book_icon

UiPath lista sete tendências em automação de processos para 2023

CIOs desempenharão um papel ainda mais crucial nas empresas, trabalhadores precisarão ampliar suas competências digitais, plataformas Low code serão cruciais e a IA alcançará mais pessoas

UiPath lista sete tendências em automação de processos para 2023

A UiPath, empresa de software de automação empresarial, analisou as perspectivas de clientes, parceiros, equipes globais de produtos, vendas e marketing, além de pesquisas próprias e de instituições como Gartner, IDC, Deloitte, McKinsey & Company, entre outros, para listar as sete tendências em automação para 2023. Confira a seguir:

A automação torna-se a nova forma de a empresa operar e inovar

Segundo a UiPath, a automação tende a se tornar prioridade estratégica para as empresas em 2023, inserida nas agendas de CIOs, CFOs e também CEOs. “Em todos os países temos visto que as grandes lideranças das corporações já estão abraçando todo o potencial da automação, encorajando seus times a tirarem o máximo proveito da tecnologia”, avalia Edgar Garcia, VP da UiPath para a América Latina.

De acordo com as projeções da empresa, a automação sai dos silos, isto é, deixa de ser usada para resolver “problemas isolados” e é incorporada, de fato, à operação. Segundo levantamento, as empresas que aderem à automação por completo registram aumento de 40% em produtividade e eficiência, além de melhorias na operação de modo geral.

Robôs poderão “ler” e “entender” uma variedade de documentos em vários formatos – seja em um modelo diferente, manuscritos, ou mesmo digitalizados de forma distorcida ou inadequada

As consequências desse movimento seriam o desenvolvimento de novos produtos centrados no digital e serviços, melhor experiência para clientes e funcionários, mais valor e receita para as empresas.

Empresas aceleram a automação para atender a demanda crescente de trabalho e a pressão inflacionária

Desde reduzir custos até atrair (e manter) os melhores talentos, a automação ajuda os executivos a enfrentarem os desafios financeiros mais difíceis.

Segundo o relatório da UiPath, com o mercado de trabalho mais apertado desde a Segunda Guerra Mundial e a inflação na máxima de 40 anos, as organizações de hoje enfrentam desafios econômicos vindos de todas as direções, mas a automação oferece um caminho para aliviar essas pressões.

A falta de mão de obra pode ser aliviada a partir do aumento da produtividade em decorrência da automação. De acordo com um outro estudo da UiPath, “78% dos executivos planejam investir ainda mais em automação para preencher vagas para as quais faltam profissionais e 85% acreditam que a automação pode ajudar a reduzir a rotatividade e atrair novos trabalhadores, ao criar um ambiente de trabalho mais atraente”, diz Garcia.

Sobre a inflação, segundo o estudo, os executivos estão percebendo que a melhor maneira de vencê-la é superá-la: 32% estão planejando focar na otimização de custos nos próximos anos; 22% estão procurando maneiras de melhorar seus processos e, em ambos os casos, a automação pode ajudar as equipes a fazer mais com os mesmos recursos.

“Sempre dizemos que a automação melhora a vida de todos dentro de uma empresa, especialmente dos funcionários, que se livram de tarefas burocráticas e repetitivas e podem evoluir em suas carreiras, assumindo papéis mais estratégicos”, afirma Garcia.

O executivo destaca ainda a UiPath Academy como forma de incentivar a qualificação profissional em RPA: “a UiPath Academy é uma plataforma de estudos online com o propósito de democratizar o acesso ao RPA e promove, com parceiros em diversas partes do mundo, cursos focados no desenvolvimento profissional de quem deseja trabalhar com RPA”, explica.

Os CIOs digitais intensificam a automação para cumprir novas metas

A UiPath também vê como tendência uma intensificação do papel dos CIOS que estão construindo uma nova base de atuação com foco no digital e com a automação como chave para todos os seus planos.

De acordo com o Gartner, “90% dos CIOs dizem que seu papel tem expandido para novas áreas como analytics, ESG, aquisição de talentos, vendas e marketing”.

Cada vez mais cabe aos CIOS desenvolver as bases estratégicas que melhorarão os custos, agilizarão os fluxos de trabalho, reinventarão experiências e introduzirão novas oportunidades de negócios. Cibersegurança, Nuvem, dados e Inteligência Artificial são as principais áreas nas quais eles estão investindo para trazer esses benefícios à tona.

