book_icon

Processo de criação de hardware oferece qualidade e personalização aos negócios

Em casos específicos, produzir esse produto tecnológico pode garantir particularidades e recursos mais precisos 

Processo de criação de hardware oferece qualidade e personalização aos negócios

O ecossistema da indústria de produção eletrônica, como um todo, é pouco desenvolvido no Brasil. Esse fator traz diversos desafios para a nacionalização de produção de hardware próprio. Pensando nisso, Igor Vazzoler, fundador e CEO da Progic, empresa do segmento de Comunicação Interna com foco em TV corporativa, mesmo sentindo de perto essa dificuldade, foi na contramão do mercado e partiu para o desenvolvimento de um equipamento próprio, com tecnologia pioneira e particularidades e recursos voltados para o setor corporativo.

“No nosso caso, especificamente para o mercado de TV Corporativa voltado para gestão e comunicação interna, os equipamentos geralmente ficam ligados 24 horas por dia, 7 dias por semana, o que requer de seus componentes qualidade e vida útil superior em relação aos equipamentos de uso doméstico, além de diversos aspectos para garantir a segurança e a operação ininterrupta, por isso, foi preciso voltar nossos esforços para desenvolver nosso próprio equipamento”, explica Vazzoler, engenheiro eletrônico e responsável por liderar o desenvolvimento do único player de TV Corporativa brasileiro.

Ao contrário do que foi realizado pela Progic, importar o produto pronto pode ser feito por um custo menor, porém há diversas vantagens em desenvolver e produzir o próprio equipamento, principalmente no que diz respeito à qualidade do produto final e aos recursos específicos do dispositivo.

“Ao longo da minha carreira, já tive algumas experiências em desenvolvimento de hardware antes de fundar a Progic, por isso, a decisão de criar o equipamento para a nossa solução de TV Corporativa foi a mais natural para nós, ao contrário do que é feito pela grande maioria das empresas brasileiras. Posso dizer que garantimos a qualidade e a personalização das funções deste dispositivo”, conta o fundador.

Com a experiência que deu certo, o fundador da Progic explica que existem três etapas para o desenvolvimento de um hardware. O primeiro é a elaboração do projeto eletrônico, contendo o esquemático e, posteriormente, a placa de circuito impresso (PCB). “Nós usamos os componentes eletrônicos que farão parte do produto, como circuitos integrados, conectores, componentes passivos e são realizadas as conexões entre todos esses elementos”, diz o especialista.

Depois, parte-se para a etapa de prototipagem, em que poucas unidades são produzidas para a realização de diversos testes funcionais e de estresse para validar o correto funcionamento do produto eletrônico e garantir a segurança do equipamento. “Nesta etapa também é feito as homologações do produto junto aos órgãos competentes”, finaliza Vazzoler.

Após a validação do hardware, e a realização de possíveis ajustes, é a hora da etapa de produção em escala. Neste momento, as máquinas especializadas são utilizadas para dispor e soldar cada componente do hardware na PCB, como a SMT Stencil Printer, Pick and Place e forno de refusão SMD. Após isso, as placas são colocadas em suas carenagens e passam por uma bateria de testes gerais para garantir a qualidade do produto.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.