book_icon

Embrapii apoia tecnologia inédita de Inteligência de Dados desenvolvida no País para o setor Automotivo

Equipamento oferece informações precisas na fase de testes de rodagem, trazendo análise da voz do condutor como um dos diferenciais

Embrapii apoia tecnologia inédita de Inteligência de Dados desenvolvida no País para o setor Automotivo

Uma solução inédita e com tecnologia desenvolvida no Brasil promete movimentar a indústria automobilística. A startup fluminense Previsiown recebeu apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial – Embrapii, e do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações – CPQD, Unidade Embrapii especializada em Comunicações Avançadas, para desenvolver um datalogger automotivo conectado a uma plataforma de Inteligência de Dados, que torna mais rápida e precisa a fase de testes de veículos.
Nesse período, a regulamentação de cada país é levada em conta usando critérios técnicos para garantir qualidade e segurança antes da oferta para venda.

Um datalogger é um dispositivo eletrônico que monitora e registra Dados em tempo real durante o percurso feito pelo veículo ou o seu uso numa determinada posição geográfica. A tecnologia do projeto, embora seja similar à caixa-preta de aviões, teve inspiração na Fórmula 1, em que a comunicação em tempo real entre piloto e quem ajusta o carro é feita de maneira muito rápida e harmoniosa.

O projeto apoiado pela Embrapii tem o objetivo de nacionalizar o equipamento, oferecendo um conjunto de soluções até então inédito na indústria automobilística

O chamado Online Automotive Datalogger registra e analisa os eventos quando o veículo é utilizado. Com base na avaliação de fatores como localização, clima, percepção do condutor e Dados, como por exemplo, desempenho do motor e consumo de combustível, o sistema consegue antecipar os eventos ainda em fase de teste e melhorar o produto antes da sua chegada ao mercado, diminuindo riscos de recall e chamados em garantia no pós-venda.

Segundo o CEO da Previsiown, Ivan Vianna, o principal fornecedor global dos dataloggers é uma empresa estadunidense. O projeto apoiado pela Embrapii, no entanto, tem o objetivo de nacionalizar o equipamento, oferecendo um conjunto de soluções até então inédito na indústria automobilística, tais como uso de voz e sensores do veículo, etc. Isso será feito a partir da produção do hardware e do software embarcado, ou firmware, que estão sendo desenvolvidos em parceria com a Unidade Embrapii CPQD. A ideia é criar uma versão nacional do datalogger com mais funcionalidades, gerando maior competitividade da indústria brasileira no cenário mundial.

A startup, que costuma atender multinacionais, afirma que esse é um produto inédito no mundo, pois os clientes, de atuação global, relatam não terem encontrado em outros mercados uma tecnologia com monitoramento tão variado e completo como o oferecido pela Previsiown.

Além do desempenho
O CEO diz que as soluções disponíveis no mercado focam apenas nos dados – e não utilizam o motorista como uma fonte relevante de informação. No projeto desenvolvido no âmbito da Embrapii, a ideia é não apenas colher dados sobre o desempenho do veículo, mas também trazer informação agregada, considerando-se a experiência do motorista. “Essa solução nos permite classificar e tirar insights dos dados coletados e até correlacionar fatores que nos testes tradicionais não conseguiríamos. É possível interpretar o dado em uma escala muito pequena de tempo, em milésimos de segundos e promover ajustes finos necessários”, explica.

O equipamento brasileiro oferece um diferencial, que é o uso da voz do motorista, ou nas palavras de do executivo da Previsiown, o “sensor inteligente”. Nesta solução, o motorista atua como um sensor inteligente. A pessoa fala, por exemplo, que o carro perdeu potência em determinado momento do percurso. Isso é registrado, para que depois se analise o ocorrido na fábrica. “A voz é o gatilho para disparar a captura das informações e posterior construção do cenário para reprodução da falha. Esse sistema usa a voz para reunir informações relevantes. Quanto mais célere for a coleta de dados, mais rápida será a tomada de decisão e correção dos problemas. Com isso, o sensor do equipamento vai analisar se o que é percebido pelo motorista é o que realmente vale. Trabalhamos com um fator subjetivo, que é a voz, para oferecer dados melhores”, ressalta ele.

A plataforma também reduz horas de trabalho, pois com a precisão de dados os engenheiros podem corrigir as eventuais falhas do veículo com maior assertividade, efetividade e rapidez antes da sua comercialização. “Durante a realização de um teste, em uma subida íngreme, o motorista relatou perda de potência do modelo, mas nosso sistema cruzou as informações e os engenheiros constataram, a partir dos dados coletados no momento da ocorrência, que se tratava apenas de uma retração normal durante a retomada de velocidade natural neste tipo de situação. Se os testes fossem realizados em momento posterior, seriam mais de trinta horas para descobrir o mesmo resultado. Essa solução oferece assertividade para avaliar o que é realmente importante para a eficiência dos veículos. É uma ferramenta que habilita a transformação digital no processo de testes de automóveis”, explica o CEO da startup.

O ‘Online Automotive Datalogger’ apoiado pela Embrapii está em fase de testes e a Previsiown foi convidada a expor o projeto no Web Summit Lisbon, maior evento de tecnologia da Europa, que ocorre de 1° a 4 de novembro de 2022. A previsão é de que o produto 100% nacional chegue ao mercado até o início de 2024.

Compartilhamento de riscos é diferencial do modelo Embrapii
O CEO da Previsown afirma que o apoio da Embrapii foi primordial para a construção do projeto. “O risco é inerente à inovação. Colocar startup para dialogar com centro de pesquisa e oferecer o recurso financeiro é fundamental. Se não existisse a Embrapii, essa startup não existiria. Como uma pequena empresa chega a uma montadora multinacional?”, analisa.

Ele observa o contexto do apoio a projetos similares e diz que as startups trazem a proposição do novo, o frescor da inovação, de ideias; as instituições científicas, que são as Unidades Embrapii, aportam conhecimento técnico e transformam as ideias em algo viável, enquanto a Empresa Brasileira de Pesquisa coloca o recurso porque entende que inovação é caro, sabendo que os resultados não sairão tão rápido”, destaca. Segundo ele, se não houver esse tripé a inovação não acontece. “A Embrapii cumpre um papel fundamental no fomento da inovação, por meio do Estado”, completa.

A realização desse projeto é resultado do contrato de gestão celebrado entre a Embrapii e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações – MCTI, o Ministério da Educação – MEC, o Ministério da Saúde – MS e o Ministério da Economia – ME. O projeto também conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae.

A Embrapii oferece a empresas nacionais que desejam inovar recursos não reembolsáveis e um ecossistema de 77 Unidades Embrapii, que são centros de pesquisas de todo o País. Para pequenos empreendedores e startups, há um programa específico, o Lab2MKT, que acompanha todo o ciclo de desenvolvimento do produto até sua chegada ao mercado. Mais de 1700 projetos já receberam o apoio da Embrapii, totalizando mais de R$ 2,4 bilhões em investimentos.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.