Os recursos de automação ajudam as organizações a encontrar novas maneiras para automatizar e fazer com que as automações tenham um desempenho melhor do que nunca

Por meio de ferramentas de descoberta, como mineração de processos e mineração de tarefas, com aplicação de IA avançada, é possível identificar gargalos, ineficiências e oportunidades para melhorar sistemas inteiros, fluxos de trabalho e departamentos. “Esses dados-chave podem ser usados para criar novos ou mais processos valiosos, mesmo antes de automatizá-los”, pontua Edgar.

Segundo o executivo, não basta, porém, identificar o que precisa ser automatizado e automatizar: é preciso garantir que a automação funcione e ganhe escala e para isso já há testes automatizados para testar automações e aplicativos que ajudam a melhorar a qualidade, estabilidade, resiliência e desempenho das automações.

“Estudos indicam que 41% dos principais automatizadores, isto é, das empresas que mais acreditam na automação, já investiram em ferramentas de descoberta de processos e 82%5 dos executivos acreditam que a mineração de processos gera melhores resultados de automação”, destaca o executivo.

Low-code torna-se prioridade para que a automação e a Inteligência Artificial alcancem mais pessoas

É consenso que a automação, Inteligência Artificial, modelagem de dados são avanços que trazem vantagens competitivas relevantes às empresas, porém, muitos usuários não têm as habilidades técnicas para lidar com essas ferramentas, o que pode sobrecarregar ainda mais os times de TI, desenvolvedores e cientistas de dados.

Por isso, de acordo com a projeção da UiPath, as empresas tenderão a adotar cada vez mais as plataformas de automação com recursos Low-code ou mesmo nenhum código, ou seja, com capacidade para trabalhar com interfaces visuais simples, de arrastar e soltar, em vez de programação complexa.

Com isso, as equipes de TI passam a ser mais demandadas para desenvolver aplicativos personalizados que ajudam os usuários a trabalharem em diferentes tecnologias e sistemas. “Vale destacar que segundo estudo do IDC, 29% mais processos são automatizados quando as empresas introduzem programas de desenvolvimento do cidadão.

Inovações potencializadas com Inteligência Artificial ampliam cada vez mais o alcance da automação

A Inteligência Artificial e a automação formam uma combinação poderosa, abrindo cada vez mais recursos – novas ferramentas que podem desbloquear novos valores. Segundo a UiPath, mineração de processos, testes automatizados e Low-code para criação automatizada de aplicativos são apenas o começo.

A companhia destaca o Advanced Communications Mining que pode extrair conteúdo não estruturado contido em vários tipos de mensagens – e-mails, chamadas, chats, tíquetes de serviço – e transformá-los em dados viáveis usados para treinar Modelos de Processamento de Linguagem Natural (PLN). A partir daí, esses modelos podem levar a uma possibilidade infinita de tipos de automação: milhões de e-mails processados com roteamento sem toque, dúvidas e solicitações comuns tratadas automaticamente, insights detalhados de clientes coletados ao longo do caminho, entre outras.

Outras melhorias alimentadas por IA no PLN também permitem o Processamento Inteligente de Documentos – o que diminuirá substancialmente o trabalho manual e a papelada do dia a dia de uma empresa. Robôs poderão “ler” e “entender” uma variedade de documentos em vários formatos – seja em um modelo diferente, manuscritos, ou mesmo digitalizados de forma distorcida ou inadequada.

Ampliar as competências digitais dos funcionários será o próximo desafio para as lideranças de RH e TI

“Surgirão novas funções, novos conhecimentos serão demandados, bem como uma nova mentalidade também”, destaca Garcia.

Cada membro da equipe precisará de novas competências centradas no digital. RH e TI precisarão trabalhar juntos para contratar, treinar e aprimorar o novo trabalhador – com menos foco no transacional e repetitivo, e mais foco na entrega de esforços de automação. As plataformas de automação atuarão como facilitadoras para preencher essa crescente lacuna de habilidades e capacitar as equipes a fazer mais.

Para Garcia, a hora da mudança é agora. “Estima-se que 34% dos trabalhadores estão vendo funções e padrões de trabalho mudarem em virtude da automação, 77% dos líderes empresariais dizem que precisarão de profissionais com mais senso crítico e capacidade de gestão de recursos e projetos e 67%4 estão procurando mais liderança e habilidades de comunicação”, afirma. “Por isso, precisamos realmente empoderar os profissionais, dar-lhes as ferramentas necessárias para que possam evoluir”, finaliza Edgar.

Serviço
www.uipath.com

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento