas nas quais os Dados podem ser armazenados e compartilhados. Para coordenar tudo isso de maneira simplificada e efetiva, as soluções de código aberto são fundamentais”, explica Thiago Araki, diretor de Tecnologia e GTM da Red Hat para a América Latina.

Aproveitar o software Open Source, implementar padrões abertos e usar uma estratégia de dados também abertos oferece aos municípios a flexibilidade de que precisam para construir infraestruturas de tecnologia prontas para o futuro. “Uma estratégia de código aberto permite que você mantenha suas iniciativas de cidade inteligente a longo prazo porque, ao invés de comprar uma solução de ‘cidade inteligente na caixa’, oferecida por um único fornecedor, você pode conectar diferentes sensores e componentes de padrões abertos e protocolos de comunicação. E vai funcionar”, afirma Paulo Ceschin, diretor de vendas da Red Hat Brasil.

Tecnologia ao alcance de todos
Na prática, o que torna uma cidade inteligente é a interconectividade entre dispositivos IoT e sensores Edge que permite que tudo funcione com base em dados e em tempo real, de forma a melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e a eficiência dos serviços. Na construção das smart cities, o 5G é uma tecnologia que impulsiona muitos casos de uso e, principalmente, serviços de missão crítica, que exigem altas velocidades e baixa latência. Toda essa conectividade é viabilizada por software, integrando diferentes ambientes, Nuvens e aplicações. “Com uma infraestrutura de código aberto estável, flexível e escalável, as cidades podem criar plataformas de IA e edge que possibilitam processar os dados de forma rápida e eficiente em diferentes ambientes”, diz Alejandro Raffaele, head de TME (Telecommunication, Media and Entertainment) da Red Hat para a América Latina.

Neste contexto, a Nuvem híbrida aparece como uma importante opção para alimentar a cidade inteligente. “A Nuvem híbrida pode abranger uma ou mais Nuvens públicas, Nuvens privadas, Data Centers e dispositivos de Edge instalados perto de rodovias, prédios da cidade e centros de transporte. Isso vai permitir um gerenciamento mais eficiente dos Dados e, por consequência, entregas mais ágeis e seguras”, pontua Germán Soracco, VP de Vendas e Cloud para a América Latina na Red Hat.

Por ser uma solução aberta, diversas pessoas estão atentas a ela, fazendo constantes melhorias, o que auxilia na segurança. “Essa vantagem pode beneficiar muito os projetos de smart cities. A adição de diversos dispositivos conectados aumenta a superfície de ataque de TI de uma cidade”, complementa Paulo Ceschin. O código aberto anda de mãos dadas com metodologias ágeis e DevSecOps. Esse alinhamento significa que, não somente a segurança é mais alta, como os ciclos de desenvolvimento de aplicativos tendem a ser mais curtos e os lançamentos mais frequentes, melhorando a experiência dos cidadãos.

Além disso, dados os orçamentos limitados dos municípios, o Open Source oferece uma proposta de alto valor agregado por um excelente custo-benefício. “Sua maior contribuição está em uma arquitetura modular, robusta e reutilizável. Em vez de cada cidade reinventar a roda, uma abordagem aberta incentiva os participantes a reutilizar as inovações desenvolvidas em outros lugares, economizando tempo e esforço”, indica Paulo Bonucci, SVP e General Manager da Red Hat para a América Latina.

Recentemente, a companhia trabalhou em conjunto com outras empresas para desenvolver uma plataforma orientada por propósito, para criar um ambiente de nuvem fácil de implantar, altamente escalável, pronto para produção e nativo, focada em smart cities. Implementada em diversas cidades da Espanha, a plataforma está disponível para que outros municípios ou organizações façam contribuições. “É uma maneira inteligente, colaborativa e eficiente de acelerar a criação de cidades inteligentes e impactar positivamente a sociedade”, finaliza Bonucci.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.