book_icon

15% dos profissionais consideram seu ambiente de trabalho ideal para a saúde mental

Estudo conduzido pela área de Educação in Company do Administradores identificou sintomas de ansiedade, depressão e burnout entre os participantes

15% dos profissionais consideram seu ambiente de trabalho ideal para a saúde mental

A saúde mental se tornou uma pauta constantemente discutida no mercado ao longo da pandemia — infelizmente, por motivos negativos. Sobrecarregados com as demandas de trabalho e isolados em suas casas, relatos de ansiedade, depressão e problemas emocionais derivados cresceram ainda mais neste período, desencadeando problemas sérios para o cotidiano de muitos. Isso é o que comprova a pesquisa “Saúde Emocional e Carreira” realizada pela área de Educação in Company do Administradores Premium, streaming de educação para negócios do Administradores. Seus dados revelam que apenas 15,3% dos profissionais consideram seus ambientes de trabalho como lugares ideais para sua saúde mental.

Dentre os problemas de saúde mental mais relatados, 33,7% disseram terem sido diagnosticados com ansiedade, junto com 15,3% que sofrem com depressão e 7% com estresse crônico

Em uma autoavaliação acerca de sua saúde emocional, apenas 17,6% a declaram como muito boa — uma parcela pequena e preocupante. “A sobrecarga de trabalho e o excesso de atividades são alguns dos maiores influenciadores desses resultados, o que acende um alerta para as empresas prestarem mais atenção em seus times e na qualidade de vida de todos”, ressalta o pesquisador e terapeuta Vasco Patú, professor do “Respira: Programa de Combate ao Estresse e Ansiedade”, no Administradores Premium.

Dentre os problemas de saúde mental mais relatados, 33,7% disseram terem sido diagnosticados com ansiedade, junto com 15,3% que sofrem com depressão e 7% com estresse crônico. Conforme destaca Patú, o diagnóstico de um profissional capacitado é essencial para o direcionamento do melhor tratamento a ser seguido. Na prática, entretanto, são poucos os que buscam essa solução.

A pesquisa identificou que, dentre aqueles que suspeitavam estarem enfrentando alguma doença mental, apenas 20,5% decidiram buscar o auxílio de um psicólogo, junto com 21% que optaram por consultar um médico. Mas, infelizmente, 31,5% nunca procuraram a ajuda de um especialista nesta área para terem o apoio necessário para lidarem com a situação. Os demais preferiram apenas conversar com amigos, colega de trabalho, familiar ou líder religioso.

Dos profissionais que nunca tiveram diagnóstico formal, 48% disseram suspeitar estarem sofrendo de ansiedade, 14% de estresse crônico e 12% de burnout. “A saúde mental não é, até hoje, tida como essencial para muitas pessoas. Mas, já está mais do que na hora de mudar este pensamento, uma vez que qualquer um desses sintomas pode trazer consequências sérias para cada um”, explica Vasco Patú.

Estudo quer colocar luz sobre o tema
Todos os Dados foram coletados com base na amostra de 662 respondentes de todos os estados do Brasil, entre os dias 18 e 21 de setembro de 2022. A pesquisa é uma iniciativa da área de Educação Corporativa do Administradores Premium, plataforma de educação para negócios do Administradores.com. A íntegra do estudo será liberada gratuitamente no dia 30 de setembro. Para recebê-la quando for divulgada, acesse: https://lps.administradores.com.br/pesquisa-saude-emocional.

“Por aqui, já treinamos mais de 100 mil profissionais, dos mais variados níveis e segmentos. Seja na liderança ou no chão de fábrica, as questões emocionais estão sempre presentes. Percebemos que tanto quem lidera quanto quem é liderado têm dificuldades para lidar com o assunto. Com esse levantamento, esperamos colocar luz sobre o tema e ajudar o mercado a construir ambientes de trabalho mais saudáveis”, afirma Simão Mairins, que lidera a área de Educação in Company do Administradores e coordenou o levantamento.

No mês em que se celebra o Setembro Amarelo, colocar sobre a mesa a discussão sobre a saúde mental e emocional se mostra essencial para garantir um ambiente equilibrado, evitando, assim, danos irreversíveis. “O isolamento social trouxe impactos drásticos para a vida de muitas pessoas. Por isso, as empresas precisam, mais do que nunca, priorizar a construção de locais de trabalho saudáveis para todos, por meio de ações que combatam esses diagnósticos e façam com que todos se sintam felizes em sua rotina”, finaliza Patú.

Serviço
administradores.com.br

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.